13.02.02- A pedofilia no falso cristianismo

Prolegômenos
16 de junho de 2018 Pamam

Cerca de 4.000 casos de abusos sexuais a menores realizados por sacerdotes católicos foram denunciados para a Congregação Para a Doutrina da Fé apenas nos últimos dez anos, confirmou William Levada, prefeito dessa instituição e responsável pelas investigações, afora os casos de pedofilia que não são denunciados, e além de confirmar o sacerdote admitiu que a resposta da Igreja foi inadequada, sendo-a realmente, em face do corporativismo sacerdotal, em que uns procuram acobertar as patifarias dos demais, já que todos os sacerdotes são patifes, tonando-se isso um círculo vicioso.

William Levada deu essas declarações na Universidade Gregoriana de Roma, durante a abertura de um simpósio sobre pedofilia, que reúne líderes credulários. Durante o ato esse sacerdote leu uma mensagem do papa Bento XVI, através da qual o papa afirma, vejam só, que a cura das vítimas deve ser “a preocupação prioritária” da comunidade cristã, e que isso tem que ocorrer ao lado de uma “profunda renovação da igreja em todos os níveis”.

A sua preocupação maior, Sr. Papa, deveria ser extirpar da sua igreja os sacerdotes degenerados que praticam a pedofilia e o homossexualismo desenfreados dentro do seu credo, pelo menos isso, pois dos males o menor, mas assim não procede porque poucos sobrariam, e os que sobrariam são todos da sua mesma laia, acobertadores de crimes contra a natureza humana, que semeiam a ignorância por todo o orbe terrestre, e que ainda são os mais mentirosos e hipócritas do mundo.

E se você mesmo declara que o seu credo precisa de uma “profunda renovação da igreja em todos os níveis”, é porque em todos os níveis esse credo não presta e nunca prestou, assim como todos os demais credos e as demais seitas, desde que foi fundado, que não foi por Pedro, pois que ele jamais foi papa, desde os tempos antigos até aos dias atuais, uma vez que Jesus, o Cristo, nunca esteve no Vaticano, caso contrário, se ela realmente prestasse, se ela realmente fosse útil, não teria praticado tantos crimes lesa-humanidade, como a tortura aos cristãos novos, como é prova a tortura a Antônio José, o Judeu, e milhares de outros que, após as músicas devocionais, e até durante estas, eram queimados, como afirma o próprio Luiz de Mattos; como a Inquisição, que prendeu e matou queimado na fogueira milhares e milhares de seres humanos, inclusive a heroína francesa, a donzela Joana D’Arc, Giordano Bruno, e tantos e tantos outros; como as Cruzadas, que mataram milhares e milhares de seres humanos, além das pilhagens e dos estupros; como as Guerras Papais na Europa, que também mataram milhares e milhares de seres humanos; além das próprias sodomias papais, cujos assuntos deverão ser tratados mais adiante aqui nestes Prolegômenos.

William Levada vem com certo orgulho destacar a luta do pontífice contra o abuso sexual de menores, que começou desde quando ele era o cardeal Joseph Ratzinger. Mas que luta é essa, meu barato sacerdote, se o próprio pontífice declara que a sua preocupação maior é com a cura das vítimas? E assim, lançando mão de toda a sua hipocrisia e desfaçatez, vem esse sacerdote, com ares de afetação, como se estivesse realmente magoado, dizer que o papa Bento XVI sofreu nos últimos anos “duros ataques” por parte da imprensa, “quando deveria ter recebido a gratidão de toda a Igreja e de fora dela” pelo trabalho realizado e a sua postura de “tolerância zero” para com a pedofilia.

Que sacerdotezinho mentiroso, hipócrita e safado!

O catolicismo, por conseguinte, o papado, nunca sofreram duros ataques por parte da imprensa mundial, pois que em sua maior parte ela apenas relata os poucos casos dos crimes e das depravações vaticânicas, e também em sua maior parte ela compartilha com o marketing católico, principalmente quando noticia amplamente as suas ações sacerdotais, que não servem para coisa alguma, apenas para projetar a imagem do catolicismo perante o mundo, como é exemplo a CNBB – Campanha dos Bispos do Brasil, em que uma das suas campanhas, como a campanha da fraternidade, apenas projeta a imagem do catolicismo, em nada contribuindo para a fraternidade no mundo.

Quando ocorre qualquer desastre ou qualquer calamidade pelo mundo, que são amplamente divulgados pela imprensa internacional, de logo vem a assessoria papal elaborar uma mensagem a ser lida pelo papa, como estratégia de marketing, em que ele vem se solidarizar com as vítimas perante o mundo, e que essa sua “solidariedade” repetidas vezes são anunciadas por todos os veículos de comunicação espalhados pelo mundo. Mas, na realidade, quem realmente se solidariza com as vítimas é o povo em geral, aqueles que são de boa vontade, e não qualquer papa, que não liga a mínima para a desgraça alheia, pois que a sua real intenção é apenas fazer marketing, para consolidar a sua imagem de “santo padre”, que não passa de um sepulcro caiado, como assim afirmou Jesus, o Cristo, o que provarei com imagens idôneas obtidas desse papa Francisco I, que sendo um jesuíta, representa a classe mais medonha e peçonhenta de todas as classes sacerdotais católicas, como demonstrarei ainda nestes Prolegômenos, no tópico que trata da sua monita secreta.

E não somente isso, pois quando ocorrem quaisquer tragédias com vítimas decorrentes da suprema ignorância humana, sejam elas decorrentes do terrorismo, sejam elas decorrentes de conflitos intestinos, sejam elas de que natureza for, desde que sejam amplamente divulgadas pela imprensa internacional, de logo vem também a assessoria papal elaborar uma mensagem a ser lida pelo papa, sempre como estratégia de marketing, em que ele vem criticar a essas ações criminosas perante o mundo, e essa sua crítica boba, pueril e ineficaz, é repetidas vezes anunciada por todos os veículos de comunicação espalhados pelo mundo. Na realidade, o papa pouco está ligando para os conflitos e os desentendimentos humanos, quem realmente se preocupa com essas ignorâncias humanas é o povo em geral, aqueles que são de boa vontade, e não qualquer papa, que não liga a mínima para os conflitos e os desentendimentos humanos, pois que a sua real intenção é apenas fazer marketing, e se para fazer marketing ele conseguir intermediar um desses conflitos ou desentendimentos humanos, tanto melhor será para a sua estrutura mercadológica, digamos assim. Deste modo, vem a imprensa internacional estampar em suas manchetes: “O papa criticou duramente o fato ocorrido em...”; “O papa foi duro ao criticar o que aconteceu em…”; “O papa foi enérgico quanto condenou fortemente as ações...”.

Na verdade, esse papa Francisco I, ou mesmo qualquer outro seu antecessor, ou que venha a lhe suceder, não possui a mínima moral para criticar ou condenar a quem quer que seja, pois que para criticar e condenar o espírito tem que ser detentor de uma moral impoluta, e esta não é própria da classe sacerdotal, com ela passando ao largo, mas bem ao largo, da detenção dos atributos individuais superiores que formam verdadeiramente a moral.

Então o Vaticano nunca sofreu duros ataques por parte da imprensa internacional, antes de tudo isso, a imprensa internacional nada mais é do que um simples veículo para a propagação do marketing vaticânico. O papa e os seus asseclas sacerdotes podem enganar a toda imprensa internacional, mas não engana jamais a um espírito superior.

E, por fim, vem a mentiralha final do sacerdote William Levada, quando ele vem afirmar que “a Igreja tem a obrigação de cooperar com a lei civil e denunciar esses crimes às autoridades competentes”. Então meu barato sacerdote, que não tem nada de caro, desses 4.000 casos de pedofilia que foram denunciados para a Congregação Para a Doutrina da Fé, de qual delas o senhor é o prefeito e o responsável pelas suas investigações, cite pelo menos uma que o senhor denunciou, pelo menos isso, para que assim possa aplacar a fúria monstruosa com que os seus sacerdotes pedófilos atacam covardemente às crianças indefesas, ou então fique absolutamente calado, sem se manifestar, pois que pelo menos assim deixa de falar ainda mais mentiras e deixa guardada no fundo da sua alma escura e peçonhenta toda a sua hipocrisia.

Eu sei perfeitamente que lidar com os cretinos arrebanhados pelos credos não é tarefa simples, assim tão fácil como pode aparentar, pois de acordo com o ditado popular “Futebol e ‘religião’ não se discutem”. Mas eu não estou aqui discutindo, mas sim esclarecendo aos seres humanos mais conscientes acerca das patifarias sacerdotais, que se revelam para o mundo nas formas dos crimes mais terríveis e abomináveis, como é o caso da pedofilia. Assim, pode ser que venha algum desses cretinos arrebanhados considerar que eu estou exagerando ao afirmar que o sacerdote William Levada é um patife mentiroso. Neste caso, que esse cretino arrebanhado venha responder a todos a razão pela qual o Comitê de Direitos da Criança da ONU veio a público exigir que o Vaticano venha a denunciar os sacerdotes católicos que são culpados pelos casos de pedofilia. Caso não consiga responder, que deixe então de ser um cretino arrebanhado e passe a ser independente, altivo, construtivo, seguindo sempre os ditames da sua própria consciência, lançando mão do seu bom- senso, procurando seguir aos espíritos superiores que realmente são educados, que realmente se preocupam com a paz, o progresso e o esclarecimento espiritual da nossa humanidade, neles depositando a sua fé racional, reconhecendo que o verdadeiro Deus neles se encontra em parcelas mais extensas, assim como o verdadeiro Deus se encontra em si mesmo.

A AFP – Agence France-Presse, fundada em 1835, é uma agência de notícias francesa considerada como sendo uma das mais prestigiadas do mundo, e, ao lado da Associated Press e da Thomson Reuters, uma das três maiores agências de notícias do mundo. É com base nessa primeira agência de notícias que eu vou relatar o que se segue:

Ao invés do Vaticano denunciar os casos de pedofilia praticados pelos seus sacerdotes, geralmente os seus sacerdotes dirigentes acobertam os casos, o que implica em dizer que a sua alta hierarquia é tão criminosa e safada como a sua base hierárquica, sendo por isso que o Comitê de Direitos da Criança da ONU veio a público exigir que o Vaticano venha a denunciar os culpados. Vamos a um leve balanço dos casos de pedofilia por parte dos sacerdotes católicos:

CANADÁ

  • No final da década de 1980, as revelações de abusos sexuais de crianças em um orfanato em Newfoundland, situado na região leste, praticados nos anos de 1950 e 1960, provocaram um enorme escândalo. A alta hierarquia católica foi acusada de não ter denunciado esses casos de pedofilia em seu meio, e se não denunciou, sendo ciente do fato, acobertou.

ESTADOS UNIDOS

  • Em 2004, uma investigação contabilizou 4.400 sacerdotes católicos pedófilos e 11 mil crianças vítimas de abusos sexuais entre 1950 e 2002.
  • Um dos casos mais notórios envolveu o arcebispo de Boston, o cardeal Bernard Law, que foi forçado a renunciar em 2002, por ter protegido os sacerdotes pedófilos.
  • Em 2007, a Arquidiocese de Los Angeles, então liderada pelo cardeal Roger Mahony, concordou em pagar 660 milhões de dólares para 500 supostas vítimas, que não são supostas, pois caso fosse apenas suposição não caberia a indenização, o que implica em dizer que a imprensa internacional utiliza termos inadequados para minimizar o crime sacerdotal católico de pedofilia, e a prova disso é que o cardeal também foi acusado de acobertar os seus sacerdotes pedófilos, tendo sido demitido do seu cargo no início de 2013.

IRLANDA

  • No decorrer dos anos 2000, acusações de abusos sexuais cometidos durante décadas colocam em xeque a credibilidade das instituições católicas. Mais de 14.500 crianças foram vítimas dos sacerdotes católicos. Vários bispos e padres acusados de esconder esses fatos foram devidamente punidos.

ALEMANHA

  • Desde o início de 2010, centenas de casos de abusos sexuais de crianças e adolescentes em instituições credulárias foram revelados. Um dos casos mais divulgados foi o do colégio jesuíta Canisius, em Berlim, envolvendo cerca de 20 crianças.
  • No final de 2012, um relatório indicou pelo menos 66 nomes de sacerdotes envolvidos em casos de pedofilia por um período de 10 anos.

