06.28- Muitos serão chamados, poucos serão os escolhidos

A Cristologia
6 de novembro de 2018 Pamam

Este aforismo foi utilizado por Jesus, o Cristo, na parábola das bodas do filho do rei, uma narrativa alegórica, por conseguinte, que transmite uma mensagem indireta, por meio de comparação ou analogia, conforme consta em Mateus 22:14, que na tradução bíblica da versão inglesa de 1984, mediante consulta ao antigo texto hebraico, aramaico e grego, revisado em 1986, diz assim: “Porque há muitos convidados, mas poucos escolhidos”. Mas outras traduções bíblicas se referem a este aforismo da seguinte maneira: “Muitos serão chamados, poucos serão os escolhidos”, mas como esta expressão não consta nos manuscritos gregos mais antigos, é omitida naquelas outras traduções. É se referindo a estas outras traduções que se pode compreender a contento a este aforismo do Nazareno.

A comunidade científica não se dispõe a analisar nem a vida e nem as palavras proferidas pelo nosso Redentor, porque todas elas passam ao largo da compreensão dos seus integrantes, em que alguns até duvidam da sua real existência, justamente porque isto não lhe compete, mas principalmente pelo fato de os sacerdotes se apoderaram da imagem de Jesus, o Cristo, dizendo-se os seus seguidores e o endeusando, quando então fundaram o cristianismo, esse falso cristianismo sobrenaturalístico, que somente ignorância e crimes trouxe à nossa humanidade.

Aparentemente esse aforismo de Jesus, o Cristo, assume a forma de algo que seja enigmático, como se fosse misterioso, indecifrável. A razão disso é que todos levam as palavras do Nazareno para o âmbito do sobrenatural, que não existe, não passando de um simples devaneio, quando, na realidade, tudo é natural, pois que se encontra em conformidade com a própria natureza. Senão vejamos:

Para os bíblicos, Jeová, o seu deus, chama a muitos ao arrependimento dos seus pecados, em que esse chamamento vem se fazendo por todas as partes do mundo, ao longo dos séculos, ocorrendo de três maneiras, que são as seguintes:

  1. Através das obras da criação, com esse universo criado revelando as maravilhas de Jeová, o deus bíblico, pelo que citam Salmos 19:1 e Romanos 1:20 a 23;
  2. Através da consciência moral do homem, com o homem sendo a imagem e a semelhança de Jeová, o deus bíblico, ainda que o pecado tenha desfigurado a essa imagem, pelo que citam Romanos 2:14 e 15;
  3. A través da revelação especial de Jeová, o deus bíblico, em sua palavra com a pregação do Evangelho de Jesus, o Cristo.

Após essas bobagens sobrenaturais em relação a esse chamamento, os bíblicos vêm afirmar que esse chamamento torna o homem indesculpável, porque ninguém poderá um dia alegar que nunca soube acerca da existência de Jeová, o deus bíblico, nem mesmo aqueles que nunca ouviram o Evangelho e viveram as suas vidas com ceticismo, ou mesmo praticando os costumes pagãos, pois que esses tipos de comportamento são frutos do pecado do homem, que desviou a glória que deveriam prestar a Jeová, o deus bíblico, às suas formas de idolatria, com tudo isso tendo por base o que consta em Romanos 1:23, que diz assim:

“… e transformaram a glória do Deus incorruptível em algo semelhante à imagem do homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de bichos rastejantes”.

De modo contrário, existem os homens que ouvem o chamado e respondem com fé, a fé credulária, diga-se de passagem, e arrependimento, que em comparação com a amplitude desse chamado, são poucos os que respondem eficazmente à oferta da salvação.

Mas, de acordo com os bíblicos, quem são os chamados e quem são os escolhidos?

Para os bíblicos, os “muitos chamados” são aqueles que de alguma forma, esquecendo-se das maneiras do chamamento, conforme posto mais acima, são convidados ao arrependimento durante as suas vidas. Enquanto que os “pouco escolhidos” são aqueles que respondem com a fé credulária verdadeira a esse convite.

Neste ponto, os bíblicos passam a debater entre si sobre como esses poucos escolhidos vão ocupar a essa posição. Nesse debate improfícuo, alguns passam a defender a tese de que os escolhidos são aqueles que já se encontram capacitados pela graça de Jeová, o deus bíblico, quando então passam a utilizar o termo graça preveniente, considerada como sendo a divina graça que precede a decisão humana, existente antes e sem referência a qualquer feito humano, alcançada por livre escolha e vontade aos que respondem com a fé credulária a esse chamado, passando assim a integrar o grupo dos escolhidos; enquanto outros passam a defender a tese de que os escolhidos são aqueles que foram eleitos soberanamente por Jeová, o deus bíblico, os quais se encontram dentro da raça humana caída, que ouvindo o chamado geral, o espírito santo trabalha em seus corações de forma eficaz, gerando o arrependimento, de maneira tal que o chamado se torna irresistível.

