11.02.01- A substância

Prolegômenos
3 de junho de 2018 Pamam

De um modo geral, a substância pode ser definida como sendo tudo aquilo que compõe uma coisa e faz com que esta coisa subsista por si mesma, independentemente de todo e qualquer acidente determinado. O fato de uma coisa subsistir por si mesma tem a sua origem no próprio fato das suas substâncias também subsistirem por si mesmas, que é a sua condição sine qua non. Assim, podemos afirmar que as substâncias compreendem toda a realidade de uma coisa. E se elas compreendem toda a realidade de uma coisa, é óbvio que compreendem tanto a sua substância principal, que logicamente é apenas uma, como as suas substâncias secundárias, que no caso são três. À substância principal nós denominamos de essência, e às substâncias secundárias nós denominamos de propriedades.

Podemos então afirmar, por extensão, que o Ser Total é a Essência de Deus, ou o Espírito Total, e que a Força Total, a Energia Total e a Luz Total são as Propriedades de Deus, do ser Total, do Espírito Total, do Criador, da Inteligência Universal, em que o conjunto formado pela Essência e pelas Propriedades forma as Suas Substâncias, como um Todo, por essa razão Ele é também a Coisa Total.

É por isso que o advérbio substancialmente, ou a locução adverbial em substância, devem ser empregados no sentido de modo geral, sem entrar nos pormenores, quer dizer, sem quaisquer referências diretas à essência ou as propriedades, mas sim ao conjunto da coisa de que se fala. E também quando se refere a um assunto qualquer, refere-se ao contexto geral desse assunto, e não aos seus pormenores, quer dizer, aos seus assuntos específicos.

O certo é que em relação a Deus devemos omitir tudo aquilo que na proposição se diz do sujeito, uma vez que não podemos limitá-Lo com predicados comuns, já que Ele é Tudo, ou o Todo. Mas pelo fato de O considerarmos sob este aspecto, como sendo a Coisa Total, o único que é cognoscível, podemos afirmar que Ele é formado de Substâncias. Assim, como dito, a Substância Principal que representa a Sua Essência é Ele, o próprio Ser Total; e as Substâncias Secundárias que representam as Suas Propriedades são a Força Total, a Energia Total e a Luz Total, que Nele se encontram harmonizadas em um grau infinito, sendo por isso incognoscível, por conseguinte, indescritível para quem quer que seja.

A Propriedade da Força contém o Espaço, a Propriedade da Energia contém o Tempo, e ambas as propriedades formam as estrelas, que fornecem as coordenadas do Universo, em que a Propriedade da Luz penetra em todas as coordenadas universais.  Daí a razão pela qual muitos estudiosos vêm afirmar que Ele é Luz, enquanto que os seguidores da verdade dizem que Ele é Força e às vezes Luz, e que a sabedoria vem dizer que Ele também é Energia, quando finalmente a razão vem afirmar que a Força, a Energia e a Luz são as Propriedades de Deus, e que o Ser Total é a Sua Essência.

No entanto, se a Coisa Total é formada de Substâncias, é óbvio que todas as coisas também são formadas de substâncias, pois que da Coisa Total todas as coisas são provenientes, uma vez que do Ser Total vem todos os seres, assim como do Criador vem todas as criaturas. E como todos os seres evoluem pelo Universo adquirindo as propriedades da Força e da Energia, até que evoluam o suficiente para que também possam evoluir por intermédio da propriedade da Luz, ao adquirirem o raciocínio e o livre arbítrio, quando então se tornam espíritos, torna-se óbvio que Deus passa a se encontrar mais notadamente em todos os espíritos, com todas as Suas propriedades, em conformidade com o estágio evolutivo em que eles se encontram.

Assim, em toda e qualquer coisa que já alcançou o estágio evolutivo no âmbito da espiritualidade, a substância principal que representa a sua essência é um simples ser, partícula individualizada do Ser Total; e as substâncias secundárias que representam as suas propriedades são a Força, a Energia e a Luz, que nele vão se alojando parceladamente, aos poucos, no decorrer do processo da evolução universal, justamente por isso se encontram em porções parceladas, consoante o grau de evolução de cada coisa.