ÁUSTRIA

  • No início de 2010, após uma série de revelações de casos de abusos sexuais e de maus tratos em crianças por parte de sacerdotes entre as décadas de 1960 e 1980, o Vaticano teve que instaurar uma comissão de inquérito para apurar os casos, quando então cerca de 800 casos foram reconhecidos e 8 milhões de euros pagos como indenizações às vítimas.

BÉLGICA

  • Em 2010, Roger Vangheluwe, bispo de Bruges, renunciou ao cargo após ter admitido abusar sexualmente de dois dos seus sobrinhos.
  • Na sequência, milhares de testemunhos relataram casos de abuso sexual por sacerdotes belgas. Sendo acusada de permanecer em silêncio, a alta hierarquia católica é atualmente alvo de um imenso inquérito policial.

HOLANDA

  • No final de 2011, um relatório revelou o caso de dezenas de milhares de crianças que foram abusadas sexualmente dentro da Igreja Católica holandesa entre 1945 e 2010. Cerca de 800 sacerdotes foram identificados como pedófilos.

AUSTRÁLIA

  • Em abril de 2013, é aberta uma investigação pública sobre o abuso sexual de crianças em associações credulárias e instituições públicas. 5.000 vítimas devem ser entrevistadas.

POLÔNIA

  • Em agosto de 2013, o polonês Iozef Wesolowski, núncio na República Dominicana, foi destituído, e uma investigação foi instaurada no âmbito de outro sacerdote polonês, suspeito de crimes sexuais contra menores de idade.

Em 2011, a arquidiocese da cidade americana da Filadélfia, anunciou em um comunicado a suspensão de 21 sacerdotes acusados do crime de pedofilia. O cardeal Justin Rigali, arcebispo da Filadélfia, antes nada fez a respeito desses crimes, mas por força de uma decisão tomada por um júri popular em referência a 37 pessoas, foi obrigado a tomar a essa decisão de suspender os 21 sacerdotes. Mas, além dos 21 sacerdotes suspensos, outros três já haviam sido afastados após a decisão do júri, cinco já não exercem funções por diferentes motivos e oito foram absolvidos. A investigação foi conduzida por Gina Maisto Smith, uma ex-juíza da procuradoria da Filadélfia especializada em casos de pedofilia. O cardeal Justin Rigali veio com a hipocrisia sacerdotal de sempre expressar a sua “pena pelos abusos sexuais a menores cometidos por membros da Igreja, sobretudo pelo clero”. Meu barato cardeal, a pena demonstrada por abusos sexuais contra menores deve ser deveras lastimada em todos os setores da sociedade mundial, não especificamente pelos membros da Igreja Católica, sobretudo pelo seu clero.

A prática sacerdotal do crime da pedofilia é de conhecimento mundial, não havendo um ser humano sequer que venha a ser ignorante em relação ao fato, desde que acompanhe os noticiários e leia com alguma frequência. Mas o fato é que as autoridades mundiais não tomam as devidas providências em relação ao fato, considerando estupidamente que são casos isolados, permanecendo fiéis aos credos que praticam, e fornecendo demonstrações públicas de que são seus seguidores. E são tão constantes esses crimes praticados pelos sacerdotes, que as suas divulgações se tornaram corriqueiras pela imprensa mundial, com o público vendo tudo isso com os seus olhos da cara e a seguir virando o rosto para o lado, hipocritamente, continuando os seus afazeres cotidianos, sem mais dar tanta importância para esses fatos. Essa omissão, essa inércia, essa preguiça, é própria da nossa humanidade, que não produzindo a amizade espiritual entre si, deixa também de praticar a solidariedade fraternal, e isso até em relação às criancinhas, que inocentes são agredidas sexualmente pelos sacerdotes, que sabem contar com a indiferença do povo, que é passivo a esse crime sacerdotal praticado contra os pequeninos inocentes.

Se os seus salários atrasam, ou se algo contraria os seus interesses pessoais, inclusive os seus interesses políticos, o povo logo vai às ruas manifestar os seus protestos. Mas se milhares e milhares de criancinhas são violentadas sexualmente por milhares e milhares de sacerdotes de todos os credos, o povo simplesmente fica indignado, o que é natural, mas nada faz no sentido de coibir a esses abusos sexuais, o que não é natural, a não ser quando sofre na própria pela a essa indignação, e muitos se contentam em fazer acordos, satisfeitos por receberem esse dinheiro sujo das mãos sacerdotais. Isso realmente é uma vergonha!

A maior parte da população mundial é usuária da internet, e uma grande quantidade desses internautas conhece a Wikipédia, que é uma enciclopédia livre. Sob o título de Abuso Sexual de Menores por Membros da Igreja Católica, a Wikipédia vem dizer o seguinte:

O abuso sexual de menores por membros da Igreja Católica refere-se aos atos de abuso sexual de crianças por clérigos (cerca de 2% a 4% dos clérigos nos EUA foram acusados) da Igreja Católica. Foram feitas denúncias de abuso sexual de menores em muitas partes do mundo, com os casos mais notórios a chegarem às primeiras páginas no Brasil, Portugal, Alemanha, Austrália, Espanha, Bélgica, França, Reino Unido, Irlanda, Canadá e Estados Unidos da América.

Embora os casos de acobertamento de pedófilos não seja monopólio da Igreja Católica no meio cristão, os escândalos sucessivos levaram, em março de 2010, o próprio Papa Bento XVI a proferir respostas como a de que Deus guiará ‘no caminho da coragem que precisamos para não nos deixarmos intimidar pelas fofoquinhas da opinião dominante e nos dar coragem e paciência para apoiar os outros’, enquanto em Londres católicos se juntavam na frente da Abadia de Westminster pedindo a sua saída, e para que ‘não feche os olhos’. Na Suíça, na mesma época, a presidente Doris Leuthard defendeu a criação de um ‘cadastro de padres pedófilos’, como medida cautelar e, nos EUA, o jornal The New York Times acusava o Papa de ter diretamente se omitido nos casos de pedofilia ocorridos naquele país e na Alemanha, na década de 1980.

Casos e fatos

Vários grandes processos foram abertos em 2001, alegando-se que padres tinham abusado sexualmente de menores. Alguns sacerdotes se demitiram, outros foram afastados ou presos e acordos financeiros atingindo centenas de milhões de dólares foram feitos com muitas vítimas. Os casos se tornaram notícia nacional recorrente nos Estados Unidos com as acusações feitas contra Paul Shanley e John Geoghan e publicadas pelo Boston Globe em 2002. No mesmo ano, a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos aprovou uma política de ‘tolerância zero’ para os acusados dessa infração. A Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos encomendou um estudo que constatou que quatro por cento de todos os sacerdotes que tinham servido nos Estados Unidos de 1950 a 2002 enfrentaram algum tipo de acusação sexual. De acordo com esse relatório, as ações comuns incluíam tocar adolescentes do sexo masculino por baixo de suas roupas e a remoção de suas roupas, mas atos mais graves foram cometidos em muitos casos.

A Igreja foi muito criticada quando foi descoberto que alguns bispos sabiam sobre as alegações e transferiam os acusados, em vez de removê-los, embora administradores escolares procedam de forma semelhante quando lidam com professores acusados, assim como escoteiros. Alguns bispos e psiquiatras anotaram que a psicologia atual sugere que as pessoas poderiam ser curadas de tal comportamento através de aconselhamento. Muitos dos sacerdotes abusadores tinham recebido aconselhamento antes de serem transferidos.

Tecnicamente, cada diocese opera independentemente das suas vizinhas, ao passo que as ordens religiosas de cada diocese não respondem ao bispo local nem se encontram sob o seu controle. Consequentemente, as suspeitas sobre o comportamento de padres seculares (os que pertencem a uma diocese) nem sempre são transmitidas às outras dioceses ou a hospitais e escolas geridos pelas ordens religiosas, ao passo que os abusos dos padres religiosos (padres pertencentes a uma ordem religiosa) nem sempre eram transmitidos pela ordem respectiva às dioceses e às suas escolas.

Um famoso exemplo desses fatos envolveu o Frei Brendan Smith, um padre da Ordem Norbertina na Irlanda, cujas atividades (conhecidas desde 1945) não foram relatadas ao clero diocesano e muito menos à polícia. Em 1994, Brendan Smith deu-se como culpado de uma amostra de dezessete acusações de abuso sexual de crianças em Belfast, retirada de uma lista muito maior. Várias dioceses, o Cardeal Arcebispo de Armagh e a ordem de Smith culparam-se uns aos outros publicamente, sem assumir as suas próprias responsabilidades pelo fracasso em pôr trava a Smith, ao longo de 47 anos.

Após investigações levadas a cabo nos Estados Unidos da América e no Reino Unido, ficou provado que alguns bispos transferiram diversas vezes os padres suspeitos de abuso em detrimento de medidas mais drásticas. As dioceses defendem-se indicando que tais transferências se deveram apenas à procura de tratamento adequado aos casos em questão. Outro fato importante é que em 1962 o papa João XXIII enviou uma carta a todos os bispos católicos em que indicava expressamente que as investigações de atos de abusos sobre menores dentro da Igreja deveriam ser mantidas em segredo. As vítimas, no entanto, não estavam abrangidas por essa ordem. É de se ressaltar que nem essa carta nem o código de direito canônico sugeriam aos bispos que deixassem de informar os casos às autoridades.

Pedofilia, pederastia e efebofilia

Um estudo nacional encomendado pela Conferência Americana de Bispos Católicos ao John Jay College of Criminal Justice (Universidade John Jay de Justiça Criminal) revelou que a maioria dos casos de abuso sexual de menores praticados por padres católicos não envolviam casos de abuso sexual de crianças, mas sim de jovens pubescentes ou pós-pubescentes, podendo caracterizar de efebofilia, (preferência sexual por adolescentes) e mais especificamente como pederastia (relação homossexual masculina entre um adulto e um adolescente). A pedofilia se refere a uma preferência e mais especificamente como pederastia (relação sexual por crianças pré-púberes) e é considerada uma doença mental pela OMS.

O relatório da Universidade John Jay indica que de 80% a 90% dos padres que abusaram sexualmente de menores nos últimos 52 anos, envolveram-se na verdade com garotos adolescentes, enquanto o percentual restante se refere ao abuso sexual de crianças pré-púberes. Em resposta ao relatório, o médico Dr. Rick Fitzgibbons, principal elaborador da declaração Homossexualidade e Esperança (Homosexuality and Hope), da Associação Médica Católica dos EUA, defende uma reforma completa nos seminários católicos para incluir no programa ensinamentos sobre a moralidade sexual.

Críticos dessa posição defendem que estudos científicos demonstram que o fato de alguém ter abusado sexualmente de menores do mesmo sexo não está relacionado com a orientação sexual da pessoa adulta e, como tal, essa medida é ineficaz e até abusiva.

Resposta da Igreja ao escândalo

Face às crescentes denúncias e ao escândalo descoberto, o cardeal português José Saraiva afirmou que ‘não devemos estar muito escandalizados se alguns bispos sabiam dos casos, mas mantiveram segredo. É isso que acontece em qualquer família, não se lava roupa suja em público’, acrescentando que as denúncias que vêm ocorrendo derivam de interesse financeiro e que são parte de um complô contra a Igreja.

Contrariando o tom do cardeal Saraiva Martins, o Papa Bento XVI escreveu, em março de 2010, uma carta pastoral condenando mais uma vez a pedofilia, que já era condenada pela doutrina católica. Nesta carta, o Papa Bento XVI, que foi acusado de encobrir vários casos de padres pedófilos, expressou a sua profunda ‘vergonha’ pelos crimes de pedofilia cometidos pelos clérigos católicos, ‘pediu desculpa às vítimas’ e disse ainda ‘que os culpados devem responder diante de Deus e dos tribunais’. O Papa ainda ‘assinalou erros graves de julgamento e falhas de liderança’ dentro da Igreja e pediu a continuação dos ‘esforços para remediar os erros passados e prevenir situações idênticas através do direito canônico e da cooperação com as autoridades civis’.

O cardeal arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, não negou as denúncias de pedofilia, mas criticou as tentativas de órgãos de imprensa de responsabilizar o papa Bento XVI por todos os males da instituição.

Em janeiro de 2014, o Vaticano anunciou a expulsão de 400 padres por denúncias de pedofilia. Segundo Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, em 2012 foram por volta de 100, enquanto em 2011 foram cerca de 300”.

