13- O RACIONALISMO CRISTÃO

A Era da Verdade
4 de abril de 2020 Pamam

Para que se possa compreender a contento o que seja realmente o Racionalismo Cristão, torna-se absolutamente necessário que o leitor tenha lido e compreendido tudo aquilo que se encontra contido na categoria A Cristologia, em que lá se encontra detalhado em seus pormenores tudo aquilo que se refere ao Cristo.

É sabido que Deus é o Instituidor do instituto Cristo, por isso esse instituto sempre existiu em todos os tempos, pois não se pode admitir que aquilo que foi instituído por Deus venha sofrer alguma alteração no tempo, sendo de um modo em certo período de tempo, e de modo diverso em outro certo período de tempo.

É certo que existe um número incalculável de humanidades que evolui por todo o Universo, encarnando em seus respectivos mundos-escolas, que as abrigam desde as primeiras encarnações como espíritos. As humanidades são todas interligadas uma a uma, formando uma infindável corrente, incomensurável para a nossa compreensão humana, cujos elos que as compõem são representados por cada uma das humanidades. Porém, como as humanidades não são estáticas, mas sim dinâmicas, uma vez que vão ascendendo às regiões mais elevadas do Universo, elas formam uma espécie de esteira evolutiva, que vai transportando os seus respectivos Mundos de Luz às regiões mais excelsas do Universo.

A Sabedoria Excelsa, em atendimento ao preceito maior do Universo, que é a evolução, vem proporcionar o meio necessário para proceder a espiritualização de todas as humanidades, já estando elas o mínimo preparadas para a concretização desse evento, que, no caso da nossa humanidade, teve o seu início com a integração em nosso meio de um dos dois espíritos expoentes da humanidade que seguimos na esteira evolutiva do Universo, ao alcançar a condição evolutiva do Antecristo, que nesta condição evolutiva de Antecristo passou a chefiar todo o processo a ser desencadeado, ao elaborar um plano de espiritualização para a nossa humanidade e agir direta e intensamente no sentido da sua realização, enquanto que o outro expoente continuou na chefia da sua própria humanidade.

É por isso que quando esse espírito se deslocou da sua humanidade para a nossa, o seu estágio evolutivo era ainda abaixo do equivalente ao estágio do Cristo, sendo justamente por isso que esse estágio evolutivo é denominado de Antecristo, denominação esta adquirida em sua própria humanidade, por ocasião da sua espiritualização, ao promover a produção da amizade espiritual e fazer emergir a solidariedade fraternal entre os seus companheiros de humanidade, além de estabelecer os seus mais elevados ideais no seio do seu mundo-escola, por ocasião da explanação do Racionalismo Cristão que lá havia sido instituído pelo Cristo da humanidade que a sua segue na esteira evolutiva do Universo.

E assim, ao elaborar um plano para a espiritualização da nossa humanidade, teve que encarnar várias neste nosso mundo-escola para a consecução desse seu fabuloso plano espiritualizador, tendo encarnado como Hermes, no Egito, como Krishna, na Índia, como Confúcio, na China, como Platão, na Grécia, alcançando sempre os estágios evolutivos seguintes, até alcançar o estágio final da evolução espiritual, ao encarnar como Jesus, o Cristo, na Palestina, que obviamente é o mais elevado estágio evolutivo que um espírito pode alcançar, tendo como moradia o último Mundo de Luz existente na escala das classes dos mundos espirituais, onde se pode contemplar diretamente a todos os seres e ao Ser Total, ou Deus, como é prova o fato de tê-Lo chamado de Pai, pois a finalidade da evolução espiritual é alcançar a onipotência, a onipresença e a onisciência.

Como Hermes, no Egito, esse grande espírito estabeleceu o início de A Era da Sabedoria no seio da nossa humanidade. Como Jesus, o Cristo, veio decretar o final de A Era da Sabedoria, o que implica em dizer que a sabedoria já estava fincada com solidez no seio da nossa humanidade, e estabelecer o início de A Era da Verdade, o que implica em dizer que a verdade ainda não se encontrava fincada no seio da nossa humanidade, o que joga por terra a essa Bíblia mentirosa e perigosa, notadamente o Velho Testamento. E tanto isto procede que ele afirmou que “Somente a verdade poderá livrar a humanidade das garras da ignorância e levá-la ao cumprimento do dever”. É certo que a Bíblia é um livro mentiroso e perigoso, pois que para os incautos ignorantes ele é um livro sagrado, o que faz as delícias dos sacerdotes, mas nós temos que tirar aquilo que se encontra de permeio nesse livro e que seja autêntico, é o que vamos encontrar nas palavras de Jesus, o Cristo, em João 16:12 a 14, que diz o seguinte:

Ainda tenho muitas coisas para vos dizer, mas não sois atualmente capaz de suportá-las. No entanto, quando esse chegar, o espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade, pois não falará de seu próprio impulso, mas falará as coisas que ouvir e vos declarará as coisas vindouras. Esse me glorificará, porque receberá do que é meu e vô-lo declarará”.

