12.01.01.03- Quais são as diferentes categorias dos males que fazem os seres humanos chegar às raias da loucura?

Prolegômenos
7 de junho de 2018 Pamam

Antes de mais nada, é preciso que eu defina primeiro o que seja a loucura, para que assim todos possam compreender com razoabilidade quando alguém chega a atingir as suas raias, ou seja, as suas riscas reveladoras, os seus traços característicos, as suas linhas que tecem o seu próprio tecido com que se vestem os verdadeiramente loucos, para que assim transvestidos possam praticar todos os tipos de males com que nos deparamos neste planeta Terra que nos serve de mundo-escola.

Para tanto, é preciso que se saiba com a devida precisão que estando situada na fase da imaginação, é justamente nesta fase que a grande maioria dos seres humanos desenvolve os seus atributos individuais inferiores e relacionais negativos, os quais irão comandar os seus poderes e as suas ações, fazendo trabalhar os seus órgãos mentais à procura do caminho mais fácil para atender aos seus caprichos pessoais e aos seus desejos intemperados, fazendo com que os seus pensamentos maquinem a prática do mal, engendrando mil e uma fórmulas para enganar, para ludibriar, para burlar, com o intuito de iludir aos demais seres humanos, a fim de que possam alcançar aos seus objetivos escusos e maléficos, prejudicando a quem se encontre no meio desse caminho tortuoso e cheio de armadilhas. Para tanto, as ações são praticadas às escondidas, na moita, por debaixo dos panos, por detrás das cortinas, como dizem os populares em jargões.

Por outro lado, situados também na fase da imaginação, os demais seres humanos desenvolvem os seus atributos individuais superiores e relacionais positivos, os quais irão também comandar as suas ações, só que de maneira contrária, fazendo trabalhar os seus órgãos mentais à procura do caminho mais justo e correto para atender às suas aspirações voltadas para o bem, fazendo com que os seus sentimentos tendam a se elevar ao espaço, em busca dos conhecimentos metafísicos acerca da verdade, e os seus pensamentos tendam a se transportar para o futuro, em busca das experiências físicas acerca da sabedoria, e lá possam obter o poder e criar a maneira mais adequada de pautar as suas ações em determinados tipos de condutas que possam servir como padrão para todos eles, assim como também para as ações dos seus semelhantes, com quem se encontram a conviver neste mundo-escola, a fim de que todos em comum possam alcançar aos seus objetivos voltados para a paz e para o bem geral, com vistas à ordem e ao progresso coletivo de todos, assim como se encontra a indicar um dos símbolos da nação brasileira, a nossa bandeira nacional.

É correto se afirmar que o bem sempre prevalece sobre o mal, uma vez que este é fruto da ignorância, que é limitada, tendo um tempo determinado para a decretação do seu final, da sua extinção, enquanto que aquele é fruto do caminho que se trilha em busca da perfeição, tendo um tempo determinado para a decretação do seu sobrepor sobre o mal, para o seu florear em cada humanidade, e para a sua extensão, quando começa a se produzir a amizade espiritual, até que toda ela possa ser produzida por completo, quando então se vislumbra o alcance da perfeição, em que o amor espiritual passa a ser  produzido em substituição à amizade espiritual, até que se alcance a perfeição, quando então ele passa a ser produzido em sua plenitude, se não, pelo menos até onde a minha visão espiritualista consegue alcançar, alçando-se ao Espaço Superior e ao Tempo Futuro, simultaneamente, portanto, ao Universo, e aqui podendo contemplar o amor de Jesus, o Cristo, que verdadeiramente consegue contemplar o amor de Deus, já que O chamou de Pai, mesmo não sendo o seu filho único, que se torna uma aberração propagada em todos os tons pelos sobrenaturalistas, pois que todos nós somos também filhos de Deus, e podemos chegar a esse estágio evolutivo de Jesus, o Cristo, pois já é sabido que a meta na evolução é a nossa reintegração ao Criador.