Ao evoluir por intermédio da propriedade da Força, os seres humanos vão desenvolvendo o seu órgão mental denominado de criptoscópio, cuja função é perceber e cuja finalidade é captar os conhecimentos metafísicos acerca da verdade que se encontram no Espaço Superior, assim como também vão desenvolvendo os seus atributos individuais, que tanto podem ser superiores como inferiores, na busca incessante pela moral, e outros predicados mais, tais como as produções das sensibilidades e dos sentimentos.

Ao evoluir por intermédio da propriedade da Energia, os seres humanos vão desenvolvendo o seu órgão mental denominado de intelecto, cuja função é compreender e cuja finalidade é criar as experiências físicas acerca da sabedoria que se encontram no Tempo Futuro, assim como também vão desenvolvendo os seus atributos relacionais, que tanto podem ser positivos como negativos, na busca incessante pela ética, e outros predicados mais, tais como as produções dos sentidos e dos pensamentos.

Neste ponto, pode-se compreender perfeitamente que todos os conhecimentos científicos não são captados, mas sim criados através dos sentidos, quando as hipóteses são levantadas e confirmadas através de experiências físicas em laboratórios, sempre em condições normais de temperatura e pressão, principalmente através dos olhos da cara, com elas assim podendo ser repetidas, por isso todos esses conhecimentos científicos são falsos.

As propriedades da Força e da Energia formam as estrelas, que fornecem as coordenadas universais, de onde provêm os fluidos, através dos quais tudo se propaga pelo Universo, em que da propriedade da Força, que contém o espaço, vem o magnetismo, da propriedade da Energia, que contém o tempo, vem a eletricidade, e das combinações de ambas as propriedades vêm o eletromagnetismo. Os seres formam todos os mundos, e como eles evoluem por intermédio das propriedades da Força e da Energia, todos os mundos se encontram sob as égides das estrelas, orbitando ao seu redor, em conformidade com as coordenadas universais em que se encontram, consoante os estágios evolutivos em que os seres formadores dos mundos se encontram.

E ao evoluir por intermédio da propriedade da Luz, os seres humanos vão desenvolvendo o seu órgão mental denominado de consciência, cuja função é de coordenação e cuja finalidade é coordenar o criptoscópio e o intelecto, em coordenando o criptoscópio e o intelecto, torna-se claro e evidente que também ocorre uma coordenação entre os conhecimentos metafísicos acerca da verdade, que se encontram no Espaço Superior, e as experiências físicas acerca da sabedoria, que se encontram no Tempo Futuro, por onde se alcança a razão, que obviamente é universal, assim como também ocorre uma coordenação entre os atributos individuais superiores, que formam a moral, e os atributos relacionais positivos, que formam a ética, por onde se alcança a educação, que também obviamente é universal, e outros predicados mais de importância fundamental, tais como a produção da amizade espiritual, que ora vai ser estabelecida no seio da nossa humanidade, fazendo emergir a solidariedade fraternal, com a prática do bem e a extinção do mal, por intermédio do Racionalismo Cristão, e depois a produção do amor espiritual, que se situa acima do bem e do mal, quando então todos os seres humanos poderão realmente se tornar cristãos, mas não agora, apenas após 4.000 anos, quando a amizade espiritual estiver totalmente consolidada entre todos os seres humanos neste mundo.

Como se pode agora claramente constatar, é através da propriedade da Luz que os espíritos mais evoluídos, estando educados, conseguem transcender ao ambiente terreno e penetrar nas coordenadas universais mais distantes, contemplando com a sua luz astral a este mundo-escola e aos demais mundos-escolas que rolam pelo Universo, por isso esses espíritos mais evoluídos são chamados de espíritos superiores, ou de espíritos de luz, e por isso eles formam a plêiade do Astral Superior. Daí a razão pela qual os olhos da cara, que dizem respeito aos sentidos, não podem jamais alcançar a verdade, a sabedoria e a razão, e daí a razão pela qual as ciências atualmente medram na ilusão da matéria e os credos e as suas seitas medram no devaneio do sobrenatural, ressaltando-se aqui que no caso das ciências o erro é de inteligência, enquanto que no caso dos credos e das suas seitas o erro é de pura maldade, pelo fato das intenções serem dirigidas pela conquista do poder e da riqueza, em que tudo isso gira em função da chacota sacerdotal.

