13.01.19- Capítulo XIX – A Desobsessão

A Era da Verdade
26 de abril de 2020 Pamam

A desobsessão é feita com melhores resultados nas correntes fluídicas organizadas pelo Astral Superior nas Casas Racionalistas Cristãs. Nas Sessões Públicas de Limpeza Psíquica que se realizam no Centro Redentor e as suas Filiais e Correspondentes, o obsedado fica em cadeira adequada, sentado à mesa das Sessões, um de cada lado do fecho, rodeado por três esteios. Estes, cautelosamente, observam-no, aplicando-lhe a disciplina do sacudimento. De vez em quando, dão-lhe a beber um pouco de água fluídica.

O sacudimento tem por fim facilitar o arrebatamento pelos espíritos do Astral Superior, ali presentes, do obsessor do corpo do obsedado. O obsedado frequentemente estrebucha na cadeira, revelando a ação do espírito obsessor, que se obstina em não deixar a vítima. Sendo necessário, atam-se à cadeira os pés, as mãos e a cintura do obsedado, para evitar que se machuque com as contorções violentas que algumas vezes faz.

Os esteios vibram, radiam e radiovibram confiantes, para melhor reforçar a corrente e facilitar a ação desobsessora. Enquanto isso, a Sessão prossegue com serenidade e segurança, não dando nenhum dos auxiliares, a partir do presidente, a menor importância às reclamações ou protestos que o obsedado faça. Depois que o obsessor é arrancado, o obsedado se acalma, sentindo uma profunda prostração, em virtude da vida anímica que lhe foi sugada pelo obsessor.

O obsedado, porém, ainda não está bom. A desorganização celular provocada pelo obsessor foi grande, e há necessidade de retornar o equilíbrio às unidades desajustadas do organismo. Nesse estado, se não puder contar em sua casa com pessoas que o assistam, aplicando a disciplina e a correção aconselhada pela Doutrina, está sujeito a atrair outro obsessor, dos bilhões que existem na superfície da Terra e em sua atmosfera, dificultando ou impossibilitando a sua normalização.

No entanto, se as pessoas de casa ajudarem, fazendo as vibrações, radiações e radiovibrações em torno do obsedado, duas vezes ao dia, durante cinco minutos, sacudindo-o durante essas vibrações, radiações e radiovibrações, rapidamente se operará a sua desobsessão, se o estado de inquietação do enfermo não tornar necessária outras disciplinas.

Os obsedados alimentam, em regra, os desejos dos obsessores, que são de comida forte e excitante, razão pela qual lhes deve ser ministrado, durante o tratamento, um regime alimentar de convalescente, que os obsessores detestam.

Não se deve esquecer que os espíritos da camada mais baixa do astral inferior conservam os mesmos costumes e vícios que tinham quando encarnados. Assim, para alimentarem as exigências do seu “eu” materializado, que intensamente sentem, apegam-se e se unem fortemente aos encarnados afins que os possam saciar, ainda que ilusoriamente. No tratamento da obsessão, esta particularidade não pode ser esquecida.

Os obsedados devem continuar o tratamento até ficarem normalizados, comparecendo regularmente às Sessões de Limpeza Psíquica praticadas nas Casas Racionalistas Cristãs, onde se lhes aplica a disciplina já descrita.

Ali vão ouvindo as doutrinações e, não obstante o seu estado ainda de perturbação ou de desajustamento, alguma coisa do que ouvem fica gravada no seu perispírito, produzindo efeitos benéficos. Os seus acompanhantes também vão adquirindo, por esse meio, conhecimentos que os habilitam a prosseguir no tratamento da desobsessão em casa.

Os bilhões de obsessores que povoam o astral inferior têm, cada qual, as suas preferências e escolhem as vítimas encarnadas de acordo com a afinidade que por elas sentem ou os sentimentos que os animam com relação a essas mesmas vítimas. Os pensamentos afins são sempre o ímã de atração.

Há os que gostam de bebidas alcoólicas, os que foram glutões e continuam com o mesmo vício, e os fumantes e escravos de outros hábitos viciosos, todos empenhados em satisfazer os seus desejos intemperados. As vibrações, radiações e radiovibrações harmônicas do obsessor e do obsedado se conjugam, fundem-se, ajustam-se e se encaixam de tal maneira uma na outra, que se torna difícil a separação.

A desobsessão de um ser humano rancoroso e vingativo é sempre problemática, porque alimentando ódio e malquerença, revela grande inferioridade espiritual, com cujo sentimento se torna um associado dos espíritos inferiores. Em tais casos a enfermidade passa a ser incurável, desde que o livre arbítrio da criatura continue a ser empregado para o mal.

Depois de desobsedado, limpo psiquicamente, é preciso fortificar não só o seu espírito, mas também o corpo carnal, danificados ambos pelos maus fluidos e grande perda de energia anímica, o que se consegue pela reeducação da vontade e a disciplina de pensamentos.

O bom êxito desse segundo período de desobsessão é mais difícil de ser alcançado, por depender da reeducação da vontade do normalizando e da reação contra novas obsessões. Os vícios provocados pelos obsessores ficam tão arraigados em seu espírito, que só os deixa a muito custo. Sob a influência desta disciplina, começa o normalizando a raciocinar e a dominar os vícios próprios e aqueles que foram desenvolvidos pelos obsessores, e quando se lhe tornar fácil esse domínio, não mais se deixará obsedar.

A normalização das crianças se fará desobsedando e esclarecendo os pais e as demais pessoas com quem convivem, levando-as, assiduamente, às correntes fluídicas das Casas Racionalistas Cristãs.

As crianças também se normalizam com a mudança de ambiente, quando retiradas do meio onde agem os espíritos do astral inferior, que são atraídos pelos vícios e maus pensamentos dos adultos, para outro em que o viver ameno seja pautado pelos Princípios que esta obra explana.

 

Continue lendo sobre o assunto:

A Era da Verdade

13.03- O Antecristo

Eu, Marcos Valente Serra, cognome Pamam, encarnei na cidade de Fortaleza, capital do Estado do Ceará, em quatro de março de 1953. Estudei no Colégio Cearense, dos irmãos maristas,...

Leia mais »
Romae