Muitos comentários caberiam acerca desses dizeres da Wikipédia, mas eu vou poupar ao querido leitor de maiores constrangimentos, limitando-me apenas em ressaltar que parece que estou sendo injusto com os sacerdotes católicos, pois que a maioria dos seus abusos sexuais não são cometidos contra crianças pré-púberes, neste caso vamos todos desculpá-los e pedir as bênçãos de Jeová, o deus bíblico, para todos eles, para que assim eles possam continuar a servi-lo como sendo os seus verdadeiros ministros.

Ah! Sem também esquecer de ressaltar a grande questão levantada pelo cardeal português José Saraiva, dando-lhe inteira razão, pois que “não devemos estar muito escandalizados se alguns bispos sabiam dos casos, mas mantiveram segredo. É isso que acontece em qualquer família, não se lava roupa suja em público”, mas por favor meu “caríssimo” cardeal, não venha a comparar qualquer família, assim como a minha família e a dos demais homens honrados com a sua família, pois que nós somos apenas uns pobres pecadores, e não chegamos nem um pouco perto da sua grande família, que é toda santa, pois que ela é a representante de Jeová na Terra. E o meu “respeitadíssimo” cardeal também está absolutamente correto, os sacerdotes católicos são todos santos, todas as denúncias de pedofilia que vêm ocorrendo são todas infundadas, sendo elas derivadas de interesse financeiro, fazendo parte de um complô contra a Igreja Católica.

Demos graças a Jeová, o deus bíblico, que as suas bênçãos sejam esparramadas por todos os sacerdotes, que são os seus ministros. Amém!

Sempre quando surge alguém em defesa de qualquer causa, seja ela qual for, deve-se lhe dar o espaço necessário para que ele venha a divulgar os seus arrazoados em favor da causa em que milita. Se a causa for realmente justa, então os seus arrazoados deverão se encontrar em conformidade com o bom senso e com o anseio popular. Caso contrário, os seus arrazoados deverão se encontrar em conformidade com o contrassenso e com a asquerosidade popular. Em 15 de setembro de 2011, Eduardo Marques Moreira e Mariana Prado Borges, sob o título Casos de Pedofilia na Igreja Católica, publicaram os seus arrazoados em favor da causa em que militam, que é o catolicismo, fazendo-o da seguinte maneira:

A mídia tem dado particular e repetitiva ênfase aos casos de pedofilia envolvendo sacerdotes católicos. Mas, como já é conhecimento das ciências humanas, o discurso midiático massivo é por várias vezes tendencioso e parcial. O senso comum e jornalistas ingênuos acreditam que o jornalismo é fiel à realidade. Porém, não é o que pensam os teóricos da construção social da realidade (Amaral, 2005, disponível em http://www.ppgcomufpe.com.br/lamina/artigo-renata.pdf). Por isso, é necessário fazer, em relação à tais casos de pedofilia, uma análise que vá além do discurso veiculado nos meios de comunicação de massa. O que dizem jornalistas de mídia independente? Quais são os dados reais apresentados pelas pesquisas? O que dizem as ciências sociais, a psicologia e demais ciências?

Pedofilia e celibato: 

Muito tem se falado sobre a sua ‘suposta’ relação da pedofilia com o celibato dos padres. A mídia acaba tendo um ponto de vista demasiadamente parcial em relação ao assunto. Ela expõe o assunto de determinada forma como se só ocorresse pedofilia dentro da Igreja Católica e como se existisse relação entre a pedofilia e o celibato. A questão é, onde estão as provas científicas sobre isso, ou seja, pesquisas científicas publicadas sobre o assunto em revistas de credibilidade internacional? Não seria tudo especulação?

Na verdade, o que a psicologia diz é que não há qualquer indício disso. A maioria dos casos de pedofilia ocorre dentro de casa, quando um pai, padrasto ou outra pessoa próxima da vítima abusa sexualmente da mesma. E então, como explicar isso? Se a pedofilia é fruto do celibato, porque não-celibatários são os principais causadores do problema? Porque nos Estados Unidos a maioria dos casos de pedofilia dentro de igrejas ocorre em igrejas protestantes (cerca de duas vezes mais casos), onde o celibato não é obrigatório? A grande pergunta que dá fim ao enigma é: Um padre se torna pedófilo ou um pedófilo se torna padre?

O fato é que um pedófilo se torna padre e não o contrário. A pedofilia não é causada pelo celibato dos sacerdotes e nem o celibato agrava o problema da pedofilia. Prova disso é que no ano de 2009 na Alemanha, apenas 0,2% dos casos de pedofilia no país tiveram relação com o clero. Um sacerdote tem plenas condições de se envolver com uma mulher, porque, então, ele se envolveria com uma criança, correndo riscos de ser processado e preso, se não fosse por um distúrbio psicológico?

Ataques da Igreja:

Não são apenas católicos que veem esses recentes ataques à Igreja como algo nocivo. O escritor português Artur Rosa Teixeira, não católico, disse em uma matéria que ‘de fato as recentes notícias de pedofilia, que envolve sacerdotes católicos, têm contornos de uma campanha de ataque à hierarquia Católica, muito para além da objetividade informativa que a deontologia jornalística impõe, independentemente da sua gravidade moral. Tais notícias suscitam desconfiança sobre a sua ‘bondade’ até entre os não católicos como nós e ainda ‘as notícias sobre a pedofilia no seu seio (Igreja) surgirem como cogumelos que nascem a cada manhã, confundindo-se o número das vítimas com o dos pedófilos’. Leia matéria completa em:

 http://www.segs.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5770:quando-se-confunde-a-arvore-com-a-floresta&catid=50:demais&Itemid=331).

Dados de pesquisas científicas mostram que o número de sacerdotes envolvidos com casos de pedofilia representa apenas 0,6% do clero, uma diminuta minoria. Além disso, casos de pedofilia em outras organizações civis são proporcionalmente maiores. Nos EUA, por exemplo, o número de vítimas em outras instituições é muito superior, numa proporção de 157 para 1, quando comparado à Igreja Católica. Dos abusos registrados até hoje na Alemanha, os cometidos por padres representam 0,045% do total. Outros dados mostram que dos casos de pedofilia envolvendo sacerdotes, 60% ocorre com adolescentes do mesmo sexo (rapazes), indicando causa homossexual mais do que de pederasta. Apenas em 10% dos casos ocorre pederastia em si, ou seja, relação com crianças (menores impúberes). Os outros 30% ocorrem com adolescentes do sexo oposto (moças). Essas informações e dados estatísticos estão disponíveis em:

http://www.quadrante.com.br/Pages/servicos02.asp?id=400&categoria=Sociedade&pg=principal

Além de atacar, a mídia não dá ênfase às boas coisas que a Igreja faz. Não fala das instituições de caridade, das lutas em defesa dos menos favorecidos, da defesa dos direitos humanos, do incentivo e subsidio às instituições científicas e de ensino. Um exemplo, a maioria das pessoas veio a conhecer o trabalho da Pastoral da Criança depois da morte trágica de sua fundadora a Dra. Zilda Arms no terremoto do Haiti, e mesmo assim, as informações veiculadas foram insuficientes para que o espectador compreendesse o importante papel da pastoral no combate à mortalidade infantil, desnutrição, dentre outros. As escolas e universidades enfatizam os erros da Igreja, como a Inquisição (que por sinal é exposto de madeira parcial e tendenciosa), e sequer citam que nossa civilização atual deve sua construção à Igreja Católica Apostólica Romana. O historiador norte-americano Dr. Thomas Woods, PhD em Harvard, afirma: ‘Bem mais do que o povo hoje tem consciência a Igreja Católica moldou o tipo de civilização em que vivemos e o tipo de pessoas que somos […] a Igreja Católica foi indispensável construtora da Civilização Ocidental. A Igreja não só eliminou os costumes repugnantes, como o infanticídio e o combate de gladiadores, mas depois da queda de Roma, restaurou e construiu a civilização’ (Mais sobre esse tema no livro Uma história que não é contada, Prof. Felipe Aquino, Editora Cléofas).

Estranho é o interesse em difamar a Igreja Católica e apenas ela, deixando que outras ‘pseudo religiões’ façam o que bem entendem, como desviar dinheiro do dízimo, envolver-se em esquemas de corrupção no governo, vender lotes no céu e milagres, dentre outros abusos. Enquanto a Igreja Católica luta e sempre lutou pelo bem das pessoas, existem muitas organizações intituladas de igrejas que abusam da boa fé das pessoas, as enganam, ludibriam e “roubam” o que elas possuem. Essas ‘igrejas’ a mídia não ataca, ora ou outra denunciam algum abuso mais relevante, no mais, só silêncio.

Pânico Moral:

O sociólogo não católico Massimo Introvigne considera a ênfase nos casos de padres pedófilos como ‘pânico moral’ ele diz: ‘A discussão atual sobre padres pedófilos — considerada do ponto de vista sociológico — representa um exemplo típico de pânico moral. O conceito nasceu nos anos 1970 para explicar como alguns problemas são objeto de uma hiperconstrução social. Mais precisamente, os pânicos morais foram definidos como problemas socialmente construídos, caracterizados por uma amplificação sistemática dos dados reais, seja na exposição midiática, seja na discussão política. Os pânicos morais têm na sua origem circunstâncias objetivas e perigos reais. Não inventam a existência de um problema, mas exageram suas dimensões estatísticas. Os pânicos morais não fazem bem a ninguém’. (Para mais informações consulte http://www.cesnur.org/2010/mi_preti_pedofili.html). Massimo diz ainda que as polêmicas dessas últimas semanas sobre a Alemanha e a Áustria exibem uma característica típica dos pânicos morais. O fato de se noticiarem na primeira página dos jornais ocorrências dos anos 80, como se houvessem ocorrido ontem e de se suscitarem polêmicas violentas, com um ataque concêntrico que anuncia todo dia, em estilo escandaloso, novas ‘descobertas’, mostra bem como o pânico moral é promovido de forma organizada e sistemática. O caso que ‘envolve o Papa’ é um exemplo de manual escolar: refere-se a um episódio de abusos na Arquidiocese de Munique, da qual era arcebispo o atual Pontífice, que remonta a 1980. O caso veio à tona em 1985 e foi julgado por um tribunal alemão em 1986; no julgamento ficou provado, entre outras coisas, que a decisão de acolher na arquidiocese o sacerdote em questão não foi tomada pelo cardeal Ratzinger e não era sequer do seu conhecimento.

Isso não significa que os males praticados por membros da Igreja Católica devam ser acobertados. Eles devem vir à tona sim, para que a própria Igreja possa tomar providências para sanar tais erros, além de corrigir e punir os envolvidos. Além disso, nessas horas é que saberemos quem são os verdadeiros católicos, aqueles que oram pelos padres e que fazem de tudo para os que já existem nas suas comunidades não caiam nesses e em outros erros graves. Enquanto recebemos críticas, temos pelo menos um avanço. Embora as críticas só tenham o objetivo de destruir a Igreja, elas trazem consigo uma importante mensagem. Católicos, orem pelos seus pastores, a Igreja mais do que nunca precisa de vocês. Assim que passar essa crise, teremos um tempo de bonança. Com toda certeza a Igreja vai aprender muito com tudo isso e essas barbaridades vão ser tiradas do seio da Igreja.

Ao menos tivemos a atitude de pedir perdão à humanidade pelas nossas falhas como fez o Papa João Paulo II pelos erros das idades média e moderna e como fez Bento XVI recentemente pelos escândalos de pedofilia. Esperamos que os que nos atacam tenham a mesma atitude perante seus erros que existem, mas ficam acobertados ou sequer são lembrados. Uma única atitude de humildade em reconhecer os próprios desvios e pedir perdão por eles não cairia mal a algumas entidades existentes, mas nem isso elas fazem.

Por fim deixamos para vocês refletirem o que o Nosso Senhor Jesus Cristo disse na ocasião em que queriam apedrejar a mulher pega em adultério: ‘Aquele que não tiver pecado, atire a primeira pedra’.

In Corde Jesu et Mariae Semper

Eduardo Marques Moreira

Mariana Prado Borges

fonte: http://apostoladosfx.blogspot.com/2011/06/casos-de-pedofilia-na-igreja-catolicq.html”.