Eis a razão pela qual os seres tanto se esforçam por adquirir as propriedades da Força, em busca do poder, e da Energia, em busca da ação, que representam a vida, por conseguinte, harmonizá-las com a aquisição da propriedade da Luz, coordenando-as no mais alto grau possível, a fim de que assim possam adquirir cada vez mais luz, em decorrência, mais Força e mais Energia, mas que ignoram as suas aquisições, por isso buscam o poder e a ação neste próprio mundo Terra, perante os demais seres humanos, através de meios não recomendáveis, como fazem em primeiro plano a nociva classe sacerdotal e a reles classe política. Estes são os grandes deste mundo-escola, mas os pequenos dos Mundos de Luz.

Pode-se agora compreender perfeitamente a razão pela qual Deus está contido em todos os seres, proporcionalmente ao estágio evolutivo em que eles se encontram, pois que todos os seres são partículas do Ser Total, e evoluem adquirindo as propriedades da Força e da Energia, inicialmente, e depois a propriedade da Luz, quando se tornam espíritos, sendo justamente por isso que Jesus, o Cristo, e também os espíritos mais evoluídos tiram de si mesmos tudo aquilo que entendem por Deus, pelo Criador, pela Inteligência Universal, pelo Todo. Mas no caso de Jesus, o Cristo, a situação é completamente diferente, pois que ele sendo um ratiólogo evoluidíssimo, alcançou as fronteiras da perfeição, e lá conseguiu contemplar diretamente a Deus, estando posto nas coordenadas universais que se situam nos páramos do Universo, já no âmbito da perfeição, chamando-O de Pai.

Nós saltamos do Ser Total, da Essência de Deus, e, como simples seres, como essências de Deus que realmente somos, passamos a adquirir as Suas Propriedades, primeiramente as propriedades da Força e da Energia, como sendo as coisas mais imperfeitas que existem, tais como seres hidrogênios, passando a formar um mundo, como o planeta Terra. Quando esses seres hidrogênios evoluem o suficiente, adquirindo as propriedades da Força e da Energia, eles se encontram aptos para que então possam interagir com os seres mais evoluídos, quando então vêm para o seu mundo os demais seres, como os seres atômicos mais evoluídos, os seres moleculares, e todos os outros seres que se situam acima deles, com todos esses seres evoluindo apenas por intermédio das propriedades da Força e da Energia. É assim que se processa a formação de um mundo-escola.

Quando esse mundo-escola se encontra totalmente preparado, aqueles seres que vinham evoluindo apenas por intermédio das propriedades da Força e da Energia, e que passaram a também evoluir por intermédio da propriedade da Luz, adquirindo o raciocínio e o livre arbítrio, por isso recebendo a denominação de espíritos, cujo conjunto formou uma humanidade, passam então a habitar a esse mundo-escola, nele encarnando, para que nele possam evoluir e fazer evoluir aos demais seres infra-humanos que para ele também vêm, inclusive os próprios seres hidrogênios que o formam. Como se pode constatar, em cada mundo-escola ocorre uma interação universal, até um determinado estágio evolutivo.

Mas acontece que esses seres humanos ainda são muito atrasados, pois que acabaram de evoluir da condição de primata irracional para a condição de primata racional, por isso as suas feições ainda são muito rudes, muito grosseiras, em virtude disso, eles passam milhões e milhões de anos evoluindo nesse mundo-escola, desenvolvendo os seus raciocínios e aperfeiçoando as suas feições, até que se tornam Homo sapiens.

Nesta condição de Homo sapiens, os seres humanos continuam evoluindo cada vez mais por intermédio das propriedades da Força, da Energia e da Luz, assim como de há muito vinham evoluindo. No entanto, não é possível evoluir em todas essas propriedades em grandes proporções, ao mesmo tempo, pois que nenhum ser humano é capaz de alcançar a verdade, a sabedoria e a razão sozinho, de uma única vez, e até poderia fazê-lo, mas em prejuízo do tempo para se evoluir, pois que assim demandaria muito mais tempo para se espiritualizar, em prejuízo do ritmo da evolução determinado por Deus para todas as humanidades, assim como também para todos os demais seres infra-humanos, pois que a evolução universal segue um ritmo constante e ininterrupto, que não pode ser alterado, sob pena das leis espaciais, dos princípios temporais e dos preceitos universais serem aplicados de maneira irregular e inconstante em todos os locais do Universo, sem seguirem uma ordem natural evolutiva constante.