E não para por aqui, pois que os bíblicos continuam em seus devaneios sobrenaturalísticos, quando se referindo à parábola das bodas do filho do rei, passam a afirmar que os convidados são apresentados de três maneiras:

  1. Aqueles que receberam o convite, e dele fizeram pouco caso;
  2. Aqueles que receberam o convite após a recusa dos primeiros convidados e participaram da festa oferecida pelo rei;
  3. O homem que compareceu à festa, mas que não possuía as vestes adequadas.

Tendo por base essas três maneiras apresentadas, os bíblicos passam a imaginar que isso significa que mesmo entre aqueles que inicialmente parecem atender ao convite da salvação, existem alguns que são apenas chamados, respondendo ao chamado do Evangelho, através de uma simples profissão de fé credulária, porém superficial, nominal e histórica, mas que não se encontram vestidos com as vestes da justiça.

Deste modo, os escolhidos devem se encontrar vestidos necessariamente dos méritos de Jesus, o Cristo, conforme consta em Gálatas 3:27 e Apocalipse 3:4 a 18, 7:14 e 19:8, pois que isso significa que pelo próprio esforço humano, homem algum pode ser capaz de responder de forma positiva ao chamado do Evangelho, pois todos pecaram.

Por fim, os bíblicos passam a afirmar que haverá um dia em que o contraste entre esses dois grupos — o grupo dos escolhidos e o grupo dos não escolhidos — alcançará a sua expressão máxima, em que nesse dia os muito chamados que ignoraram o convite, serão lançados em um lugar de prantos e ranger de dentes, enquanto os que pela graça de Jeová, o deus bíblico, abraçaram o convite através da fé credulária em Jesus, o Cristo, que são os escolhidos, assentar-se-ão à mesa com Abraão, Isaque e Jacó, passando a desfrutar eternamente da presença amorosa de Jeová, o deus bíblico, que os chamou, conforme consta em Lucas 13:27 a 29.

É lamentável o estado mental em que se encontra a nossa humanidade, notadamente quando debanda para o âmbito do sobrenatural, em que o devaneio chega a atingir as raias da loucura, em que essa debandada torna muito difícil o seu remanejamento, alterando a sua disposição para o âmbito do natural, para o bom senso, para a racionalidade espiritual. Mas se esse remanejamento é assim tão difícil, não se torna impossível, desde que o espírito tenha adquirido a boa vontade em se espiritualizar.

É certo que Jesus, o Cristo, conseguiu alcançar o ápice da Ratiologia. No entanto, quando ele ainda se encontrava em sua própria humanidade, antes de se deslocar para a nossa, conseguiu lá alcançar a condição do seu Antecristo. Ora, a natureza do Antecristo é eminentemente saperológica, em que o espírito consegue compreender e criar as experiências físicas acerca da sabedoria, apesar de ainda se encontrar engatinhando na seara ratiológica. Mas para que possa alcançar a esse desiderato, ou seja, de alcançar a condição do Antecristo, torna-se absolutamente necessário que ele, em primeiro lugar, torne completa a sua ética, para que por seu intermédio possa se transportar ao Tempo Futuro, que se caracteriza como sendo o seu campo de atuação.

Além do mais, quando na condição do Antecristo da sua humanidade, ele foi o grande responsável pelo chamamento geral dos espíritos que a integravam, que eram os seus companheiros de humanidade, adotando um método para que pudesse selecionar os escolhidos, então ele era detentor da experiência adquirida relativa a esse processo de seleção, situado no âmbito espiritual.

Em sendo assim, como realmente é assim, e como jamais poderia ser diferente, Jesus, o Cristo, tinha a sua antevisão própria do Tempo Futuro, principalmente porque era um ser universal, em que nessa sua antevisão do Tempo Futuro era devidamente auxiliado pela plêiade de espíritos de luz que formavam o Astral Superior, pelo fato dele ser o médium mais perfeito que a este nosso mundo-escola já veio, o que lhe possibilitou todas as condições necessárias para que pudesse fazer valer a sua compreensão dos acontecimentos futuros, alcançando o seu ponto mais alto, tendo culminado neste aviso transcendental, que se reveste de fundamental importância para a nossa humanidade.

Isso tudo implica em dizer que Jesus, o Cristo, com a sua antevisão do Tempo Futuro, previu a formação de todas as nações que atualmente formam o mosaico deste mundo, a todo o nosso progresso tecnológico, no âmbito científico, principalmente em relação aos meios de comunicação no âmbito global, ao que se denomina de tecnologia da informação.

Portanto, deve ser por meio da tecnologia da informação que deverá ocorrer o chamamento geral dos espíritos para a obra de remodelação da nossa humanidade, para a sua inteira espiritualização, ao que se pode denominar de a nossa Grande Causa, em que todos os espíritos de boa vontade, já estando esclarecidos, deverão se engajar neste processo espiritualizador, desde que tenham adquirido o nível adequado para que possam ser escolhidos.

Assim, cabem aqui três indagações pertinentes a este aforismo de Jesus, o Cristo?

  1. Quem é o espírito responsável pelo chamamento geral dos espíritos de boa vontade e pelo processo da seleção dos poucos escolhidos?
  2. Como deverá se processar esse chamamento?
  3. Como deverá se processar a seleção dos escolhidos?