Advertisements

Vão devagar com o andor, meus caros credulários católicos, que os santos dos seus sacerdotes são todos feitos de barro, assim como Jeová, o seu deus bíblico, que vem afirmar mentirosa e estupidamente para os seus médiuns videntes e ouvintes que deste material os fez à sua imagem e semelhança, cuja cor desse material somente poderia ser o negrume escuro das trevas postas pela baixíssima espiritualidade. Vocês se enquadram exatamente no rol dos cretinos arrebanhados pelos credos e as suas seitas, no caso em questão, do credo católico, então, antes de mais nada, venham ambos responder a todos a razão pela qual o Comitê de Direitos da Criança da ONU veio a público exigir que o Vaticano viesse a denunciar os sacerdotes católicos que são culpados pelos casos de pedofilia, algo que o Vaticano não faz. Caso não consigam responder a esta questão, que deixem então de ser uns cretinos arrebanhados e passem a ser independentes, altivos, construtivos, seguindo sempre os ditames das suas próprias consciências, lançando mão do seu bom-senso, procurando seguir os espíritos superiores que realmente são educados, que realmente se preocupam com a paz, o progresso e o esclarecimento espiritual da nossa humanidade, neles depositando as suas fés racionais, reconhecendo que o verdadeiro Deus neles se encontra em parcelas mais extensas, assim como o verdadeiro Deus se encontra em si mesmos.

Não se faz necessário desprender maiores esforços para rebater a todas essas toleimas inconsistentes, por isso eu vou rebatê-las do modo mais resumido possível, para que assim não venha a perder o meu tempo com quem se deixa acretinar pela classe mais nociva de toda a nossa humanidade: a classe sacerdotal.

Realmente se torna necessário fazer uma análise que vá além do discurso midiático, pois o que a mídia revela ao mundo acerca da pedofilia praticada pelos sacerdotes católicos representa apenas uma pequena parte da depravação do seu clero de há muito tempo degenerado. Os jornalistas da mídia independente dizem apenas aquilo que representa o resultado das denúncias de pedofilia praticadas pelos seus sacerdotes, a quem esses dois credulários seguem e a quem esses dois credulários tanto propiciam e tanto veneram, e não o resultado das denúncias realizadas pelas autoridades eclesiásticas católicas, que vêm afirmar “não se lavar a roupa suja em casa”, assim tal como se fosse uma família. Somente um cego proposital, que representa o pior tipo de cego, não consegue enxergar os dados reais apresentados não somente pelas pesquisas, mas também pelas denúncias. O que dizem as ciências sociais, a psicologia e as demais ciências pouco importa, pois elas são todas ignorantes, não sendo espiritualizadas, mas nenhuma delas vem justificar ou mesmo minimizar os efeitos da pedofilia praticada pelos sacerdotes, assim como os dois credulários estão procedendo.

A relação entre o celibato dos sacerdotes católicos e as suas práticas pedófilas realmente não se relacionam, pois que o celibato é um estado característico de uma pessoa solteira, uma das suas condições, portanto, de quem não é casado, em que essa pessoa solteira ainda não possui as intenções sexuais postas efetivamente em prática, mas com isso ocorrendo naturalmente em relação ao sexo oposto, e não em relação às criancinhas indefesas, ou pelo mesmo sexo, ou seja lá em que relação for o caso. Todos os seres humanos possuem o dever de contrair matrimônio e constituir família. Se os sacerdotes católicos assim não procedem, eles estão deixando de cumprir com os seus deveres neste mundo. E se de acordo com a sua doutrina eles são obrigados ao celibato, mas têm necessidade da prática sexual, que procurem as mulheres solteiras que se encontram disponíveis para os casos sexuais, apesar de estarem incorrendo em um grave erro, assim também como elas, mas mesmo assim é preferível a abordagem a essas mulheres do que os ataques às criancinhas indefesas, pois dos males o menor. Daí a razão de não haver provas científicas que relacione o celibato e a pedofilia, apesar de que as ciências nada provam em todo e qualquer assunto em que elas estudam, investigam e pesquisam, já que os próprios cientistas afirmam que os seus conhecimentos não são definitivos.

É certo que a maioria dos casos de pedofilia ocorre fora do âmbito sacerdotal, a explicação para isso se encontra na quantidade de sacerdotes em proporção ao restante da nossa humanidade. No entanto, caso se faça uma relação direta, tendo de um lado a quantidade de sacerdotes que sejam pedófilos, em relação à quantidade de sacerdotes que não sejam pedófilos, e, de outro, a quantidade de seres humanos que sejam pedófilos, em relação à quantidade de seres humanos que não sejam pedófilos, pode-se claramente constatar a imensa desproporção estre estes e aqueles. E esta desproporção ainda mais aumentaria caso viessem à tona todos os casos de pedofilia sacerdotal, valendo o mesmo para o outro lado.

Há que se considerar a classe sacerdotal como um todo, assim como também os credos e as suas seitas, em que todos medram igualmente no devaneio do sobrenatural. Além do mais, a classe sacerdotal vem atormentando a vida dos seres humanos desde a antiguidade, como se encontra posto no início deste capítulo. Daí a razão pela qual nos Estados Unidos pode ocorrer cerca de duas vezes mais casos de pedofilia no protestantismo, assim como também pode ser o inverso, ou mesmo outras proporções, pois ninguém sabe determinar ao certo a quantidade real dos casos de pedofilia praticados pela classe sacerdotal.

À pergunta que dá fim ao enigma: um padre se torna pedófilo, ou um pedófilo se torna padre? O Racionalismo Cristão esclarece a esse enigma com toda a lógica e racionalidade possível neste mundo, assim como também esclarece a todos os demais enigmas, o que o faz da seguinte maneira:

Mas, antes de mais nada, eu devo esclarecer que essa suposição de que “um pedófilo se torna padre e não o contrário” é totalmente equivocada, pois que se deve partir do princípio de que ninguém neste mundo encarna para ser pedófilo e nem para ser sacerdote, antes são predisposições adquiridas pelas vicissitudes da vida no decorrer da vida de encarnado.

A classe sacerdotal representa neste mundo a classe mais obsedada pelos espíritos quedados no astral inferior, dentre todas as demais classes. Geralmente, quando os espíritos se encontram encarnados, tais como sendo seres humanos, todas as suas fraquezas e todas as suas tendências degenerativas são reveladas através das suas auras, por onde se revelam as produções dos seus sentimentos inferiores e dos seus pensamentos negativos, por intermédio das suas vibrações magnéticas, das suas radiações elétricas e das suas radiovibrações eletromagnéticas. O astral inferior, então, faz a leitura das auras desses infelizes e deles se aproximam, intuindo-os para as práticas criminosas em relação a tudo aquilo que existe de afinidade entre ambos. O assédio constante e intermitente possibilita a que esses encarnados venham a se tornar instrumentos dóceis a essas intuições de baixíssimo nível espiritual.

Há, pois, uma espécie de acasalamento, digamos assim, entre os encarnados e os desencarnados, e digo acasalamento porque o conjunto das ações combinadas entre ambos vai determinar os comportamentos específicos dos encarnados, cuja finalidade é a localização e a atração tendenciosa pelo tipo de sexo degenerado, no caso o da pedofilia. E qual é o local mais propício para se localizar e atrair as crianças para o abuso sexual? A resposta é simples: os antros perniciosos das igrejas. E aqui vem o aviso para os pais que sejam realmente zelosos com os seus filhos: não permitam o menor contato dos seus filhos menores com qualquer dos sacerdotes, que sendo mentirosos, artimanhosos e ardilosos, apresentam-se ao povo com uma cara, e por trás dessa cara com uma outra cara totalmente diferente, por demais depreciadora do caráter humano. E não estou dizendo isto simplesmente por dizer, embora esta seja a mais autêntica realidade, pois que vou mostrar as duas faces sacerdotais através de imagens idôneas, assim como também a verdadeira face papal. E mais: as faces originais dos credos e das suas seitas que se encontram alojadas em forma fluídica na atmosfera terrena, no site pamam.com.br.

E assim, os espíritos quedados no astral inferior conduzem esses seres humanos ao sacerdócio e os transformam em pedófilos, onde nas suas igrejas de origem eles têm campo aberto para que procedam aos seus ataques sexuais às criancinhas indefesas, escondendo-se por detrás da batina, já que a ignorância torna os seres humanos incautos, daí a razão pela qual a classe sacerdotal torna os seus arrebanhados uns verdadeiros cretinos, como no caso desses dois que saíram em defesa da pedofilia católica, ou tentando minimizar os seus efeitos. Essa cumplicidade católica é desabonadora do caráter desses dois credulários inconsequentes.

Fica então respondida também a pergunta do porquê um sacerdote poder se envolver com uma mulher, pois neste caso os obsessores o estão intuindo para o sexo livre com mulheres, em conformidade com as suas afinidades, mas como os espíritos quedados no astral inferior gozam com a prática do mal, esses sacerdotes passam a frequentar os lares com a intenção oculta de assediar as mulheres casadas, mas dizendo que a intenção é evangelizar, ou doutrinar, ou mesmo dar conselhos espirituais, quando então os terríveis obsessores que os acompanham formam o ambiente fluídico propício ao sexo nos ambientes dos lares, inclusive espargindo os seus fluidos sensuais nos órgãos sexuais das vítimas casadas, que não resistindo a esses apelos sensuais inferiores, entregam-se nos braços dos sacerdotes assediadores. Daí a razão de tantas mulheres casadas terem filhos com os sacerdotes, como é do conhecimento de todos.

Quanto ao fato de um sacerdote se envolver com uma criança, correndo o risco de ser processado e preso, isto se explica pelo fato da obsessão ser tamanha que ele não mede consequências para satisfazer aos seus desejos bestiais, que supera em muito a sua força de vontade. Além do mais, o sacerdote está escudado covardemente na batina, sabendo do peso que ela representa para os seus cretinos arrebanhados, que são fiéis às suas palavras mentirosas, e que estando completamente tomados pela fé credulária, passam a acreditar piamente naquilo que lhe diz o seu mentor espiritual, ignorando completamente que se encontra atolado na mais profunda e baixa espiritualidade. Assim, o sacerdote fica completamente obcecado por abusar de uma criança, fazendo de tudo por satisfazer compulsivamente aos seus impulsos sexuais degenerados, de cunho depravatório, contudo não se esquecendo dos riscos que está assumindo e ao qual está se expondo. Em função disso, toma todos os cuidados que julga sejam necessários, ao que se dá a denominação de temeridade. Assim como também são temerários os políticos e funcionários públicos corruptos, que são os maiores traidores da própria pátria, os ladrões, os assassinos, os estelionatários, em que aqui se enquadram também os sacerdotes, os traficantes e os demais bandidos de todas as espécies que pululam por esse mundo afora de meu Deus.

E isso é sim, um distúrbio psicológico, mas esse distúrbio psicológico tem como únicos culpados os próprios sacerdotes, que se deixaram obsedar, por terem afinidades com os espíritos obsessores quedados no astral inferior, que assim se tornam todos da mesma laia. E mais: quando esses sacerdotes pedófilos desencarnam, eles vão engrossar as fileiras desses espíritos obsessores, quando então passam a obsedar aos que se encontram encarnados, levando-os para o mesmo caminho do crime, tornando-os sacerdotes e pedófilos, formando-se assim um círculo vicioso, que somente com o esclarecimento espiritual proporcionado pelo Racionalismo Cristão pode pôr um paradeiro nessa anomalia humana, assim como em todas as demais anomalias humanas, pois que estamos na fase final da guerra entre o bem e o mal.

Os dois defensores do catolicismo foram bastante infelizes em haverem citado o escritor português Artur Rosa Teixeira, o qual até hoje nenhum esclarecimento espiritual proporcionou à nossa humanidade, por isso não possui nenhuma autoridade para falar acerca do assunto, e que através dessas suas palavras mundanas demonstra claramente não saber realmente o que diz, e nem mesmo como utilizar adequadamente as palavras que emprega, assim como também quase todos os literatas da sua mesma estirpe.

Não existe qualquer ataque ao catolicismo, mas sim denúncias de pedofilia que são praticadas pelos seus sacerdotes, então essas denúncias divulgadas pela imprensa não podem jamais ser consideradas como sendo algo nocivo, pelo contrário, torna-se salutar ao viver humano neste mundo, pois que o mal tem que ser exposto, para que assim se possa combatê-lo em todas as linhas, pois que excessivamente nocivo é o ataque sexual às criancinhas. Ao que o escritor português denomina de “campanha de ataque à hierarquia Católica”, não se trata de qualquer campanha, mas sim de crítica pelo fato da alta hierarquia ocultar aos olhos do mundo os casos de pedofilia por parte do seu clero, estando a imprensa coberta de razão, sendo até um tanto complacente com toda essa patifaria, quando, na realidade, deveria ser muito mais incisiva.