São as leis espaciais, os princípios temporais e os preceitos universais que devem reger a conduta de toda a nossa humanidade, com base na espiritualidade, para que possamos alcançar a essa nossa meta na evolução espiritual de reintegração ao Criador. Mas o fato é que os seres humanos não conseguem imaginar a essa legislação universal que deve reger as suas vidas, já que ainda não adentraram na fase da concepção, que é a base da formulação das ideias. Então eles mesmos imaginam os seus próprios códigos de leis, agregados a poucos princípios, os quais deveriam reger a conduta de toda a nossa humanidade, apesar deles serem estabelecidos para cada uma das nações que se encontram espalhadas por esse mundo afora. Mas esses códigos não conseguem reger a conduta da nossa humanidade, porque aqueles seres humanos detentores dos atributos individuais mais inferiores e relacionais mais negativos tentam de todas as maneiras burlar a todos esses códigos que foram postos pela sociedade, preferindo viver ao arrepio das leis e dos princípios humanos, para que assim possam satisfazer aos seus próprios interesses pessoais, provenientes das suas ambições desmedidas, dos seus egoísmos desenfreados, e dos seus demais atributos individuais inferiores e relacionais negativos, saciando desta maneira aos seus prazeres intemperados, ao praticarem todos os tipos de males de que se têm notícia.

Mas não sabem esses transgressores das leis e dos princípios humanos, que se estão infringindo às leis e aos princípios próprios deste mundo, que são apenas uns simples arremedos das leis espaciais e dos princípios temporais, já que neste mundo ainda não existem os preceitos universais, em todos estes têm que ser obrigatoriamente enquadrados, para que assim prevaleça sempre e invariavelmente a justiça universal.

Assim como os conhecimentos metafísicos acerca da verdade, as leis espaciais são decorrentes da propriedade da Força, encontrando-se no Espaço Superior, sendo absolutas, ontológicas, invariáveis, imutáveis, por isso elas não devem ser criadas, mas sim captadas pela percepção oriunda do criptoscópio, tendo que ser consideradas e obedecidas. E assim como as experiências físicas acerca da sabedoria, os princípios temporais são decorrentes da propriedade da Energia, encontrando-se no Tempo Futuro, sendo relativos, empíricos, variáveis, mutáveis, por isso eles não devem ser captados, mas sim criados pela compreensão oriunda do intelecto, tendo que ser considerados e seguidos. As propriedades da Força e da Energia se combinam em todos os estágios, e dessas combinações decorrem os preceitos universais. Isto implica em dizer que para a obediência das leis devem ser seguidos os seus princípios correspondentes, assim como para os conhecimentos metafísicos acerca da verdade devem ser realizadas as experiências físicas acerca da sabedoria correspondentes, em uma demonstração analogamente lógica e diretamente proporcional. Mas para o cumprimento dos preceitos universais deve ocorrer a espiritualização, com o esclarecimento acerca do Universo.

As leis espaciais, os princípios temporais e os preceitos universais têm como escopo regular as condutas dos espíritos em todos os sentidos, com eles estando sozinhos ou acompanhados em um determinado local em que se encontrem, mesmo neste mundo, que agora deve passar a ser de âmbito universal, integrando-se ao Universo. Mas aos seus infratores, as leis espaciais, os princípios temporais e os preceitos universais não têm como escopo a simples condenação seguida da respectiva punição, uma vez que essa duidade em si, nada produz de benefício para as suas evoluções espirituais. É certo que existe um julgamento e uma condenação para as suas infrações, pois como Luiz de Mattos bem o disse: “Eu julgo e condeno”. Mas não a sua simples punição, através do cumprimento da pena, que pode ser a prisão na cadeia, no presídio, ou em outro local, como nos albergues, no domicílio ou no manicômio judicial, tais quais os procedimentos terrenos, aqui neste mundo Terra, ou ainda a execução da pena de morte ou a da banição. Julgar e condenar é fazer com que o infrator venha a sentir na sua própria alma os males praticados, em obediência à lei do retorno, pois quem mal faz, para si o faz, conforme afirmou Jesus, o Cristo, com vistas à regeneração do infrator.

