15.03.09- Os primeiros seres humanos

Prolegômenos
5 de julho de 2018 Pamam

Apesar de a doutrina católica haver reconhecido tacitamente a existência da evolução espiritual, pois que ela é incontestável, tal reconhecimento somente é reconhecido pela Igreja por intermédio da constante intervenção divina do deus bíblico. Tanta obtusidade, acrescida de uma abominável má intenção, torna mais que patente a inexistência do esforço e do sacrifício empregado pelos espíritos para que possam evoluir espiritualmente, pois que assim eles somente podem evoluir através das graças advindas dos céus, que, na realidade, é o astral inferior, onde se encontra Jeová, o deus bíblico, e as suas falanges de anjos negros.

Mas como explicar com a lógica e com a racionalidade devidas a razão pela qual existem tantos católicos crentes e fervorosos que são por demais obtusos em relação aos que não seguem ao credo católico, inclusive o papa, que somente fala asneiras, nada mais que asneiras, e também os sacerdotes católicos, incluindo-se aqui os demais sacerdotes? Caso alguém faça um resumo de tudo aquilo que o papa e os sacerdotes expressam em suas falas ao público, não se consegue extrair absolutamente nada que venha a ser verdadeiramente útil à nossa humanidade, pois que condenar os conflitos e os desentendimentos humanos, antes mesmo deles, o próprio povo se encarrega de condenar, como disso todos são mais do que sabedores, e as suas preces, de um modo geral, há séculos e séculos que vêm sendo dirigidas ao deus bíblico e aos santos fabricados pelo Vaticano, porém, sem qualquer resultado positivo, muito pelo contrário, tornando ainda mais pesada e negra a atmosfera terrena, como será devidamente demonstrado através de imagens no site pamam.com.br. E quanto às soluções para tudo isso? Nenhuma solução é apontada por qualquer dos credos e das suas seitas. E essa campanha da fraternidade proposta pela CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil não passa de pura estratégia mercadológica sacerdotal para impressionar ao povo em geral, pois que essa tal campanha da fraternidade é uma historieta contada para boi dormir, como assim se expressam os populares quando se referem a algo que seja completamente inútil.

Ser ardiloso, matreiro, astucioso, repleto de artimanhas, tirando tudo o que diz do âmbito do sobrenatural, tendo por base a fé credulária, sem qualquer lógica ou racionalidade que venha a ser acessível à compreensão, é querer apenas mostrar uma certa esperteza, tendo como fundo desse teatro a má intenção, pois que somente assim se pode dominar aos incautos e assaltar as suas bolsas, arrebanhando-os e os tornando a todos uns verdadeiros cretinos.

Para que os seres humanos venham se tornar verdadeiramente inteligentes, eles têm que desprender um tremendo esforço para que assim possam desenvolver aos seus órgãos mentais: o criptoscópio, o intelecto e a consciência; assim como também aos seus atributos superiores e positivos. Somente após os órgãos mentais e os atributos superiores e positivos se encontrarem relativamente desenvolvidos, é que eles poderão se livrar da ilusão da matéria e do devaneio do sobrenatural, e então poderem contemplar o verdadeiro livro escrito por Deus, no qual todos nós nos encontramos inseridos, cujo livro todos conhecem, mas que não se dispõem a contemplar com inteligência: a natureza.

O criptoscópio tem a função de perceber e a finalidade de captar os conhecimentos metafísicos acerca da verdade. O intelecto tem a função de compreender e a finalidade de criar as experiências físicas acerca da sabedoria. A verdade é a legítima fonte da sabedoria. E a consciência tem a função de coordenação e a finalidade de coordenar os conhecimentos metafísicos acerca da verdade e as experiências físicas acerca da sabedoria, único modo pelo qual se pode alcançar a razão. E tudo isso pode ser contemplado diretamente da natureza. Então é a natureza quem deve ser investigada em busca da verdade e pesquisada em busca da sabedoria, jamais os livros ditos sagrados, que foram todos escritos por médiuns obsedados, escrevendo tudo aquilo que os espíritos obsessores lhes intuíam.

Deste modo, pode-se compreender então o porquê de mesmo assim a doutrina católica e as demais doutrinas bíblicas  virem afirmar que o ser humano foi criado à imagem e semelhança do seu deus bíblico, acreditando piamente na intrujice desse espírito trevoso quedado no astral inferior, que atuando em médiuns obsedados tidos como profetas, escritores de livros bíblicos, fizeram com que todos os credulários incautos viessem a acreditar em suas baboseiras. Caso viessem a raciocinar apenas um pouco, poderiam constatar plenamente que se esse deus bíblico fosse realmente o verdadeiro Deus, ao qual Jesus, o Cristo, chamou de Pai, não poderia jamais existir a salvação, que é um instituto esdrúxulo, pois que seriam as próprias imagens e semelhanças do verdadeiro Deus que seriam condenadas para o inferno por toda a eternidade. E isso é revestido de alguma lógica? Possui alguma racionalidade?