Assim, uns optam por evoluir, sobremaneira, por intermédio da propriedade da Força, em busca da verdade. Enquanto que outros optam por evoluir, sobremaneira, por intermédio da propriedade da Energia, em busca da sabedoria. Mas com todos procurando evoluir cada vez mais por intermédio da propriedade da Luz. No entanto, aqueles que optaram por evoluir, sobremaneira, por intermédio da propriedade da Força, têm que evoluir também por intermédio da propriedade da Energia, só que em menor proporção, e vice-versa. É por isso que surgem os veritólogos de um lado, e os saperólogos de outro lado.

Nesse evoluir constante, ininterrupto, quando na condição de Homo sapiens, os seres humanos que integram uma humanidade conseguem formar várias civilizações, encarnando no seu mundo-escola, mas não conseguem, por si, alcançar a espiritualização. Por isso, todas essas civilizações fracassam nessa tentativa, sendo todas elas extintas, obliteradas da face do mundo-escola em que encarnam, tendo que recomeçar todo o processo civilizatório novamente, até que essa humanidade se encontre pronta, apta para ser espiritualizada. Este assunto é muito extenso, e não cabe aqui no momento estendê-lo, pois que devo me ater ao assunto que diz respeito à explanação da substância, mas, em resumo, é o que se encontra posto para o querido leitor, que acredito tenha sido apreendido pelo seu corpo mental. E aqui eu ingresso no âmbito da nossa humanidade, que nesta civilização atual já se encontra pronta, apta para ser espiritualizada.

E se encontrando pronta, apta para ser espiritualizada, um espírito altamente evoluído, um dos dois expoentes da humanidade que seguimos na esteira evolutiva do Universo, desloca-se da sua humanidade e se integra à nossa humanidade, com a finalidade precípua de elaborar um plano para a nossa espiritualização, agindo intensamente no sentido da sua concretização. Em suas ações, ele tem que encarnar várias vezes neste nosso mundo-escola, que é o planeta Terra, até que consegue alcançar o limite da perfeição, ao alcançar a condição do Cristo. O Cristo, portanto, é um instituto estabelecido por Deus para integrar todas as humanidades umas às outras, à medida que elas vão se espiritualizando, no decorrer do processo evolutivo. É por isso que a doutrina do Racionalismo Cristão afirma que Jesus, o Cristo, encarnou como Hermes, no Egito, como Krishna, na Índia, como Confúcio, na China, como Platão, na Grécia, e, por fim, como Jesus, na Palestina, quando finalmente alcançou a condição do Cristo.

E esse instituto do Cristo tem que ser estabelecido em nossa humanidade, pois como Jesus, o Cristo, mesmo afirmou: “Somente através de mim se poderá chegar ao Pai”, não através dele, Jesus, mas sim através dele como sendo o instituto do Cristo, que cada uma das humanidades tem que possuir em seu seio, para que o seu próprio Cristo possa conduzi-la em retorno para Deus. Agora todos podem finalmente compreender que o Racionalismo Cristão é a pedra fundamental para se estabelecer o instituto do Cristo em nossa humanidade, sendo ele, pois, o seu embrião, além de conter em si outras finalidades mais, que no momento oportuno serão todas devidamente reveladas. E neste ponto, o querido leitor já se encontra apto para poder compreender que nós, como essências do Ser Total, individualizados, evoluímos por intermédio das propriedades da Força, da Energia e da Luz.

Aqueles que optaram por evoluir, sobremaneira, por intermédio da propriedade da Força, tais como essência do Ser Total, buscam se tornar seres religiosos — não credulários, uma vez que todos já sabem, de maneira mais ou menos detalhada, a imensa diferença que existe entre as verdadeiras religiões e os credos e as suas seitas —, para que depois possam se tornar veritólogos, por isso em demanda da Veritologia, na busca dos conhecimentos metafísicos acerca da verdade, que se encontram no Espaço Superior.