Então, quando o escritor português afirma que as notícias dos ataques pedófilos sacerdotais “tem contornos de uma campanha de ataque à hierarquia Católica, muito para além da objetividade informativa que a deontologia jornalística impõe, independentemente da sua gravidade moral”, ele se mostra desatento e desinformado sobre essas patifarias sacerdotais católicas, um ignorante acerca do verdadeiro significado da deontologia e um indivíduo alheio à prática da verdadeira moral. Senão vejamos:

As denúncias de pedofilia feitas pelos jornalistas acerca dos casos de pedofilia por parte dos sacerdotes católicos, são todas oriundas de denúncias alheias à alta hierarquia católica, portanto, feitas por particulares ou por autoridades policiais, com praticamente todas elas estando situadas na seara judicial, sendo milhares e milhares os casos, então qualquer ser humano esclarecido acerca das notícias veiculadas pelos meios de comunicação não poderia jamais ser alheio a tais fatos, a não ser de modo proposital, na tentativa de distorcer o real acontecido.

A deontologia representa um ensinamento de cunho saperológico, que vem propor aos militantes de uma determinada área profissional as suas obrigações e os seus deveres nos exercícios das suas profissões, norteando as suas condutas profissionais, sendo, pois, um tratado de moral e ética, portanto, de educação, a todos os que são profissionalizados, e isto vale para todas as profissões, sejam elas de nível superior, médio, ou mais popular. Assim, ao contrário do que diz o escritor português, a objetividade informativa que a deontologia jornalística impõe aos seus profissionais, situa-se muito aquém daquilo que realmente se espera de um jornalismo esclarecedor e participativo no âmbito da sociedade, que neste caso a objetividade deve ceder lugar à subjetividade, para que assim os jornalistas possam manifestar com peremptoriedade as suas críticas veementes a essas ações tão indignas por parte dos sacerdotes católicos e outros, com elas continuando de modo firme, insistente, intermitente, sem tréguas, até que se tornem conclusivas, ou seja, até que a Igreja Católica e outras ponham um fim nesse crime pavoroso e terrificante de ataque sexual às criancinhas do mundo inteiro.

E sendo alheio à prática da verdadeira moral, o escritor português também se torna insensível aos sofrimentos e aos traumas que abalam as almas infantis, pois que o teor desse seu escrito trata apenas de defender o catolicismo e insinuar de modo infundado os ataques jornalísticos à instituição credulária a que ele defende. Por que, então, Sr. Artur Rosa Teixeira, o senhor nem uma vez sequer se referiu às vítimas infantis que sofreram abusos sexuais por parte dos sacerdotes católicos? Por que, então, Sr. Artur Rosa Teixeira, o senhor não procurou avaliar uma vez sequer as dores e os traumas sofridos pelas vítimas infantis? Por que, então, Sr. Artur Rosa Teixeira, o senhor não se dispôs uma vez sequer a condenar aos sacerdotes católicos punidos pela justiça pela prática de abusos sexuais em crianças? Por que, então, Sr. Artur Rosa Teixeira, o senhor em momento algum abordou o cerne da questão, que trata da prática da pedofilia por parte dos sacerdotes católicos? Por que, então, Sr. Artur Rosa Teixeira, o senhor coloca o ataque à Igreja Católica por parte dos jornalistas acima de todas essas questões?

Agora, Sr. Artur Rosa Teixeira, já que o senhor está defendendo o catolicismo contra os “ataques” jornalísticos em relação aos seus sacerdotes pedófilos, que também se disponha a defender a sua própria honra contra este verdadeiro ataque que este explanador do Racionalismo Cristão ora está fazendo contra a sua moral, que o senhor demonstra não possuir. Mas venha de lá para cá preparado, mas muito bem preparado, pois quanto mais preparado o senhor de lá vier, tanto mais fácil será para mim de cá destruir a toda essa sua moral utilitária por completo. Quem não está ao lado da solução, está ao lado do problema, em que este é o lugar em que o senhor se posicionou, pois que não existe o meio termo entre o bem e o mal. Saiba o senhor que se eu me encontro novamente aqui neste mundo é para mondar a erva daninha do mal que está tentando matar toda a plantação do bem já posta neste mundo, e o senhor está se revelando como sendo um autêntico joio, pondo-se ao lado do catolicismo, que joio também é de fato, e, em obediência a Jesus, o Cristo, deverá ser feita a devida separação entre o joio e o trigo. Ainda tem tempo de mudar de lado, pois que nós, os espíritos superiores, não queremos saber do passado de quem quer que seja, já que isto diz respeito diretamente a cada um e a Deus, queremos sim, saber do presente, da conduta escorreita de cada um, para que assim possamos separar o joio do trigo.

É difícil até de acreditar, mas o casal de credulários vem afirmar “que o número de sacerdotes envolvidos com casos de pedofilia representa ‘apenas(grifo e aspas meus) 0,6% do clero, uma diminuta minoria”. Além dessa pesquisa dita científica não representar a verdade dos fatos, bastaria um, apenas um caso, para se atentar para os demais casos da pedofilia sacerdotais, sendo somente aceita alguma exceção com a devida punição do culpado no âmbito judicial, e a sua devida expulsão do quadro sacerdotal, mas assim não ocorre, pois que a alta hierarquia sacerdotal acoberta os casos de pedofilia dos seus sacerdotes, e ainda vem afirmar descaradamente que todo esse clero safado forma uma única família, por isso não lava a sua roupa suja na rua, somente em casa, cuja casa que abriga a essa família sacerdotal, sórdida e vil, é denominada de Vaticano.

E agora se pode perfeitamente comparar os credos e as suas seitas, que são aos milhares e milhares neste mundo, mas que deverão ser todos extintos, com o Racionalismo Cristão, que é o instituto redentor da nossa humanidade, pois que traz em si todo o racionalismo de Jesus, o Cristo, posto para este mundo, prevalecendo sobre tudo e sobre todos. Que então o casal de credulários católicos venha de lá para cá e vasculhe por inteiro todas as dependências das casas racionalistas cristãs, e depois se dignem a propagar ao mundo o que lá encontraram, seja lá o que for, pois como diz Luiz de Mattos, o seu digníssimo fundador, o maior moralista da nossa humanidade: “quem não deve não teme”; esta é a realidade posta pelo Racionalismo Cristão.

É também difícil de acreditar, mas esse casal de credulários, tornados cretinos pelos sacerdotes católicos, e bem cretinos, tornados também obsedados pelos espíritos quedados no astral inferior, que auxiliam aos seus mentores espirituais, vem afirmar como justificativa da degeneração sacerdotal católica, que 60% dos abusos sexuais ocorre com adolescentes do mesmo sexo, que “apenas” 10% ocorre com crianças impúberes e que os outros 30% ocorrem com adolescentes do sexo oposto. Meu Deus, dá até pena rebater a tanta ignorância e a tanta falta de senso! Meus pobres coitados! Meus infelizes semelhantes! Meus cretinos credulários católicos! Essas estatísticas, além de estarem erradas, não são para serem utilizadas jamais como justificativas das patifarias sacerdotais católicas, mas sim para se condenar, para se agir intensamente no sentido de coibi-las, de exterminá-las para sempre da face da Terra. Será que não dá para compreender nem um pouquinho que tudo isso representa o mal, e que o mal tem que ser combatido em todos os setores da vida? Tudo bem! Seja em que campo for, eu adentro com as bandeiras da verdade, da sabedoria e da razão. E se o campo é a estatística, então vamos às estatísticas da doutrina do Racionalismo Cristão, que foi fundado em 1910, enumerando algumas delas para uma melhor compreensão, a seguir:

  • Casos de homossexualismo: 0%;
  • Casos de pedofilia: 0%;
  • Casos de assédios a mulheres casadas: 0%
  • Casos de homens casados que assediam mulheres solteiras: 0%;
  • Casos de mulheres casadas que assediam homens solteiros: 0%.

Falta com a verdade o casal de credulários quando afirma que a imprensa não dá ênfase às “coisas boas” que a Igreja faz. Na verdade, a Igreja Católica nada faz que tenha proveito para a paz e o progresso da nossa humanidade, pois tudo o que ela faz é marketing para vender uma boa imagem para o povo em geral. As suas instituições de caridade, de um modo geral, empregam apenas uma pequena parte dos recursos que são arrecadados dos seus prosélitos, com o restante indo diretamente para os bolsos dos sacerdotes, ou então para o Vaticano, e a denominação que se dá a isso é estelionato; assim como também do mesmo modo agem os demais credos e seitas, e até as instituições que são alheias aos credos e as suas seitas, mas que se dizem cristãs, como essa LBV – Legião da Boa Vontade, pois que não se faz cortesias com os chapéus dos outros. Aos que são verdadeiramente preocupados com o bem-estar dos seus semelhantes, estes tiram dos seus próprios bolsos os recursos que destinam aos seus semelhantes que são verdadeiramente carentes e necessitados de ajuda financeira, ou de outro tipo qualquer de ajuda, e a denominação que se dá a isso tanto pode ser liberalidade como magnanimidade, dependendo do montante dos recursos e a quem se destinam. Além do mais, essa palavra caridade é desabonadora da natureza humana, já que os “caridosos” sempre fazem as suas “caridades” com os recursos alheios, assim como a Igreja Católica e os demais credos e seitas, assim como também outras instituições, que às vezes chegam até a arrecadar recursos dos governos, sempre com os seus dirigentes abocanhando a maior parte dos recursos, com esses “caridosos” de hoje sendo os necessitados de amanhã. Na realidade, essa palavra caridade deve ser substituída pela palavra solidariedade, que com o advento da amizade espiritual, através do Racionalismo Cristão, deverá ser fraterna.

A Igreja Católica Apostólica Romana jamais, em tempo algum, lutou em defesa dos menos favorecidos, apenas simula essa luta, em seu marketing repulsivo, pois o que ela realmente almeja é deixar o povo medrar cada vez mais na ignorância, para que assim possa exercer mais facilmente o seu domínio sobre ele, e então reinar neste mundo com ares de soberana, com o papa sentado em seu trono vaticânico, com a aparência de um primata irracional, sendo santificado e propiciado através da ignorância do povo, sendo secundado pelos seus asseclas cardeais, bispos, padres, e todos os demais tipos de sacerdotes. E essa imagem papal de primata irracional, que é a verdadeira, pois que proveniente do seu atavismo psíquico da irracionalidade, eu vou mostrar no site pamam.com.br, através de imagens idôneas, quando tratar das nebulosas escuras na Terra.

Como a Igreja Católica Apostólica Romana não tem renda própria, sendo a sua renda proveniente do estelionato que faz com os seus prosélitos, não é ela quem incentiva e subsidia as instituições científicas e de ensino, mas sim os seus incautos prosélitos. E se ela se mete indevidamente na seara do ensino, sem possuir qualquer moral e ética para ensinar aos jovens, para que então possa educá-los, a baixeza da sua intenção se prende, única e exclusivamente, em moldar a personalidade dos jovens, ainda em formação, às suas doutrinações, aos seus cultos, aos seus ritos credulários, conservando-os na ignorância acerca da espiritualidade, por conseguinte, moldando-os ao seu sabor, arrebatando-os para as suas hostes.

Algumas pessoas ignorantes, sendo credulárias, às vezes agem em nome da Igreja Católica, como a Dra. Zilda Arms, que sendo médica combateu a mortalidade infantil, não fazendo mais do que a sua obrigação, cumprindo com o seu dever de médica, estando em conformidade com a deontologia médica. No entanto, todos os brasileiros que são mais atentos aos noticiários propagados pelos meios de comunicação, são cientes das suas ações humanitárias. Mas essa Pastoral da Criança é um crime lesa-humanidade, que possui a mesma conotação posta no parágrafo anterior, confirmando assim a artimanha e o ardil da classe sacerdotal, no caso em questão, dos sacerdotes católicos.

A Inquisição, essa aberração humana, será tratada devidamente no seu tópico específico. Mas o que dizer de um credo que queima os seres humanos na fogueira? Se a Igreja incentiva as ciências, por que então ela queimou Giordano Bruno na fogueira? Por que a Igreja queimou na fogueira Joana D’Arc, a heroína francesa, e depois a santificou? Esses e outros tantos milhares de casos de assassinatos dessa maneira assim tão perversa e desumana, de que maneira podem ser expostos de maneira parcial e tendenciosa? Não se pode justificar o injustificável, não se pode distorcer a realidade dos fatos em função de uma crença estúpida, tendo por base a fé credulária.