Não é assim, e jamais poderia ser de tal maneira que os humanos poderiam se conhecer a si mesmos, como assim se pronunciou com clareza o nosso Redentor, depois de dois mil anos após o livro do Gênese ser escrito, quando afirmou: “Conhece-te a ti mesmo”. Note-se aqui, que, caso fosse assim, caso nós viéssemos a nos conhecer a nós mesmos de tal maneira, fatalmente iríamos conhecer também ao deus bíblico em toda a sua extensão, pois, afinal, nós não seríamos a sua própria imagem e semelhança?

Mas como assim não é, como jamais poderia ser, pois para que nós possamos conhecer a nós mesmos, temos primeiro que conhecer a Deus, ao verdadeiro Deus, quero dizer, temos primeiro que identificar as Suas Substâncias, que são também as nossas mesmas substâncias, pois que Dele viemos e para Ele iremos retornar. Fica fácil compreender, então, que Deus é formado de Substâncias, as quais se dividem em Essência e Propriedades. A Essência é o Ser Total, do qual nós somos originários, partículas individualizadas, ao adentrarmos no Universo, tais como sendo os seres do Ser Total, as criaturas do Criador, ou mesmo, podemos assim dizer, os deuses de Deus. E as propriedades são a Força Total, a Energia Total e a Luz Total, através das quais todos os seres evoluem pelo Universo, primeiramente adquirindo as propriedades da Força e da Energia, até alcançar o estágio espiritual, ao adquirirem o raciocínio e o livre arbítrio, quando então, a partir daí, passam a adquirir também a propriedade da Luz.

A propriedade da Força contém o espaço. A propriedade da Energia contém o tempo. O espaço e o tempo formam o Universo. Assim como Deus, sendo o Ser Total, divide-se em partículas, dando origem a todos os seres, do mesmo modo Ele, sendo a Força Total e a Energia Total, divide-se também em partículas, dando origem às estrelas, que fornecem as coordenadas do Universo. O Universo, então, está contido em Deus, que pode ser considerado como sendo a Alma Universal. Mas Deus também é a Luz Total, que penetra todo o Universo, em cada um dos pontos das suas coordenadas.

Ao evoluirmos por intermédio das propriedades da Força e da Energia, nós vamos passando por cada uma das coordenadas universais, que assim vão passando a fazer parte integrante da nossa alma. Quando alcançamos a espiritualidade, passamos a evoluir também por intermédio da propriedade da Luz, quando então podemos penetrar em todas as coordenadas universais por que passamos. Deus penetra todo o Universo. Nós penetramos a parte do Universo que se encontra contida em nós mesmos. Então Deus se encontra contido em nós mesmos, até o ponto em que conseguimos alcançar no decorrer da nossa evolução.

A conclusão óbvia, lógica e racional a que se chega, é que nós nos conhecemos a nós mesmos conhecendo também o Universo, evidentemente que por intermédio da natureza, que assim pode ser considerada como sendo verdadeiramente o livro escrito por Deus.

Mas acontece que os seres humanos ainda se encontram na fase da imaginação, sendo todos cativos do ambiente terreno, e estando assim presos à sua atmosfera, que é a sua aura, nada podem apreender a respeito da verdade e da sabedoria, ficando assim impossibilitados de alcançar a razão, por não conseguirem transcender ao ambiente em se encontram cativos. É somente adquirindo a consciência do universo que se encontra em si mesmos, o qual faz parte do Universo, que é diferente do universo criado para si, através da imaginação, que os seres humanos poderão se conhecer a si mesmos.

Torna-se assim fácil o querido leitor compreender que o ser humano não é um simples objeto, um mero aglomerado de carne e osso, tal como Jeová, o deus bíblico, assim afirmou, como se fôssemos a sua imagem e semelhança, pois que tal afirmativa remonta ao tempo em que ele se encontrava encarnado, mas sim uma pessoa com dignidade humana, de natureza puramente espiritual, tendo a consciência plena de que Deus se encontra em nós mesmos, assim como também parte do Universo, em conformidade com o nosso estágio evolutivo, e não como afirma a doutrina católica, “sendo capaz de se conhecer a si mesmo, de se dar livremente e de entrar em comunhão com Deus e com as outras pessoas”, sendo por isso chamado por esse credo à santidade e a felicidade, que por cerca de dois mil anos nunca trouxe a santidade e muito menos a felicidade a quem quer que seja, pois que a santidade não existe e nem pode ser fabricada pelo Vaticano, e a felicidade não pode ser adquirida através da intolerância, de torturas, de assassinatos, de guerras, de homossexualismo, de incesto, de pedofilia, e dos demais crimes vaticanos, principalmente do uso constante da mentira sobrenatural.