Então, ao ser julgado e depois condenado, no âmbito da espiritualidade, a punição diz respeito à regeneração do espírito infrator, através da correção dos atributos individuais inferiores e relacionais negativos que comandaram as suas ações para a prática do crime cometido, com a utilização dos meios considerados mais adequados pelo Astral Superior para essa sua regeneração. Geralmente esses meios são carregados de sofrimentos muito dolorosos, ainda mais dolorosos do que aos que geraram os males praticados, já que o sofrimento doloroso é uma maneira infalível de se corrigir ao espírito infrator e fazê-lo evoluir, pois que ao sofrimento prazeroso ele não atende, sabendo-se que as outras duas maneiras de se evoluir, além do sofrimento, são o estudo e o raciocínio, com estes sendo até mais fáceis que a evolução pelo sofrimento, mas que os espíritos, geralmente, somente atendem à via dolorosa, por isso ela é considerada como sendo infalível, já que sentindo a dor na própria alma o espírito consegue se voltar para o lado da regeneração, passando a seguir pelo caminho do bem.

Mas as leis espaciais, os princípios temporais e os preceitos universais não se restringem apenas à regeneração do espírito infrator, eles também preveem a reparação de todo o mal que foi por ele praticado, para que então possa haver equilíbrio no Universo, sendo assim que se opera a justiça universal. Como se pode constatar, não é com a simples punição e o cumprimento da pena que lhe foi imposta que o espírito infrator paga todo o mal que praticou, mas sim com a própria regeneração e com seu reparo. Fica posto, então, que no âmbito da espiritualidade, o mal se paga com o bem, e não apenas com o cumprimento de qualquer pena.

Chegar às raias da loucura, portanto, pode ser considerado como sendo a obediência aos comandos dos atributos individuais inferiores e relacionais negativos, que impulsionam os órgãos mentais dos seres humanos a engendrarem os caminhos tortuosos que os levam às práticas dos males que assolam a nossa humanidade, em que nessas maquinações eles produzem os sentimentos inferiores e os pensamentos negativos correspondentes que os levam realmente a praticar essas ações malévolas, já que os sentimentos fornecem o poder e os pensamentos fornecem as ações, cujos resultados são os males que presenciamos diariamente neste nosso mundo-escola.

Em sendo assim, eu não devo determinar as diferentes categorias dos males que nos assolam e que fazem os seres humanos chegar às raias da loucura, com base nas leis e nos princípios codificados neste mundo, mas sim nos universais, com base na espiritualidade. E sendo por demais extenso o rol dos males praticados neste mundo, a maneira mais lógica e correta para arrolá-los por categorias é enquadrar os atributos individuais inferiores e relacionais negativos em grupos, que devem compô-las da seguinte maneira:

  • Dos semeadores da ignorância:
    • São os males praticados pela classe sacerdotal, que sem nenhum discernimento acerca da realidade da vida, apelando para o irracionalismo do sobrenatural, dana-se a inocular o perigoso veneno da ignorância nas mentes dos seus arrebanhados, tendo por base a fé credulária em um deus de carne e osso, por ser feito à imagem e semelhança do homem; hermafrodito, por afirmar ter feito o homem macho e fêmea à sua imagem e semelhança; iracundo, para que todos venham a temer a sua ira; belicoso, por ser um deus da guerra que afirma irá guerrear com um suposto inimigo chamado de Satanás; ciumento, por haver levado uma censura tremendamente acre de Moisés, ao querer exterminar aos adoradores do bezerro de ouro; vaidoso, por querer ser adorado no trono em que se senta com as suas próprias nádegas carnudas; insolente, por querer ser amado acima de tudo e de todos; sádico, por querer jogar as pragas apocalípticas nos considerados ímpios para vê-los padecer dos sofrimentos mais dolorosos sem qualquer finalidade; filicida, por querer exterminar aos ímpios de quem se diz criador; e todos os demais atributos individuais inferiores e relacionais negativos próprios dos seres humanos que seguem a mentirosa e estúpida Bíblia, igualmente aos outros deuses dos demais credos, em que essa famigerada classe sacerdotal torna a todos os seus arrebanhados uns verdadeiros cretinos, arrancando-lhes ainda dos bolsos fortunas e fortunas em dinheiro, com a prática do estelionato, e sem se contentar com todos esses males que espalham pelo mundo afora, ainda praticam a pedofilia, a pederastia e o sexo desregrado, avançando ainda bem mais, quando penetram descaradamente nos sagrados lares, velhaca e astuciosamente, como se fossem evangelizar ou aconselhar, profanando-os, fazendo filhos com as mulheres casadas, aproveitando covardemente as ausências dos incautos e confiantes maridos, que se encontram ocupados nas rotinas dos seus trabalhos cotidianos, e tudo isso sem mencionar a tão recriminada intolerância credulária, em que os seus fanáticos assassinam de todas as maneiras, inclusive com atos terroristas, chegando às vezes ao sacrifício da própria vida, pelo fato de crerem estupidamente no sobrenatural.
  • Dos traidores da pátria:
    • São os males praticados pelos seres humanos que se dizem políticos e que exercem cargos públicos eleitorais, assim como os que trabalham nos órgãos públicos, em todas as esferas governamentais, nas empresas públicas e de economia mista, com estas últimas sendo controladas pelo governo, sendo todos eles, sem qualquer exceção, servidores públicos, quando praticam a corrupção, a prevaricação, a venalidade, ou outro crime similar, em que se pode observar em suas almas a existência de quase todos os atributos individuais inferiores e relacionais negativos, pois que trair a confiança depositada em si pelos seus compatriotas é trair a própria pátria, e mesmo praticar a mordomia exacerbada chega também quase a ser traição, já que os aproveitadores chegam muito próximos dos traidores, pois que são mais do que cientes de que os recursos públicos são destinados, única e exclusivamente, para o serviço público, tendo os servidores públicos que viver, obrigatoriamente, com os seus próprios recursos pessoais, que são frutos dos seus trabalhos, ganhos honesta e merecidamente, e, além disso tudo, a prática da reles política, da politicalha, em que os políticos, ao invés de buscarem os interesses da coletividade, buscam, única e exclusivamente, os seus próprios interesses políticos, utilizando-se de todos os meios para angariar cargos públicos relevantes para os seus correligionários, na ânsia incontida por conquistar mais poderes, trocando os seus votos de consciência por esses cargos, na mais sórdida e interesseira adesão à governança.
  • Dos genocidas:
    • São os males praticados pelos religiosos e cientistas desprovidos de moral e de ética, respectivamente, nas invenções de armas bélicas, de todos os tipos de armamentos que se destinam a desencarnar aos seus próprios semelhantes, assim como também pelos líderes políticos governamentais que determinam as suas fabricações e as suas compras, e pelos empresários que as fabricam e vendem com o intuito do lucro fácil e desprezível, sendo que aqueles que as utilizam não passam de umas verdadeiras marionetes nas mãos dos fazedores de guerras, sendo todos obedientes a ordens estúpidas e belicosas, por serem de natureza genocida, ignorando completamente que os tempos são chegados para o esclarecimento de toda a nossa humanidade, e que os tempos de guerra já se foram, restando apenas os conflitos belicosos locais por parte dos fanáticos credulários e afins, e também de alguns políticos que teimam em não se apear do poder, em que aqueles tentam de todas as maneiras massacrar aos que não comungam das suas fés e das suas ideologias irracionais e intolerantes.
  • Do tráfico de drogas ilícitas:
    • São os males praticados pelos traficantes nacionais e internacionais, que na ânsia do lucro fácil e repugnante causam a perda da encarnação de muitos seres humanos fracos que se tornam viciados em suas drogas, inclusive as perdas das suas próprias encarnações, destruindo os lares e um número imenso de famílias, as células da sociedade, em que eles são geralmente apoiados pelos políticos e pelos líderes das nações mais atrasadas, sendo todos eles corruptos, portanto, traidores das suas próprias pátrias, pois caso não fosse assim, os países produtores de drogas não teriam terras disponíveis para o plantio das suas matérias-primas.
  • Dos roubos e assaltos:
    • São os males praticados pelos seres humanos que se ocupam com as práticas desses crimes, que sendo detentores de atributos individuais inferiores e relacionais negativos, buscam tomar o patrimônio alheio na base da violência, geralmente à mão armada, e muitas vezes ceifando a vida do próprio semelhante, por pura maldade, através do latrocínio, que é o roubo seguido de morte, ignorando completamente a importância de uma encarnação, inclusive das suas próprias encarnações, que fatalmente estarão perdidas, e não somente isso, acumulando débitos em suas existências, tendo que resgatar a todos eles através dos sofrimentos mais dolorosos.
  • Das fugas das mulheres dos seus lares:
    • São os males praticados pelas mulheres que ignoram completamente que elas são as rainhas do lar, enquanto que os homens são os reis do mundo, e que por isso abandonam os seus lares para que possam se realizar profissionalmente, em detrimento da educação das suas próprias proles, que ficam ao léu, recebendo apenas a educação colegial e os cuidados de terceiros, provando a escassez cada vez maior do sublime amor de mãe, que nessas circunstâncias, completamente alheias às maiores realizações da mulher, que se resumem em ser esposa, mãe e educadora, preparando os filhos para o mundo e as filhas para os lares, consoante os compromissos assumidos em plano astral, quando se propuseram a cumprir com essas obrigações, ao encarnarem com o sexo feminino, ainda passam a praticar o sexo desregrado, confundindo assim a libertinagem promíscua, que causa a depravação e a degeneração, com a liberdade, que não se refere por hipótese alguma à prática sexual e nem às suas fugas para o mundo, em abandono do lar, e muitas e muitas vezes praticando até a infidelidade conjugal, com essas conquistas ditas amorosas se dando nos ambientes de trabalho e até nas ruas, nas chamadas baladas da noite.
  • Dos vícios:
    • São os males praticados em função dos graves defeitos que tornam os seres humanos inadequados para certos fins ou funções, em virtude das suas inclinações viciosas serem voltadas para o lado sombrio da vida, com a aquisição do mal procedimento adquirido com o desregramento habitual, com os seus costumes sendo censurados e condenados, em que vai preponderando a libertinagem, a licenciosidade e a devassidão, que são sinônimos da viciosidade.
  • Dos assassinatos:
    • São os males praticados em função dos interesses inconfessáveis, ou movidos pelos atributos individuais inferiores e relacionais negativos, em que os seres humanos tiram as vidas dos seus próprios semelhantes, assassinando-os por motivos torpes.
  • Do tubaronismo:
    • São os industriais e os demais produtores rurais ou não, os comerciantes e os negociadores de todos os gêneros, que se caracterizam pela extrema ganância e pelo sórdido egoísmo, e que por isso se valem de todos os meios para aumentar os seus lucros, que assim se tornam os seus únicos objetivos, explorando sem qualquer comiseração aos seus semelhantes, contribuindo assim, lastimavelmente, para o aumento do custo de vida, e, em decorrência, para o aumento da miserabilidade no mundo, com esses tubarões ignorando completamente que a lei da oferta e da procura que geralmente faz aumentar os preços, tão propalada pela parcela do Saber denominada de Economia, é uma das mais nefastas e mais desprezíveis das leis mundanas, fruto do egoísmo, da mesquinhez e da falta de solidariedade para com o próximo, e que por isso tem que ser extinta o mais rápido possível da face da Terra.
  • Da usura:
    • São todas as instituições financeiras que cobram juros de capital através de contratos de empréstimos e financiamentos com a cláusula de que o devedor se obriga ao pagamento de juros excessivos, exorbitantes, a onzena de antigamente, em que esse exagero exacerbado faz emergir claramente das almas desses verdadeiros agiotas o tremendo egoísmo, a imensa mesquinhez e a profunda avareza, além de uma ambição desmedida, e tanto mais o tomador do empréstimo ou do financiamento se encontra em situação mais difícil, quanto mais os juros aumentam, quando, na realidade, o procedimento deveria ser exatamente o contrário, na prática, e o pior de tudo isso é que os bancos ainda cobram tarifas extremamente elevadas, as quais importam em valores que dão para cobrir as suas folhas de pagamento e os demais custos até com sobras, o que denota claramente que os banqueiros em nada se importam com os seus colaboradores, que deveriam ser bem mais remunerados, querendo apenas eficiência por parte deles, mas que esta eficiência deve se refletir apenas na rentabilidade, pois que o que eles querem realmente é somente o lucro.
  • Dos profissionais prófugos:
    • São os profissionais fugitivos e desertores dos códigos das suas profissões, os quais ignoram completamente que a profissão é o ato ou o efeito de professar, que é reconhecer publicamente as regras que norteiam as suas funções inerentes ao exercício das atividades especializadas que desempenham no cotidiano da vida, e que por isso deveriam obedecer a essas regras, o que supõe um determinado preparo moral e ético, no entanto, quanto mais os profissionais se julgam competentes, tanto mais eles exploram a bolsa do povo, muitas vezes ludibriando aos seus clientes ou mesmo à instituição em que prestam os seus serviços, como no dia a dia se pode constatar naqueles que exercem as profissões de médico, de advogado, e tantas outras profissões consideradas como sendo de alto nível, e também até nas profissões consideradas como sendo de baixo nível, em que os seus profissionais mentem descaradamente quando são requisitados para os consertos dos objetos que se encontram com defeitos, como nos veículos automotores e eletrodomésticos em geral, quando inventam defeitos mais graves com o intuito de aumentarem as contas dos serviços a serem prestados.
  • Da ignorância:
    • São os seres humanos que se encontram na condição de não instruídos, já que a imaginação não reúne as condições adequadas para que se possa promover a verdadeira instrução, pois que a ausência completa dos conhecimentos metafísicos acerca da verdade e das experiências físicas acerca da sabedoria, que coordenados proporcionam o Saber, por excelência, determinam o estado de quem desconhece as coisas, os fatos e os fenômenos universais, o que dificulta, sobremaneira, a aquisição dos atributos individuais superiores que formam a moral e dos atributos relacionais positivos que formam a ética, para que tornem os seres humanos verdadeiramente educados, daí a existência da expressão apelar para a ignorância, quando os seres humanos ameaçam praticar determinadas ações ao se verem encurralados, posto que ausentes dos requisitos da razão, e também da existência da expressão partir para a ignorância, quando os seres humanos chegam realmente a praticar determinadas ações na mesma situação de encurralados em que se encontram. A ignorância, portanto, é o maior mal da nossa humanidade, como bem afirmou o nosso Redentor.

