Comece por aqui: A Filosofia da Administração

É sabido pelos estudiosos acerca do assunto, que o termo Filosofia tem a sua formação proveniente do grego, em que a palavra philos é derivada de philia, que significa amizade, respeito entre os iguais, mais a palavra sophia, que significa sabedoria, e dela vem a palavra sophos, que significa sábio, com o acréscimo do sufixo ia.

Quando um autor se dispõe a escrever sobre a Filosofia do Direito, por exemplo, ele deve evidenciar a sabedoria que deve nortear o Direito, então esse autor deve ser necessariamente um sábio, sendo detentor dos predicados da sabedoria, para que então possa apontar os cursos das direções que devem ser seguidos nas lides do Direito, discernindo quais os rumos mais apropriados devem ser os indicados no caminhar em prol da justiça, orientando aos seus operadores, para que assim eles possam adotar os procedimentos recomendáveis nos diferentes contextos que essa parcela do Saber se nos apresenta.

Ainda não existe na literatura mundial uma obra que trate deste assunto acerca de A Filosofia da Administração, havendo apenas alguns poucos ensaios e artigos que abordam levemente o assunto, apenas pela rama, limitando-se a ressaltar a Filosofia como sendo uma ferramenta importante para a Administração, a Filosofia devendo ser aplicada à Administração, A Filosofia devendo ser seguida pelos administradores, a Filosofia e a Administração em seus contextos, e outros ensaios e artigos correlatos, sem que eles tragam qualquer aprofundamento acerca do assunto e sem que venham realmente a trazer maiores esclarecimentos acerca dos temas abordados.

Os autores desses ensaios e artigos sabem da importância do tema A Filosofia da Administração, mas não sabem como explaná-lo, geralmente porque eles estudam a Filosofia, mas não são versados na Administração, e vice-versa.

Para que se possa escrever efetivamente sobre A Filosofia da Administração, torna-se absolutamente necessário que o autor venha a discorrer sobre tudo aquilo que a Filosofia representa para a nossa humanidade, no decorrer da história desta nossa civilização, pois sem esses esclarecimentos considerados como sendo absolutamente necessários, os administradores permanecerão sempre ignorantes acerca da realidade da vida, sem que possam adquirir a noção exata do seu verdadeiro papel no contexto universal.

Há que se considerar que a verdade é distinta da sabedoria, por isso ambas devem ser tratadas de modos diferentes. No entanto, embora a verdade seja distinta da sabedoria, ambas se completam para a formação do Saber, por excelência, por onde assim, e somente assim, pode-se alcançar a razão. Desta maneira, para que a sabedoria possa se fazer valer plenamente no campo da Administração, torna-se evidente que ela necessita da verdade como sendo a sua legítima e autêntica fonte, para que então possa indicar os rumos a serem seguidos pelos administradores, a fim de que eles possam realmente se situar no âmbito da razão.

É por isso que esta obra tenta reunir os principais fundamentos da verdade e da sabedoria, no esforço empregado por situar ao leitor no âmbito da razão, para que somente depois venham a ser abordados os assuntos que digam respeito tanto à Administração de Empresas como a Administração Pública. Em sendo assim, esses principais fundamentos podem também ser utilizados para se escrever a filosofia de outras parcelas do Saber, pois que o objetivo maior é o esclarecimento humano, não cabendo aqui qualquer reivindicação em relação aos direitos autorais, dos quais se deve abrir mão.

Nas várias categorias que se encontram expostas neste site, os assuntos a elas inerentes vão seguindo a uma determinada ordem estrutural, cujas leituras devem ser realizadas seguindo as instruções seguintes:

  • Leia com bastante atenção a cada um dos assuntos que estão sendo explanados, meditando profundamente sobre os mesmos, pois que todos eles representam a luz verdadeira da realidade universal, justamente por isso não se encontram postos na literatura mundial;
  • Basicamente, toda a literatura mundial é representada somente pela imaginação humana, que raciocina apenas através das representações de imagens, combinando-as, enquanto que os assuntos aqui explanados são representados pela concepção humana, cujo raciocínio ocorre por intermédio das formulações de ideias, associando-as, daí a razão da recomendação de se meditar profundamente sobre os mesmos, pois que eles irão abalar profundamente o seu corpo mental, proporcionando a que as suas visões da vida, do mundo e do Universo, venham a ser totalmente alteradas;
  • Os assuntos que estão sendo explanados seguem uma ordem lógica de sequência, em que os anteriores servem de base para a devida compreensão dos posteriores, por isso todos devem ser lidos seguindo a essa ordem lógica de sequência, não devendo, jamais, serem saltados, ou seja, lidos apenas os assuntos que despertam um maior interesse, deixando de serem lidos os assuntos que despertam menos interesse, pois que assim faltará a base para uma verdadeira compreensão desses mesmos assuntos que despertaram um maior interesse;
  • Os assuntos considerados como sendo filosóficos, geralmente não despertam a atenção dos leitores, em razão dos seus autores normalmente serem afeitos às especulações, empregando sempre termos inapropriados nessas suas especulações, buscando geralmente palavras ininteligíveis para especular, sem que elas venham a ser realmente conclusivas, enquanto que aqui não existe qualquer especulação, sendo tudo realidade, portanto, sendo tudo conclusivo, em que o esforço desprendido é pelo emprego das palavras mais simples, todas elas sendo acessíveis ao médio intelecto;
  • Os assuntos considerados como sendo científicos, geralmente não despertam também a atenção dos leitores, em razão dos seus autores, que formam a comunidade científica, fazerem uso de palavras demasiadamente técnicas, difíceis de serem apreendidas pelo corpo mental dos leitores, que assim perdem o legítimo interesse pelas suas leituras, enquanto que aqui todos os assuntos científicos explanados podem ser facilmente apreendidos por aqueles que detêm um médio intelecto, pois que os termos aqui empregados são simples e fáceis de serem apreendidos, uma vez que a explanação dos assuntos corrigem a todos os erros científicos, já que as ciências se encontram atualmente todas equivocadas, como será devidamente demonstrado;
  • O leitor ainda se encontra na fase da imaginação, raciocinando apenas através das representações de imagens, formando assim o seu próprio universo pessoal, ao qual se encontra deveras habituado, por isso não deve se espantar com a natureza dos assuntos que aqui estão sendo explanados, os quais se chocam frontalmente com esse seu universo pessoal, pelo contrário, deve lançar mão do seu próprio raciocínio para formar o seu próprio juízo acerca da realidade ora posta para si, para que assim possa concluir, determinando a sua procedência lógica e racional, em consonância com o Universo.
Romae