Não me venha o casal de credulários apontar o historiador norte-americano, Dr. Thomas Wood, PhD em Harvard, pois ele pode ser PhD, PhE, PhF, e assim continuar até PhZ, tanto em Harvard como em qualquer outra universidade do mundo, pois que ele de nada sabe, assim como também todos os historiadores, estendendo-se essa ignorância a todas as demais parcelas do Saber, tidas como ciências, por conseguinte, todas as universidades ainda medram na mais extrema ignorância. No caso aqui em questão, a parcela do Saber denominada de História, ela somente pode ser posta neste mundo com base na realidade, quando os seus estudiosos estiverem espiritualizados, pois que antes de 4.000 anos atrás pouco ou quase nada se sabe, e o que se sabe de lá para cá, diz respeito diretamente ao plano de espiritualização da nossa humanidade, que começou com a encarnação de Hermes, no Egito, a primeira encarnação do espírito que se deslocou da sua humanidade para a nossa, com o fim de elaborar a esse plano para a nossa espiritualização, tendo agido intensamente com o objetivo da sua consecução, que por fim alcançou a condição do Cristo, quando na sua última encarnação como Jesus, tendo retornado para a sua humanidade, após a fundação do Racionalismo Cristão por Luiz de Mattos, deixando este como sendo o chefe da nossa humanidade.

Se a Igreja Católica “moldou o tipo de civilização em que vivemos e o tipo de pessoas que somos”, então tudo isso se reflete no verdadeiro caos em que vivemos, nos conflitos humanos de toda a ordem, nos desentendimentos gerais, nas guerras entre as nações e nas guerras intestinas, em que todos querem levar vantagens sobre todos, com as nações não se respeitando umas às outras, cujo interesse maior de cada uma delas é o poderio econômico e bélico, ocorrendo um verdadeiro psitacismo entre os seres humanos. Este é o molde da civilização em que vivemos e o tipo de pessoas que somos, e se tudo isso é obra da Igreja Católica, a situação da nossa humanidade tende a se agravar cada vez mais, caso esse credo nocivo não venha a ser extinto da face da Terra, assim como também todos os demais credos e as suas seitas.

De qualquer maneira, toda e qualquer alegação por parte dos apologistas católicos de que o seu credo deixou algum legado no avanço desta nossa civilização é falso, pois que as próprias ciências foram impedidas de expor os pensamentos dos seus estudiosos quando em contraste com a Bíblia, como é prova disso Giordano Bruno, queimado na fogueira, e Galileu Galilei, preso e obrigado a se retratar. Essa alegação ganhou força principalmente a partir da imaginação distorcida de Olavo de Carvalho, considerado por muitos como sendo saperólogo, mas que não é saperólogo coisa nenhuma, não passando de um indivíduo tremendamente obtuso, falso, descarado, pelo fato de pregar abertamente uma espécie de revisionismo histórico que nega as Cruzadas, a Inquisição e tantos outros crimes vaticânicos, para que assim possa atacar o protestantismo, que também sendo um credo, mais propriamente uma seita, medrando na ignorância, não deixa de ser mal, e muito mal, mas que não é assim tão criminoso quanto o catolicismo, por isso ele não passa de um indivíduo mal intencionado, que possui muitos seguidores fanáticos da sua laia, que levam à frente as suas idiotices acretinadas.

Além do mais, a Igreja Católica não eliminou qualquer costume repugnante, pelo contrário, ela agravou ainda mais a esses costumes repugnantes, através dos procedimentos indecorosos dos seus sacerdotes, a partir do seu chefe maior, o papa, que se assenta no trono mais criminoso e imoral de toda a história da nossa humanidade, que teve o ápice dos seus crimes e das suas imoralidades com Roderigo Bórgia, o famoso papa Alexandre VI, mais conhecido como o Príncipe dos Devassos, que mantinha relações sexuais até com a sua própria filha, que por sua vez mantinha relações sexuais com o seu próprio irmão, daí a razão do povo dizer pelas ruas que ela era a filha, a esposa e a nora do papa, tudo ao mesmo tempo.

Afirmar que a Igreja Católica acabou com o infanticídio ultrapassa os raios da ingenuidade, passando a ser uma extrema estupidez, pois que ela mesma é praticante desse crime monstruoso, através dos seus próprios membros, sacerdotes e freiras. O site Por Um Mundo Melhor Sem Religião, cujo termo religião é impróprio, sendo mais apropriado o termo credo, devendo ser também incluídas as suas seitas, publicou o seguinte:

ABUSO SEXUAL NA IGREJA CATÓLICA ROMANA: 40% DE FREIRAS CATÓLICAS FORAM SEXUALMENTE ABUSADAS. AQUELAS QUE FICARAM GRÁVIDAS, OS BEBÊS FORAM ASSASSINADOS.

Ao longo das últimas décadas alguns dos principais jornais expuseram o problema do abuso sexual sacerdotal de meninos, meninas, mulheres — e até freiras — dentro da Igreja Católica Romana, aqui nos Estados Unidos da América. Por favor, considere cuidadosamente as seguintes citações

[…] celibato é a história da degradação das mulheres e uma das consequências são abortos frequentes e infanticídio. No século IX, muitos mosteiros eram redutos de homossexuais, muitos conventos foram bordéis em que os bebês eram mortos e enterrados … A promiscuidade era comum em mosteiros e conventos. Ivo de Chartres (1040-1115) fala de conventos inteiros em que as freiras eram freiras só no nome. Elas muitas vezes tinham sido abandonadas por suas famílias e eram realmente prostitutas — Peter de Rosa (‘Vigários de Cristo’, 1988, páginas 404 e 408).

‘De acordo com uma pesquisa de 1996 sobre freiras nos Estados Unidos da Igreja, é relatado que um mínimo de 34 mil freiras católicas (cerca de 40 % de todas as freiras americanas), afirmam ter sido abusados sexualmente. Três em cada quatro dessas freiras afirmaram que foram sexualmente vitimadas por um padre, freira, ou qualquer outra pessoa religiosa. Duas em cada cinco freiras declararam que foram abusadas sexualmente […] Todas as freiras que afirmavam exploração sexual repetida informaram que elas foram pressionadas pelos superiores religiosos a prestar favores sexuais’ ? ‘Boston Globe’ (2002/01/08) [Ed. Esta citação é da p. 179 do livro, ‘Lodge de Lúcifer’, de William H. Kennedy.]

‘Então, às vezes, os sacerdotes vêm… e eles ficam com raiva de nós, porque nós nos recusamos a ter relações sexuais com eles voluntariamente… Eu tive meus dentes da frente arrancados num soco… por um sacerdote lascivo que estava tentando forçar a irmã Charlotte… e, em seguida, levá-la para o chão a fim de molestá-la… Aqui estamos nós — um grupo das mais jovens freiras… de manhã a madre superiora pode dizer o seguinte: Nós todas vamos ser alinhadas aqui … Então, você sabe, pode haver dez de nós — pode haver 15 nós. Ela, isto é, a madre superiora, vai dizer-nos a todas para tirar a roupa. E nós temos que ficar nuas… aqui estamos alinhadas e vêm dois ou três padres católicos romanos com licor em seus cintos, isto é, os sacerdotes estão intoxicados, e marcham na frente daquelas meninas nuas (as freiras) e escolhem a garota que eles querem levar com eles para a cama. Estes são conventos de clausura e não pode ser aberto. O padre pode fazer o que quiser e se esconder por trás do manto da religião! Em seguida, esse mesmo padre católico romano: vai voltar para as Igrejas Católicas Romanas e lá ele vai dizer a missa — e lá ele vai para o confessionário e fazer as pessoas pobres acreditarem que… depois de molestar sexualmente uma freira… ele tem o suposto poder de conceder a absolvição dos seus pecados — quando ele é cheio de pecado, cheio de corrupção, de vícios… Ainda assim, ele atua como seu ‘deus’. E, em seguida, o sacerdote, ao tentar molestar uma freira, vai socá-la no estômago. Muitas das meninas, as jovens freiras têm bebês abaixo dos seus corações, e o padre não se incomoda em te chutar no estômago com um bebê em seu coração — ele não se importa — o bebê vai ser morto de qualquer maneira — porque esses bebês nascem no convento. […] o mundo pensa… conventos de clausura… eles são ordens religiosas. E há bebês nascidos lá! Eu fiz nascer bebês com estas mãos, e o que eu vi com os meus olhos e fiz com as minhas mãos — eu simplesmente desafio o mundo inteiro a dizer que não é verdade. E, oh, eu gostaria que você pudesse ver a freira grávida. Ela não está ansiosa para ter um bebê. Não vai sentir o calor do seu corpo. Elas nunca vão nem mesmo dar banho no bebê. Mas ele só pode viver 4 ou 5 horas e, em seguida, a madre superiora vai levar o bebê e colocar os dedos nas narinas dele e cobrir a sua boca e extinguir a sua pequena vida. E por que eles constroem os poços de cal na clausura do convento? Qual é a razão para a sua construção, senão um plano para matar os bebês? O bebê será levado para a cova com cal e química e cal é colocado sobre o seu corpo — o que é o fim do bebê’.

Os trechos acima são uma apresentação gravada pela irmã Charlotte – Freira Carmelita. a.k.a. Charlotte Wells.

Tradução: Ana Burke

(Proibido copiar sem dar o devido crédito, sob pena de lei).

FONTE: http://www.vaticancrimes.com/”.

O combate dos gladiadores não foi extinto pela Igreja Católica, tendo sido banido oficialmente pelo imperador Constantino I, no ano 325. O fato de um católico tomar determinadas decisões não implica diretamente que estas decisões sejam feitas pelo Vaticano, pois caso fosse assim os crimes cometidos pelos católicos teriam que ser também imputados ao Vaticano, o que não é o caso, devendo-se saber separar uns dos outros. Ne entanto, as lutas dos gladiadores continuaram por mais um século na irregularidade, com o imperador Honório decretando o final definitivo dessas lutas, o qual contou com a participação do papa Inocêncio I. Então o fim dos combates dos gladiadores não se deve diretamente à Igreja Católica, como essa competência não passando de um simples marketing.

É certo, porém, que os demais credos e as suas seitas fazem o que bem entendem com os seus arrebanhados, até mais do que faz o catolicismo, mas desviar dinheiro dos dízimos, das ofertas, das mensalidades, das contribuições, e tudo o mais que os sacerdotes inventam para explorar a bolsa do povo, é algo que nenhum deles faz. Ora, todo o dinheiro arrecadado é para eles mesmos, então é de se indagar: desviar para onde? A não ser que a cretinice credulária seja tamanha, atinja a um ponto tal, que esses cretinos venham a acreditar que o dinheiro seja dirigido diretamente a Jeová, o deus bíblico. Neste caso, dispensa-se comentários.

Esse sociólogo Massimo Introvigne, não católico, imagina algo que não existe, e então passa a escrever aquilo que lhe vem na imaginação, para que assim possa afirmar a sua posição sociológica perante o mundo, mas que, ao invés disso, apenas vem demonstrar que nada entende de Sociologia. Não somente sob o ponto de vista sociológico, mas também sob o ponto de vista psicológico, jurídico e antropológico, não representa e jamais representou qualquer tipo de “pânico moral”, pois caso fosse assim, os pais não deixariam jamais que os seus filhos frequentassem as igrejas, o que não ocorre, pelo fato deles serem ignorantes. O verdadeiro pânico moral ocorre em toda a nossa humanidade, que somente os que raciocinam com mais profundidade conseguem detectar e compreender as suas razões, pois que o verdadeiro pânico moral é decorrente da extrema ignorância em que medra a nossa humanidade, que é ainda mais agravada pelo catolicismo e os demais credos e as suas seitas, em face dos seus devaneios sobrenaturais, e todos sabem que a ignorância é o grande mal da nossa humanidade, tal como Jesus, o Cristo, assim afirmou para todo o mundo.

Se “ao menos” os católicos tiveram a atitude de pedir perdão à humanidade pelas suas falhas no passado, que não são propriamente falhas, mas sim crimes, e crimes dos mais graves e hediondos, como fizeram os papas João Paulo II e Bento XVI, este recentemente pelos escândalos de pedofilia, que além de escândalos constituem crimes dos mais nefastos e horripilantes, tal atitude de pedir perdão não redime e muito menos absolve a Igreja Católica dos seus crimes contra a humanidade em todos os tempos da sua existência. O Astral Superior vai proceder às regenerações de todos os seus sacerdotes criminosos, com eles tendo que reparar todos os males que praticaram, em que a pena capital para o credo católico vai ser a sua extinção de vez, assim como também para todos os demais credos e as suas seitas, ficando todos apenas como registros na história desta nossa civilização, com os historiadores narrando as suas ações como sendo as páginas mais negras da nossa história.