Assim, a manifestação que prepondera nesses seres é o poder. O órgão mental que caracteriza esses seres é o criptoscópio. A função desse órgão mental é a percepção. A finalidade desse órgão mental é a captação. A atividade básica exercida por esses seres é a religião e depois a Veritologia. O teor da atividade básica exercida por esses seres diz respeito aos conhecimentos metafísicos acerca da verdade. A forma de transmitir o teor da atividade básica exercida por esses seres é através de teorias “a priori”, que formam um corpo de doutrina. A forma de aprender a atividade básica exercida por esses seres, que é justamente a forma de evoluir, é o estudo. O local onde reside o teor da atividade básica exercida por esses seres é o espaço, um dos componentes que formam o Universo. A finalidade da atividade básica exercida por esses seres é a verdade. O conjunto dos atributos básicos superiores obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, forma a moral. A natureza dos atributos básicos superiores obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, que formam a moral, é de natureza absoluta. A aplicação dos atributos básicos superiores obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, que formam a moral, é individual. O elemento anterior de produção desses seres, no exercício da atividade básica, é a sensibilidade. O elemento final de produção desses seres, no exercício da atividade básica, é o sentimento. A forma pela qual esses seres transmitem o que produzem é a vibração magnética. As relações entre esses seres e os fatos e os fenômenos são de causa. A finalidade desses seres em suas evoluções espirituais é alcançar a onipotência.

Aqueles que optaram por evoluir, sobremaneira, por intermédio da propriedade da Energia, tais como essência de Deus, buscam se tornar seres cientistas, para que depois possam se tornar saperólogos, por isso em demanda da Saperologia, na busca das experiências físicas acerca da sabedoria, que se encontram no Tempo Futuro.

Assim, a manifestação que prepondera nesses seres é a ação. O órgão mental que caracteriza esses seres é o intelecto. A função desse órgão mental é a compreensão. A finalidade desse órgão mental é a criação. A atividade básica exercida por esses seres é a ciência e depois a Saperologia. O teor da atividade básica exercida por esses seres diz respeito às experiências físicas acerca da sabedoria. A forma de transmitir o teor da atividade básica exercida por esses seres é através de teorias “a posteriori”, que formam um corpo de sistema. A forma de aprender a atividade básica exercida por esses seres, que é justamente a forma de evoluir, é o sofrimento. O local onde reside o teor da atividade básica exercida por esses seres é o tempo, o outro componente, que junto com o espaço formam o Universo. A finalidade da atividade básica exercida por esses seres é a sabedoria. O conjunto dos atributos básicos positivos obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, forma a ética. A natureza dos atributos básicos positivos obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, que formam a ética, é de natureza relativa. A aplicação dos atributos básicos positivos obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, que formam a ética, é relacional. O elemento anterior de produção desses seres, no exercício da atividade básica, é o sentido. O elemento final de produção desses seres, no exercício da atividade básica, é o pensamento. A forma pela qual esses seres transmitem o que produzem é a radiação elétrica. As relações entre esses seres e os fatos e os fenômenos são de efeito. A finalidade desses seres em suas evoluções espirituais é alcançar a onipresença.

Tanto aqueles que em suas existências optaram por evoluir, sobremaneira, por intermédio da propriedade da Força, como aqueles que em suas existências optaram por evoluir, sobremaneira, por intermédio da propriedade da Energia, tais como essências individualizadas do Ser Total, têm que evoluir também por intermédio da propriedade da Luz, para que possam se tornar religiocientistas e depois ratiólogos, por isso em demanda da Ratiologia, que é o tratado da razão, coordenando os conhecimentos metafísicos acerca da verdade e as experiências físicas acerca da sabedoria, para que assim possam se tornar seres universais, apreendendo o Saber, por excelência, formando um juízo perfeito sobre o Universo.