Em linhas gerais, estas são as doze principais e diferentes categorias dos males que nos afligem e que fazem os seres humanos chegar às raias da loucura, pois que as inclinações para as suas práticas são reveladas por intermédio das suas auras, que são observadas pelos espíritos obsessores, extremamente materializados, que se encontram decaídos na atmosfera terrena, compondo o que se denomina de astral inferior, ou o inferno dos que seguem os credos e as suas seitas, que soma uma quantidade incalculável para nós que estamos ainda encarnados, formando bandos e mais bandos, agrupando-se em inúmeras e inúmeras falanges, compondo os mais diversos corpos de tropas voltados para o mal, ansiosos por encontrar os seus afins encarnados, quando então passam a dominá-los e a intuí-los para as práticas do mal, fazendo com que eles pratiquem todos os tipos de crimes, em função de se sentirem bem uns nas companhias dos outros, com isso ocorrendo em todos os setores da vida, inclusive nos lares, nas empresas, em todas as esferas governamentais, e, principalmente, nos locais em que são acolhidas e incentivadas as vidas noturnas, as denominadas baladas da noite. Esses espíritos é quem são os verdadeiros demônios, como Jeová e os seus anjos alados, como comprovarei através de verdadeiras imagens, na obra prolegômena contida no site pamam.com.br, a quem os credulários dirigem as suas rezas e orações, tornando ainda mais trevosa a atmosfera terrena, ao ponto de formar uma nebulosa escura, visível aos olhos de todos os viventes. .