Por fim, devo retificar as palavras do casal credulário acerca da reflexão em relação às palavras de Jesus, o Cristo, que por hipótese alguma é o “Nosso Senhor”, sendo tal expressão representativa de uma estúpida e extremada subserviência credulária, por isso os credulários baixam as suas cabeças, ajoelham-se, fazem genuflexões, estendem os braços com as palmas das mãos voltadas para cima, e tudo o mais do gênero, em cumprimentos às regras ou às ordens dos sacerdotes que os manejam à vontade, sempre de modo humilhante, característico do servilismo, da propiciação, da adoração, próprios de quem não tem vontade própria.

Jesus, o Cristo, é sim, superior a todos nós em termos de valor espiritual, mas não em termos de importância perante a Deus, perante ao Todo, perante a Inteligência Universal, pois que todos nós somos as suas partículas em evolução, do ser atômico menos evoluído, como o ser hidrogênio, ao espírito mais evoluído, no caso em questão o próprio Jesus, o Cristo, que já retornou para a sua humanidade, a fim de conduzi-la em retorno para o Criador, na condição do seu Cristo, deixando Luiz de Mattos como sendo o chefe da nossa humanidade, pelo fato dele ser o espírito mais evoluído dentre todos os que integram a nossa humanidade, pois que teve a glória de ter fundado o Racionalismo Cristão, o embrião do instituto do Cristo neste mundo, o qual dever produzir o nosso próprio Cristo, que é um instituto estatuído por Deus, pois que é o instituto do Cristo que deverá levar cada uma das humanidades em retorno para Ele, uma vez que cada uma das humanidades, em seu todo, deve se reintegrar novamente ao Todo, que todos denominam de Deus.

Em conformidade com o que foi divulgado pela Yahoo Notícias, a Conferência Episcopal da Alemanha anunciou que a Igreja Católica naquele país perdeu um número recorde de fiéis, mais ainda do que em 2010, que foi um ano marcado por casos de pedofilia. Em 2014, mais de 280.000 residentes na Alemanha deixaram a Igreja Católica, 39.000 a mais do que no ano anterior.

Os católicos declarados, que ainda estão presentes no sul da Alemanha, chegam a apenas 24 milhões no total, o que representa apenas 29,5% de toda a população alemã, um refluxo bastante expressivo que o presidente da Conferência Episcopal Alemã, o cardeal Reinhard Marx, vem lamentar profundamente.

A alta hierarquia católica não consegue explicar esse processo de debandada geral das suas hostes na Alemanha, cujas causas são menos evidentes do que em outros anos marcados por casos de pedofilia entre os seus sacerdotes, como aconteceu em 2010, quando 181.193 pessoas abandonaram o catolicismo. O porta-voz da organização leiga católica intitulada de Nós Somos a Igreja, Christian Weissner, considerou que “o espírito” reformista do Papa Francisco “não foi sensível como deveria ter sido na Alemanha”, considerando que “é preciso romper” com a doutrina conservadora do papa anterior, Bento XVI.

E vejam como em todos os tempos os sacerdotes sempre estiveram intrometidos na política dos Estados, pois o governo da Alemanha, dando provas reais da extrema ignorância por parte dos seus governantes, determina que todos os contribuintes devem se declarar católicos, protestantes ou sem credo, que eles denominam indevidamente de religião. Assim, o Estado retém entre 8 e 10% de imposto adicional daqueles que se declaram crentes, para repassar toda essa fortuna às duas igrejas, com o intuito ingênuo, digamos assim, para não adentrarmos nas verdadeiras causas, de gerar cada vez mais instituições, como creches e hospitais, através das associações credulárias, mesmo sendo ciente de que quase todos esses recursos vão para os bolsos dos seus sacerdotes, com eles aplicando apenas uma parte desses recursos em tais objetivos, para que assim possam arquitetar uma fachada de bons samaritanos. Os contribuintes, por sua vez, que não se encontram acretinados pelos sacerdotes como os demais, declaram-se não crentes, ficando isentos desse imposto.

É certo que o catolicismo e as suas seitas protestantes se equivalem em termos de crimes de pedofilia, não havendo estatísticas que venham a comprovar realmente quais dos seus sacerdotes são os mais criminosos, mas estas últimas são bem mais gulosas em termos de explorar a bolsa alheia. E assim, eles ficam se digladiando entre si, com acusações mútuas de pedofilia, com o credo católico acusando as seitas protestantes de terem em suas hostes mais pedófilos, e as seitas protestantes acusando ao credo católico de terem sem suas hostes mais pedófilos. Mas nenhum deles, nem o credo católico e nem as suas seitas protestantes, vêm a público afirmar quais são as medidas que estão adotando para pôr fim a esse crime monstruoso, pelo contrário, acobertam e tentam minimizar o fato. É por isso que todos esses sacerdotes são ministros de Jeová, o deus bíblico, que é tão safado e patife como esses seus ministros.

Como não existem estatísticas que venham a comprovar realmente quais são os sacerdotes que mais praticam a pedofilia, se os sacerdotes do credo católico, ou se os sacerdotes das seitas protestantes, eu vou tornar a ambos iguais uns aos outros, aproveitando das suas brigas intestinas credulárias para expor os casos de pedofilia nas seitas protestantes, sem perder mais tempo para estudar a estes casos protestantes, o que não significa que eu ataque mais a um ou a outros, pois o que eu realmente ataco é o mal, com todas as minhas forças, para que assim consiga mondá-lo da face da Terra, com ele cedendo o seu lugar para o bem.

Em 2011, Renato Cavallera veio a público se manifestar acerca dos casos de pedofilia cometidos por pastores brasileiros, afirmando que eles superam os casos de pedofilia dos sacerdotes católicos no noticiário. O autor dessa manifestação diz o seguinte:

No Brasil, país tido como o mais católico do mundo, a Igreja Católica não foi atingida pelo tsunami de denúncias de pedofilia que abalou a tradicional hierarquia religiosa de países como Alemanha, Bélgica, Holanda e Irlanda.

Aqui, tem havido no noticiário da internet muito mais casos de pastores pedófilos ou suspeitos dessa prática do que os seus colegas padres, sem que a grande imprensa dê conta disso.

Três exemplos recentes. No dia 20 de junho, a Polícia Civil de Duque de Caxias (RJ) prendeu o pastor Juarez Ferreira da Silva, 52, que estava foragido por ter sido condenado a 12 anos de prisão por ter estuprado quatro meninas. No dia 1º de julho, o pastor Dionísio da Silva Mattos, 55, de um templo da Assembleia de Deus em Magé, na Baixada Fluminense, foi preso sob a suspeita de ter abusado de uma menina de 12 anos. Dias depois, a imprensa portuguesa informou que o pastor Celso Miranda, 43, da mesma denominação, fugiu para o Brasil porque teria violentado um menino de 13 anos.

A imprensa dá muito mais visibilidade aos casos de padres pedófilos, como se as vítimas deles fossem mais importantes. Os padres de Arapiraca (AL), por exemplo, têm sido contemplados pela cobertura dos grandes jornais, portais e TVs. A prisão do pastor protestante Edimário Gama de Freitas, 65, sob a acusação de abusar de filhos de fiéis, só foi noticiada pela imprensa regional, na Bahia.

Se não fosse o noticiário da internet, principalmente de sites de pequenas cidades, não se saberia da existência de tantos pastores evangélicos suspeitos de abusar de crianças. Geralmente, as vítimas são de famílias pobres e ingênuas. Acreditam, pelo menos inicialmente, que massagens de pastor podem expulsar o Satanás do corpo e em sessões de oração de ‘cura interior’.

Com base apenas nesse noticiário, não é possível dizer que existem proporcionalmente mais pastores pedófilos do que padres. Para isso, haveria a necessidade de um estudo aprofundado, que levasse em conta, por exemplo, a quantidade de pastores e de padres”.

Em 2002, Mark Clayton, escritor do staff do The Christian Science Monitor, vem anunciar a todos que a pedofilia nas igrejas protestantes é maior do que na Igreja Católica, com os abusos sexuais abrangendo todo o espectro de igrejas, afirmando que a fonte desse seu anúncio é proveniente do próprio protestantismo, que assim vem dizer:

Apesar das manchetes enfocando o problema de padres pedófilos na Igreja Católica Romana, a maioria das igrejas americanas sendo atingidas com denúncias de abuso sexual de crianças são Protestantes, e a maioria dos abusadores denunciados não são clero ou funcionários, mas os voluntários da igreja.

Estes são os resultados das pesquisas nacionais feitas por Christian Ministry Resources (CMR), um conselho fiscal e editor legal servindo mais de 75.000 congregações e 1.000 agências denominacionais por todo o país. 

Pesquisas anuais do CMR de cerca de 1.000 igrejas em todo o país têm perguntado sobre o abuso sexual desde 1993.

Elas são uma janela notável sobre um problema que se escondia nas sombras, em grande parte da opinião pública até que os escândalos católicos surgiram.

As pesquisas sugerem que, durante a última década, o ritmo das denúncias de abuso infantil contra igrejas americanas foi, em média, 70 por semana.

Os inquéritos registraram uma ligeira tendência de queda nos abusos relatados a partir de 1997, possivelmente em resultado da introdução de medidas preventivas pelas igrejas.

‘Eu acho que os números do CMR são impressionantes, mas bastante razoáveis’, diz Anson Shupe, um professor da Universidade de Indiana que escreveu livros sobre abusos na igreja.

Das 350.000 igrejas nos Estados Unidos, 19.500 — 5 por cento — são católicas romanas.

Igrejas católicas representam ligeiramente uma pequena minoria de igrejas nas pesquisas CMR que não são cientificamente aleatórias, mas ‘representativas’ amostras demográficas das igrejas, explica o Dr. Cobble.

Desde 1993, em média, cerca de 1% das igrejas pesquisadas relataram denúncias de abusos anualmente. Isso significa que, em média, cerca de 3.500 denúncias por ano, ou quase 70 por entre o grupo predominantemente protestante, diz Cobble.

http://www.csmonitor.com/2002/0405/p01s01-ussc.html

http://www.csmonitor.com/2002/0405/p01s01-ussc.html/(page)/2

CAI A FARSA

A Baixada Católica, que reúne um grupo de credulários católicos, cujo slogan é humildade, caridade, obediência, unidade e defesa da fé católica, que, como se pode claramente constatar, são todos acretinados pelos sacerdotes católicos, e tanto são cretinos e estúpidos que não demonstram a mínima preocupação em extinguir a pedofilia no meio sacerdotal, mas sim unicamente em atacar ao protestantismo, despeitados porque estas seitas estão arrebanhando cada vez mais os credulários das hostes católicas, que sendo por demais ignorantes continuam ao lado do mau, apenas mudando de posições entre os males, saindo das hostes do catolicismo e engrossando as hostes do protestantismo, que apenas sabem praticar o mal, semeando a ignorância por todo o orbe terrestre, além de patifarias outras. Para uns e outros o lema é o seguinte: “nós praticamos o mal, mas eles praticam mais do que nós”. No caso aqui em questão, o mal é a pedofilia. Essa Baixada Católica, vem afirmar o seguinte:

A PEDOFILIA E O DESVIO SEXUAL NO PROTESTANTISMO

PAREM DE ACUSAR OS PADRES CATÓLICOS E OLHEM OS PODRES DO PROTESTANTISMO!!!

Hoje, o delegado Geraldo da Costa, da Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA), vai encaminhar ao Ministério Público o inquérito que investigou diversos estupros praticados por um casal, ele, pastor da Assembleia de Deus, contra um homem de 20 anos e seis adolescentes no município de São Lourenço da Mata, na Região Metropolitana do Recife. O pastor, cujo nome é Isac Bento Campelo, 30 anos, e sua mulher de 26, Ana Carla Domingos Gomes, foram indiciados por estupro e estupro de vulnerável. Se forem condenados pelos crimes, os acusados podem pegar penas de até 15 anos por cada estupro de vulneráveis e de 10 anos pelo abuso contra o adulto. Iniciaram-se as investigações após denúncias de pais de duas vítimas, denúncias feitas no mês de novembro de 2012.