Assim, a manifestação que prepondera nesses seres é a existência eterna e universal, através do poder e da ação. O órgão mental que caracteriza esses seres é a consciência. A função desse órgão mental é a coordenação. A finalidade desse órgão mental é unir, irmanar, congregar, o criptoscópio e o intelecto. A atividade básica exercida por esses seres é a religiociência e depois a Ratiologia. O teor da atividade básica exercida por esses seres diz respeito à coordenação dos conhecimentos metafísicos acerca da verdade e das experiências físicas acerca da sabedoria, que formam o Saber, por excelência. A forma de transmitir o teor da atividade básica exercida por esses seres é através da coordenação das teorias “a priori”, que formam um corpo de doutrina, e das teorias “a posteriori”, que formam um corpo de sistema, que juntas formam as verdadeiras teorias, por onde se pode inferir e estabelecer uma finalidade para a vida, ou para a existência eterna e universal de todos os seres. A forma de aprender a atividade básica exercida por esses seres, que é justamente a forma de evoluir, é o raciocínio, que coordena o estudo e o sofrimento. O local onde reside o teor da atividade básica exercida por esses seres é o Universo, que é formado pelas estrelas, que contêm o espaço e o tempo, e que fornecem as suas coordenadas, onde se encontram os mundos orbitando ao redor sob as suas égides, em que a luz astral penetra em cada uma dessas coordenadas universais. A finalidade da atividade básica exercida por esses seres é a razão, que coordena a verdade e a sabedoria. O conjunto dos atributos individuais superiores e relacionais positivos obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, forma a educação, que coordena a moral e a ética; note-se aqui que para se tornar um ser universal, penetrando com a sua luz astral as coordenadas do Universo, faz-se absolutamente necessário que o ser possua tanto a moral como a ética, sendo, portanto, um ser educado. A natureza dos atributos básicos superiores obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, que formam as suas morais e as suas éticas, portanto, as suas educações, é divina, pois que eles já passam a contemplar a Deus. A aplicação dos atributos individuais superiores e relacionais positivos obtidos por esses seres, no exercício da atividade básica, que formam a educação, é totalmente espiritual. O elemento anterior de produção desses seres, no exercício da atividade básica, é a amizade espiritual, que estabelece a solidariedade fraternal no âmbito universal. O elemento final de produção desses seres, no exercício da atividade básica, é o amor espiritual, em que já se pode contemplar a perfeição. A forma pela qual esses seres transmitem o que produzem é o raio de luz. As relações entre esses seres e os fatos e os fenômenos são de causa e efeito. A finalidade desses seres, em suas evoluções espirituais, é alcançar a onisciência.

Pode-se aqui constatar perfeitamente que Deus se encontra em todos nós, consoante o estágio evolutivo em que nos encontramos, pois que em nossa evolução nós temos como finalidades alcançar a onipotência, a onipresença e a onisciência, e quando conseguimos alcançar a essas três finalidades, nós nos reintegramos a Deus, ao Todo, vindo daí a minha afirmativa de que todos nós estamos em demanda do Criador.

Estando assim posto tudo isso, pode-se compreender perfeitamente a razão pela qual os seguidores da verdade, quando se referem a Deus, sem que consigam ou tenham a pretensão de adentrá-Lo em busca do conjunto das Suas Substâncias, utilizam-se, normalmente, de apenas uma delas para expressá-Lo: a da Propriedade da Força; em consonância com o exposto mais acima, em virtude da propriedade da Força conter todos os conhecimentos metafísicos acerca da verdade, que se encontram no espaço, não no espaço deste mundo, mas no Espaço Superior, que transcende ao pequeno espaço que forma a atmosfera do planeta, justamente por isso eles fazem com que a propriedade da Força assuma todo o significado da existência do Criador.

No entanto, caso eles tivessem a pretensão de adentrar ao conjunto das Substâncias de Deus, seriam necessariamente obrigados a discorrer sobre esse conjunto, em inteira conformidade com aquilo que cada uma das Substâncias representa para Deus, tendo que separar aquela que representa a Sua Essência, que é o ser Total, e as demais que representam as Suas Propriedades, que são a Força Total, a Energia Total e a Luz Total.

Sabendo-se agora que as substâncias se dividem em essência e propriedades, vejamos então o que sejam a essência e depois a propriedade, considerando-se que do ser atômico ao ser humano tudo é coisa, inclusive Deus, que é a Coisa Total.

 

Continue lendo sobre o assunto:

Prolegômenos

11.03-Os deuses

O medo, disse Lucrécio, foi o grande criador dos deuses primitivos. Medo, sobretudo, da morte. Daí não crer o homem primitivo que a morte fosse natural, pois a atribuía...

Leia mais »
Romae