Eu devo aqui informar, que por ocasião das minhas experiências científicas no ambiente mundano, eu pude constatar a realidade da existência de muitas dessas falanges obsessoras, que disputam os seus locais de atuação, e que por isso brigam entre si por eles, mas que se uniram com o intuito de me obsedar, quer dizer, esqueceram as suas diferenças com o objetivo de cometerem um único crime, tentando de tudo para que eu viesse a praticar o mal, inclusive envidando todos os esforços para me desencarnar, mas que todas essas tentativas não foram logradas de qualquer êxito.

Todos os seres humanos que atualmente se encontram transviados da verdadeira vida, que por não haverem se esforçado por reprimir e sopitar os seus atributos individuais inferiores e relacionais negativos, e lutado e se esforçado por conquistar os atributos individuais superiores e relacionais positivos, já que os atributos comandam as suas inteligências ainda imaginativas, e que se encontram desviados dos padrões morais e éticos já postos neste mundo, tanto pelo Racionalismo Cristão como por muitos espíritos evoluídos, por isso se encontrando de há muito vigentes no meio social, terão que ser afastados daqueles que se encontram seguindo a esses padrões, para que não mais interfiram direta e negativamente nas suas vidas, atrapalhando e impedindo as suas evoluções espirituais.

Já é sabido, mas vale sempre repetir, para que a força da repetição possa sempre se fazer valer nesta minha explanação de A Filosofia da Administração, que há 4.000 anos atrás se deu início a uma Grande Era, com a encarnação de Hermes Trimegistus, a primeira encarnação de Jesus, o Cristo, neste mundo, que foi denominada de a Era da Saperologia. Há 2.000 anos atrás se findou essa Grande Era e se deu início a uma nova Grande Era, denominada de a Era da Veritologia, com a encarnação de Jesus, o Cristo, que anunciou velada e hiperbolicamente que somente a verdade poderia livrar a nossa humanidade das garras da ignorância, levando-a para o cumprimento do dever, e que era chegado o tempo de separar o joio do trigo. A Era da Veritologia está se findando e estamos ingressando em uma nova Grande Era, denominada de a Era da Ratiologia, com esta minha encarnação, ou o meu retorno a este mundo. Note-se que eu apreendi a verdade em minha alma, procedi com a sua devida união, irmanação, congregação, com a sabedoria, e com ambas ingressei no âmbito da razão, daí o fato dessa próxima Grande Era ser denominada de a Era da Ratiologia, ou de a Era da Razão.

As diversas nações que se encontram espalhadas por esse mundo afora, não passam de aglomerados humanos que foram separados e colocados em territórios distintos, com cada uma delas tendo a sua finalidade específica no contexto mundial, em obediência ao plano de espiritualização da nossa humanidade, para que também dessa maneira pudesse ser procedida a devida separação entre o joio e o trigo, com este permanecendo em união espalhado entre as diversas nações mais evoluídas, e aquele devendo ser transladado para as nações menos desenvolvidas, devendo permanecer em “união” espalhado entre as nações restantes menos evoluídas, que, obviamente, por serem as mais atrasadas, estarão afeitas aos sofrimentos mais dolorosos. E assim permanecerá, pelo menos até que todos sejam regenerados e possam se integrar às nações mais evoluídas, até que um Estado Mundial possa ser formado.

O objetivo dessa separação é que o trigo, que será representado pelas nações espiritualizadas mais adiantadas, ajude a promover a regeneração do joio, que será representado pelas nações materializadas mais atrasadas, até que se consiga promover a regeneração de todos, quando então toda a nossa humanidade estará espiritualizada, cuja finalidade é se estabelecer um Estado Mundial neste nosso mundo-escola denominado de planeta Terra, com todos falando a mesma língua, que deverá ser o Esperando, para que assim seja estabelecida a produção da amizade espiritual entre todos os seres humanos, fazendo emergir a solidariedade fraternal, com todos assumindo as suas respectivas responsabilidades mútuas em relação aos demais, que é o estágio evolutivo preparatório para que se possa produzir o amor espiritual, quando então a nossa humanidade estará preparada para ter o seu próprio Cristo em seu seio.

 

Continue lendo sobre o assunto:

Prolegômenos

12.02- A concepção

Geralmente aqueles que mais se destacam dos demais procuram transmitir de alguma maneira aquilo que julgam haver concebido em seus corpos mentais, geralmente através das suas obras postas em...

Leia mais »
Prolegômenos

12.02.01- A ideia

De início, a ideia é confundida com a imagem daquilo que as coisas, os fatos e os fenômenos da natureza formam no corpo mental do ser humano, por intermédio...

Leia mais »
Prolegômenos

12.03- A teoria do ser

O ser pode ser considerado como sendo o verbo de ligação que serve para afirmar a existência dos atributos adquiridos pelos seres no exercício das suas atividades básicas, para...

Leia mais »
Romae