Como se pode claramente constatar, os seres humanos da época ainda não se encontravam preparados para ouvir a verdade transmitida diretamente por Jesus, o Cristo, já que até os seus ensinamentos não foram compreendidos, por isso ele prometeu a vinda a este mundo do espírito da verdade, que guiaria a todos os seres humanos no caminho da verdade, pois que não falaria do seu próprio impulso, ou seja, não tiraria a verdade de si mesmo, da sua própria imaginação, mas falaria as coisas das quais era intuído pelo Astral Superior e das coisas que ele mesmo percebia e captava do Espaço Superior, o que se encontra implícito.

Nós vimos que em todo decorrer de A Era da Verdade, muitos veritólogos encarnaram para perceber e captar os conhecimentos metafísicos acerca da verdade, os quais eram tidos como sendo filósofos, como nos conta a própria história da filosofia, mas os historiadores filosóficos não consideraram em seus escritos a vinda de Allan Kardec, porque ele adentrou com profundidade na seara espírita, e os historiadores só se referem àqueles que tratam a espiritualidade pela rama, mas, infelizmente, Allan Kardec falhou em sua missão, pois que se deixou obsedar por espíritos que quando encarnados haviam sido jesuítas, daí foi apenas um passo para ele enveredar no terreno sinuoso da Bíblia e adentrar no âmbito do sobrenatural, estabelecendo um credo, o credo espírita, que trata somente com espíritos obsessores.

Tendo falhado Allan Kardec em sua missão, tomou Luiz de Mattos para si a missão de implantar o Racionalismo Cristão no seio na nossa humanidade, o que logrou pleno êxito, por isso podendo ser considerado como sendo o espírito da verdade prometido por Jesus, o Cristo, até nos Evangelhos, o que implica em dizer que ele é o nosso veritólogo maior. Mas de alguma coisa serviu o Espiritismo, pois foi através dele que Luiz de Mattos deu os primeiros passos para conceber a existência do Racionalismo Cristão.

Em 1909, sendo pressionado por alguns amigos para frequentar um centro espírita, Luiz de Mattos de início relutou, pois discordava do caráter dos frequentadores desses centros espíritas. Mas os amigos insistiram, afirmando que esse centro espírita era frequentado por pessoas honradas, quando então ele aceitou frequentar, não com certa relutância. Passando a frequentar a esse centro espírita, modesto mas honrado, ele se deparou com fenômenos que até então julgava serem mentirosos. Estando convencido de que realmente se tratava de fenômenos espiríticos, mesmo assim, ele discordava das práticas credulárias que ali eram manifestadas, pois considerava que o Espiritismo deveria ser a ciência das ciências, a filosofia das filosofias, sem qualquer vinculação com algum tipo de credo. Foi com base nessa premissa que ele fundou na cidade de Santos, em São Paulo, no dia 26 de janeiro de 1910, o Centro Espírita Amor e Caridade, a primeira instituição oficialmente racionalista cristã. Em 1914, lançou o Espiritismo Racional e Científico Cristão. Mas o Astral Superior não poderia admitir qualquer vínculo com o Espiritismo, então o nome mudou para Racionalismo Cristão, conservando-se até hoje.

Tendo sido fundado o Racionalismo Cristão, ficou assentada em nossa humanidade a pedra fundamental para a produção do nosso Cristo, pois que ele foi fundado tendo por base uma doutrina, ou uma saperologia, ou, ainda, uma filosofia, que trazia os conhecimentos metafísicos acerca da verdade incrementados com algumas experiências físicas acerca da sabedoria, para que assim pudesse fazer eco na compreensão dos intelectuais que fossem espiritualizados.

Mas seria preciso que ele fosse explanado por um intelectual, o qual iria assumir a condição de saperólogo, e depois de ratiólogo, quando então poderia assumir a condição do Antecristo da nossa humanidade. Assim, na condição do Antecristo da nossa humanidade, ele poderia explanar tudo aquilo que dizia referência ao Racionalismo Cristão, estabelecendo os seus ideais na face da Terra, promovendo a produção da amizade espiritual entre os seres humanos e estabelecendo a solidariedade fraternal entre todos. Além disso, é de competência do Antecristo a decretação do final de A Era da Verdade e o estabelecimento de A Era da Razão, com a nossa humanidade devendo passar por grandes transformações. Com a fundação do Racionalismo Cristão, Jesus, o Cristo, cumpriu com o seu papel para com a nossa humanidade, tendo retornado para a sua própria humanidade, para lá exercer o papel do seu Cristo, conduzindo-a rumo ao Criador, deixando Luiz de Mattos como sendo o chefe da nossa humanidade.