Segundo o delegado, as vítimas tinham idades entre 12 e 17 anos, além do homem de 20 anos, sendo que, dentre eles, um menino de 12 anos, uma menina de 13 e um garoto de 16 que informa sofrer abusos desde quando tinha 10 anos de idade.

Ainda segundo o mesmo Delegado: ‘O pastor contou que esse rapaz teria ficado (mantido relações sexuais) com a mulher dele e para se vingar, ele teria mantido relações sexuais forçadas com o rapaz e depois com a irmã dele, uma garota de apenas 13 anos. Depois ele disse que teve relações com uma adolescente de 16 anos, mas que ela (a adolescente) teria consentido o ato’, declarou o delegado. 

O delegado relata ainda que a mulher mantinha relações com os garotos e o pastor com os adolescentes de ambos os sexos.

O pastor teria sido expulso dos quadros de pastores da Assembleia de Deus por suspeita de fraudar as finanças do templo da localidade e fundado a própria denominação, a Assembleia de Deus Mistério e Missões.

O casal responde pelos crimes em liberdade. Ainda de acordo com a polícia, os abusos aconteciam na casa do pastor.

Nota do Editor:

Interessante que quando os protestantes falam de números, para mostrar quão volumosos eles são, eles incluem na contagem esses autointitulados ministérios, não associados a nenhuma entidade maior, cujo patrimônio é apenas a clientela e o ponto comercial, em prédio alugado, mas quando acontece escândalos, a reação deles é sempre a mesma: ‘não é a minha denominação’; ‘não é a minha seita’. Assim fica fácil ter uma ficha ilibada: basta fundar uma nova seita, uma nova denominação, perfeita, imaculada, irrepreensível, apenas pela virtude de não possuir história. E se essa seita der errado, se começarem a aparecer casos como esses? Basta fundar outra seita novinha em folha, sem história, sem passado e, por isso, inocente igual uma criancinha recém-nascida.

PASTOR É PRESO POR ALICIAR OBREIRAS DA IGREJA AFIRMANDO QUE EJACULAVA ESPERMA DIVINO

A polícia de Manaus (AM) prendeu o pastor Cleyson Alves de Souza, 37, sob a acusação de estuprar duas obreiras, uma de 15 e outra de 17 anos. Segundo as vítimas, o pastor as aliciava dentro da igreja e em seguida, as levava para o motel, onde eram violentadas. 

Segundo elas, Cleyson prometia ajudar no desenvolvimento da forma física por meio do sexo. Durante as investigações, a polícia descobriu que Cleyson dizia que ejaculava ‘esperma de Deus’ e que tinha de ser engolido pelas jovens para ‘purificar a alma’, a alma delas. Além de violentar as meninas, ele ainda, incitava a prática de atos libidinosos mostrando vídeo de um menino de 11 anos sendo violentado com um cabo de vassoura. Uma das vítimas contou que Souza dizia que, por ser pastor, podia ter o corpo da fiel que quisesse. 

À polícia, as adolescentes afirmaram que não haviam feito a denúncia antes porque ele as ameaçavas de morte. De acordo com a delegada Linda Gláucia, Cleyson também se passava por policial. 

A DEPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente) pediu à Justiça na semana passada prisão preventiva do pastor, após ter recebido a denúncia das adolescentes. 

O pastor foi preso quando pregava na Igreja Pentecostal Deus Altíssimo, na região centro-oeste da cidade. A polícia soube que ele estava ali por intermédio de uma denúncia anônima. No vídeo é mostrada a prisão do ‘pastor’:

Fonte: http://www.regiaonoroeste.com/portal/materias.php?id=42104

PASTOR ABUSA DE MENOR (16 ANOS) EM ARACAJU

O pastor protestante Robério Lopes, 46 anos, pastor da seita denominada ‘Assembleia de Deus Betel’ foi acusado de praticar estupro contra uma menor de 16 anos.

A família da menor, que residia anteriormente em Maceió, estava na cidade havia apenas dois meses quando o abuso ocorreu.

Ele se certificou de que a mãe da menor não estivesse em casa e disse que ia fazer umas orações, começou ungindo as costas, barriga, pernas e depois jogou um lençol sobre a cabeça dela e praticou o estupro, dizendo que não era para a jovem contar nada a ninguém porque senão algum espírito maligno poderia fazer mal a ela.

O único espírito mal que fez mal à jovem é o espírito de porco do pastor Robério Lopes que é casado com Luzimar Lopes.

Mais detalhes sobre esse evento repugnante no vídeo que segue e no link abaixo:

http://www.infonet.com.br/cidade/ler.asp?id=132344

Muito se fala de pedofilia cometida por padres católicos, inclusive quando acontece algum caso, os noticiários sempre fazem uma retrospectiva de casos que aconteceram desde 10 anos atrás, tentando dar uma ideia de que esse tipo de abuso é frequente. Quando um pastor comete esse deslize não aparece no Jornal Nacional, não ganha os noticiários do horário nobre. Deve ser porque são muito comuns e os noticiários se ocupam do que é incomum.

Postado por BAIXADA CATÓLICA 

Enviar por e-mail Blog This! Compartilhar no Twitter. Compartilhar no Facebook. Compartilhar com o Pinterest”.

A pedofilia é um crime hediondo que se encontra disseminado entre todos os credos e as suas seitas, justamente porque os espíritos quedados no astral inferior obsedam aos seres humanos fracos com tendências à prática do sexo bestial, torna-os pedófilos e os fazem sacerdotes dos credos e das seitas de suas preferências, como se encontra devidamente explicado mais acima. A prova disso é a pedofilia que se encontra no meio sacerdotal entre o pequeno número da seita Testemunhas de Jeová. Em 2010, Pascoal Naib, referindo-se aos casos de pedofilia nessa seita, vem nos dizer o seguinte:

ANALISANDO CASOS DE PEDOFILIA ENTRE AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

A prática da pedofilia é transversal a todas as religiões e todas as culturas. É uma prática abominável e é óbvio que não podemos julgar uma religião por no meio dela se encontrarem pedófilos e violadores ocultos. No entanto, uma religião que tem como objetivo ocultar do público as práticas erradas dos seus membros, como no caso da Igreja Católica, e no fundo proteger os criminosos não está a ser íntegra para com aqueles que depositam neles a sua confiança. O problema na comunidade religiosa das Testemunhas de Jeová é exatamente isto que se tem passado e tem ‘rebentado’ nas notícias nos últimos tempos. Devido ao medo de denunciar alguém, e isso trazer mau nome à Organização de Jeová, o Corpo Governante tem preferido manter no anonimato aqueles que praticam tais crimes. Embora alguns tenham sido desassociados, muitos outros têm permanecido impunes e andado de congregação em congregação, com a conivência da Sociedade Torre de Vigia.

Nas suas revistas “A Sentinela” e “Despertai”, a Organização dá a impressão de que está lutando pelo bem-estar das crianças nas congregações, a prática fica bem aquém do que se apregoa. A organização das Testemunhas de Jeová encara a pedofilia como um pecado e atua desta forma. Isto é um grave erro. Pedofilia embora seja um pecado grave, é acima de tudo um CRIME. E aqui é que tem falhado! Um suposto pedófilo não deve ser tratado apenas como um pecador, mas sim como um criminoso. Os inúmeros casos que têm vindo a lume nos últimos anos revelam como a Watchtower tem falhado em proteger seus menores, e pior que isso, muitos casos têm sido acobertados, quer das autoridades quer das próprias congregações. Basta fazer uma breve pesquisa na NET a nível mundial e constatar que isto é mais grave do que se pensa. Ainda há pouco tempo (cerca de 1 ano) a Watchtower (sede mundial) pagou vários milhões de dólares em indenizações a supostas vítimas de pedofilia para calar o seu silêncio. Basta procurarem artigos na NET por ‘gag order Jehovah’s Witnesses’. Através destas pesadas indenizações a Sociedade Torre de Vigia, comprou o silêncio das suas vítimas, acordando com elas uma “gag order”, um acordo jurídico em que uma das partes fica proibida de falar mais naquele caso ou de o trazer novamente a julgamento. Se procurarem também por Barbara Anderson, verão que esta corajosa irmã, foi expulsa da Organização porque foi uma das que trouxe a lume muitos casos de pedofilia encobertos na América. Ela apareceu no PANORAMA BBC, sobre a pedofilia entre as Testemunhas de Jeová e corajosamente denunciou a forma como os casos de pedofilia são tratados entre nós, e como se transformam muitas das vezes as vítimas nos ‘alvos a abater’, obrigando-as a se calarem e não revelarem nada às autoridades para não mancharem ‘o nome de Deus’ nem a ‘Organização de Jeová’. Esta mulher, que trabalhou no Departamento de Redação em Brooklyn e que trabalhou em íntima associação com membros do Corpo Governante, através de pesquisa conseguiu reunir num CD-ROM mais de 500 páginas de processos de pedofilia contra a Watchtower, onde se revela a forma como a Organização tem tentado encobrir a todo o custo que as vítimas falem ao mundo. A informação está disponível. Basta procurar e querer saber. Mas é mais fácil enterrar a cabeça na areia ou abrir uma Sentinela ou Despertai e citar palavras bonitas, mas que na prática têm resultado na infelicidade de centenas, senão milhares de crianças e adolescentes por esse mundo.

Enviar por e-mail Blog This! Compartilhar no Twitter. Compartilhar no Facebook”.

É preciso que os seres humanos de boa vontade adquiram a consciência plena das palavras de Jesus, o Cristo, quando o nosso Redentor afirmou que “De uma árvore boa, só frutos bons nascerão”. E para essa afirmativa do Nazareno vale também o inverso da questão, que “De uma árvore ruim, só frutos ruins nascerão”.

Temos como exemplo dessa afirmativa genuinamente cristã, o fato de uma mãe que seja realmente educadora, que zela pela educação da sua prole, que se preocupa com o futuro daqueles a quem ela pôs neste mundo. Exercendo com dignidade o seu papel de educadora, ela age no sentido de sopitar os atributos individuais inferiores e os atributos relacionais negativos que observa em seus filhos, ao mesmo tempo estendendo os atributos individuais superiores e os atributos relacionais positivos, fazendo com que eles adquiram a moral e a ética, portanto, tornando-os educados, sempre se esforçando cada vez mais para lapidar o caráter de cada um dos que formam a sua prole. Assim sim, nós poderemos erguer um novo edifício social em nossa humanidade. Se todas as mães representassem realmente a árvore frondosa da educação, as suas safras seriam todas, inquestionavelmente, de bons frutos.

No contexto mundial, o Racionalismo Cristão representa a árvore frondosa da educação mundial, em que através dele os seres humanos de boa vontade serão os frutos bonançosos da educação espiritual, com todos sendo esclarecido sobre os segredos da vida e os enigmas do Universo, para que assim venham a produzir sentimentos superiores e pensamentos positivos, e através deles então as produções das vibrações magnéticas, das radiações elétricas e das radiovibrações eletromagnéticas, através das suas auras, formando uma corrente poderosíssima, em sintonia direta com Deus e com o Astral Superior, para que assim se proceda a uma limpeza na atmosfera terrena, também transladando os espíritos quedados no astral inferior para os seus Mundos de Luz, quando então o viver de todos os seres deste mundo sofrerá uma completa mudança, e assim continuando, até que todos os seres humanos passem a produzir raios de luz em direção uns dos outros, estabelecendo a amizade espiritual neste mundo, com vistas à prática da solidariedade fraternal, proporcionando enfim a felicidade geral neste mundo.

Atualmente, encontra-se plantada na Terra a árvore do mal, que cresceu de um modo vertiginoso, principalmente nos últimos tempos, cujos ramos são representados pelos milhares e milhares de credos e seitas que se encontram espalhados por todo o orbe terrestre, cujos frutos são os malévolos e desalmados sacerdotes, que por todos os tempos assolaram as vidas dos seres humanos em todos os setores da vida, praticando todos os tipos de crimes, do financeiro ao abuso sexual de crianças, passando pela guerra, pelo genocídio, pelos assassinatos, pelas depravações e degenerações, e por tudo que de mal campeia nesse mundo de meu Deus. O resultado de tudo isso causou uma nebulosa na atmosfera da Terra, negra, trevosa, danosa, cuja imagem será posta no site pamam.com.br, em que essa corrente do mal somente pode ser quebrada pelo Racionalismo Cristão.

 

Continue lendo sobre o assunto:

Romae