Segundo o livro do Gênesis, todo o gênero humano é descendente de Adão e Eva, uma vez que ambos possuem uma igual dignidade e, ao mesmo tempo, o homem e a mulher vivem em uma complementaridade recíproca enquanto masculino e feminino, então são chamados a formar um matrimônio indissolúvel de uma só carne, a transmitirem a vida humana e a administrarem a Terra, daí a grande responsabilidade do homem no plano do deus bíblico.

Quanta materialidade!

É óbvio e evidente que o homem e a mulher não formam uma só carne, eles apenas coabitam um com o outro, não sendo chamados a formar matrimônio neste mundo, pois que os laços matrimoniais são previamente traçados quando ambos ainda se encontram em seus Mundos de Luz, para que procriem, para que formem as suas proles. Neste caso, ignora-se completamente que o homem encarna para administrar o mundo, a fim de torná-lo sagrado, digamos assim, para que então as relações humanas venham a ser totalmente espirituais, enquanto que a mulher encarna para administrar o lar, que já é considerado por todos os seres humanos como sendo sagrado, inviolável em sua natureza, para que assim ela possa tornar a sua prole espiritualizada, educando aos filhos para que eles possam administrar o mundo, e as filhas para que elas possam tornar os lares cada vez mais puros.

Sem que tenha a mínima noção do que sejam o espírito, a alma e o corpo carnal, a doutrina católica afirma que o ser humano possui apenas um corpo mortal e uma alma imortal, que são criados diretamente pelo deus bíblico, e que após a morte a alma voltará a se unir ao corpo mortal, mas somente no momento da ressurreição final. Segundo o projeto inicial desse deus bíblico, sem qualquer noção acerca da eternidade, portanto, de um preceito evolutivo pertinente a todas as suas criaturas, que ele se arvora de haver criado, que assim tem projetos inicial, intermediário e final, os homens não foram destinados a sofrer e nem a morrer, mas o seu projeto, totalmente imperfeito, sem se comparar ao plano de espiritualização da nossa humanidade formulado por Jesus, o Cristo, ainda na condição do Antecristo, foi completamente modificado, em virtude de Adão e Eva haverem sido inicialmente livres, mas que sucumbiram à tentação de Lúcifer, comendo o fruto proibido, a essa baboseira ridícula de fruto proibido, desobedecendo assim ao deus bíblico, e segundo Gênesis 3:5 querendo se tornar deus “como Deus, sem Deus e não segundo Deus”. Assim, eles perderam a sua santidade original e cometeram o seu primeiro pecado, dando origem ao pecado original. Ora, esse deus bíblico sabia de antemão que Adão e Eva iriam comer o fruto proibido? Se sabia, então porque criou esse fruto proibido? É sadismo? É uma criação proposital para que os primeiros homens caíssem em tentação? Não. Tudo isso é uma tremenda baboseira, uma estúpida invenção de um espírito tremendamente obsessor.

Em decorrência, Adão e Eva transmitiram o pecado original a todos os homens, que são os seus descendentes, fazendo com que todos passassem a morrer, a terem tendência para pecar, a sofrerem e a serem ignorantes. Mas os católicos acreditam que o seu deus bíblico não abandonou o homem ao poder da morte, então anunciou previamente que o mal seria vencido, embora de uma maneira misteriosa. Isto constituiu o primeiro anúncio da vinda de Jesus, o Cristo, que dizem instituiu o batismo para a remissão do pecado original e outros, entre outras coisas esdrúxulas e estapafúrdias.

Todos sabem que os seres humanos são primatas, que existem os primatas racionais e os primatas irracionais, o que implica em dizer, por dedução lógica, que fomos primatas irracionais. E muito antes disso, fomos os seres mais imperfeitos que existem. Sim, todos nós fomos seres hidrogênios, passamos por toda a cadeia atômica, molecular, celular, e assim por diante, até havermos conseguido chegar à condição de primata racional: seres humanos.

 

Continue lendo sobre o assunto:

Romae