Após a explanação do Racionalismo Cristão, a fixação dos seus ideais na face da Terra e a decretação do final de A Era da Verdade, estabelecendo o início de A Era da Razão, com o estabelecimento da amizade espiritual e da solidariedade fraternal entre os seres humanos, o Antecristo deverá se deslocar da nossa humanidade para a outra humanidade que nos segue na esteira evolutiva do Universo, onde lá deverá elaborar um plano para a sua espiritualização, devendo encarnar várias vezes no seu mundo-escola para a concretização do seu plano espiritualizador. Na sua primeira encarnação no mundo-escola dessa humanidade, o Antecristo deverá estabelecer o início de A Era da Sabedoria, encarnando várias vezes para estabelecer o êxito dessa Grande Era. Após dois mil anos, ele deverá encarnar na condição do Cristo, decretando o final de A Era da Sabedoria e estabelecendo o início de A Era da Verdade. No decorrer das duas Grandes Eras, ele deverá selecionar entre os integrantes dessa humanidade aqueles que deverão ser os seus dois expoentes, sendo um dos expoentes o seu veritólogo maior, o espírito da verdade, que deverá ser o encarregado de fundar o Racionalismo Cristão ao final de A Era da Verdade, e o outro expoente, um intelectual, que deverá se tornar um saperólogo e depois um ratiólogo, portanto, o Antecristo dessa humanidade, o qual deverá ser o encarregado de explanar o Racionalismo Cristão, fixar os seus ideais no seio da sua humanidade e decretar o final de A Era da Verdade, estabelecendo o início de A Era da Razão, com o estabelecimento da amizade espiritual e da solidariedade fraternal entre os seus companheiros de humanidade, quando então deverá se deslocar para uma outra humanidade que segue a sua na esteira evolutiva do Universo, para lá desempenhar o mesmo papel.

Com a fundação do Racionalismo Cristão no seio dessa humanidade, o nosso Antecristo, agora na condição do nosso Cristo, deverá retornar para a nossa humanidade, a fim de dirigir o seu rumo em direção ao Criador, deixando um dos seus expoentes, o veritólogo maior, o espírito da verdade, como sendo o chefe dessa humanidade, já que o outro expoente deverá se deslocar para uma outra humanidade que segue a sua na esteira evolutiva do Universo.

Note-se que na condição do Antecristo da nossa humanidade, esse espírito explanou o Racionalismo Cristão, acrescentando um sistema à sua doutrina, fixou os seus ideais na face da Terra, e estabeleceu a amizade espiritual entre os seres humanos, fazendo emergir a solidariedade fraternal, proporcionando a que toda a nossa humanidade venha a se tornar antecristã. Somente com a sua volta da humanidade que nos segue na esteira evolutiva do Universo, após quatro mil anos, na condição do nosso Cristo, é que todos poderão se tornar realmente cristãos, quando então poderão produzir efetivamente o amor espiritual. Como se pode constatar claramente, o Racionalismo Cristão é a pedra fundamental para a espiritualização de toda a nossa humanidade, pois é através dele que iremos produzir o nosso próprio Cristo.

É certo que o Racionalismo Cristão foi fundado tendo como escopo uma doutrina, cuja doutrina formou uma saperologia, ou uma filosofia, pois que transmite os conhecimentos metafísicos acerca da verdade com a inserção de algumas experiências físicas acerca da sabedoria. Assim, dada a sua racionalidade, essa doutrina é passível de ser completada por um sistema. Este site de A Filosofia da Administração – Abrindo Mentes, juntamente com o site pamam.com.br, formam o sistema que completam a doutrina racionalista cristã, os quais se encontram ao alcance de todos aqueles que sejam desprovidos de preguiça mental. A seguir, nós vamos primeiro reproduzir aquilo que se encontra inserido na obra básica doutrinária racionalista cristã, com algumas alterações, e depois tecer alguns comentários sobre outras doutrinações.

 

Continue lendo sobre o assunto:

A Era da Verdade

13.01- A Obra Básica

Esta obra básica acerca do Racionalismo Cristão foi escrita preponderantemente sob o prisma de transmitir os conhecimentos metafísicos acerca da verdade, obviamente que com a inserção de algumas experiências...

Leia mais »
Romae