Em relação à primeira pergunta, já é sabido que Jesus, o Cristo, ainda quando na condição do Antecristo da sua humanidade, foi o grande responsável pelo chamamento geral dos seus companheiros de humanidade e o responsável pelo seu processo de seleção. Já em nossa humanidade, com a fundação do instituto do Racionalismo Cristão por parte de Luiz de Mattos, em 1910, em que esse instituto é o embrião do instituto do Cristo a ser produzido em nossa humanidade, eu encarnei posteriormente para ser o seu explanador, quando então alcancei a condição do nosso Antecristo. Então cabe a mim a imensa responsabilidade pelo chamamento geral dos espíritos de boa vontade e pelo processo da seleção dos poucos escolhidos, o que vai me valer de experiência para quando eu me deslocar para a outra humanidade que nos segue na esteira evolutiva do Universo, e lá alcançar a condição do Cristo, do nosso Cristo, diga-se de passagem, poder antever a esta realidade que lá deverá também ocorrer.

Em relação à segunda pergunta, eu posso afirmar convictamente que o processo deste chamamento deverá ocorrer por intermédio da tecnologia da informação, com a utilização do sistema que se denomina de internet. Ora, a internet é um sistema de redes de computadores que se encontram interligadas por todo o orbe terrestre, que utilizam um conjunto próprio de protocolos com o propósito de servir progressivamente a usuários no mundo inteiro, funcionando como sendo uma rede de várias outras redes, que consiste de milhões de empresas e instituições públicas e privadas, com alcance local e global que enquadra a todas as pessoas físicas, por se encontrar ligada por uma ampla variedade de tecnologias de rede eletrônica, sem fio e ópticas, trazendo uma extensa gama de recursos de informações e serviços, tais como documentos inter-relacionados de hipertextos da World Wide Web – WWW, redes ponto a ponto, denominada de peer-to-peer, e infraestrutura de apoio a correio eletrônico, os denominados e-mails.

Por intermédio da internet, pode-se elaborar um endereço eletrônico, em inglês website, ou, simplesmente, site, que consiste em um conjunto de páginas web, em inglês webpage, que implica em um conjunto de hipertextos acessíveis geralmente pelo protocolo HTTP ou pelo HTPPS na internet, em que o conjunto de todos os endereços eletrônicos públicos existentes compõe a World Wide Web – WWW, que são alcançados a partir de um URL – Uniform Resource Locator, cujo termo técnico foi traduzido para a língua portuguesa como localizador uniforme de recursos, que aponta para a página principal, em que as páginas são organizadas dentro do endereço em uma hierarquia observável na URL.

O site, ou endereço eletrônico, caracteriza-se como sendo um conjunto de informações disponíveis na internet, que podem ter diversos propósitos, tais como:

  • Institucional: muitas empresas utilizam os seus sites como ponto de contato entre elas e os seus clientes, fornecedores, etc. No caso de entidades comerciais, utilizam-se os sites também para comércio eletrônico, recrutamento de funcionários etc. As instituições sem fins lucrativos utilizam também os seus sites para divulgarem os seus trabalhos, informarem a respeito de eventos, e afins. Há também o caso dos sites mantidos por profissionais liberais, para publicarem os seus trabalhos;
  • Informações: muitos veículos de comunicação como jornais, revistas e agências de notícias, utilizam a internet para veicular notícias, por meio dos seus sites. Os jornalistas freelancers e outros profissionais comuns publicam também informações na internet, por meio de um blog, um endereço eletrônico, cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos das postagens de artigos, publicações e podcasts, uma forma de publicação de ficheiros multimídia na internet que permite aos utilizadores acompanhar a sua atualização;
  • Aplicações: existem sites cujos conteúdos consistem em ferramentas de automatização, produtividade e compartilhamento, substituindo aplicações de desktop, parte da interface gráfica de sistemas operacionais que exibe, no vídeo, representações de objetos usualmente presentes nas mesas de trabalho, como documentos, arquivos, pastas e impressoras, sendo a área de trabalho. Podem ser processadores de texto, planilhas eletrônicas, editores de imagem, agentes de correio eletrônico, agendas, etc.;
  • Armazenagem de informações: alguns sites funcionam como bancos de dados, que catalogam registros e permitem efetuar buscas, podendo incluir áudios, vídeos, imagens, softwares, mercadorias, ou mesmo outros endereços. Alguns exemplos são os motores de busca, os catálogos na internet, e as wikis, as enciclopédias online, que aceitam tanto a leitura quanto a escrita;
  • Comunitário: esses sites são utilizados para a comunicação de usuários com outros usuários da rede. Nesta categoria, se encontram os chats, fóruns e sites de relacionamento;
  • Portais: congregam conteúdos de diversos tipos entre os demais tipos, geralmente fornecidos por uma mesma empresa. Recebem esse nome por congregarem a grande maioria dos serviços da internet em um mesmo local.

Como o processo deste chamamento deverá ocorrer por intermédio da tecnologia da informação, com a utilização do sistema que se denomina de internet, eu elaborei este site de A Filosofia da Administração com o intuito de explanar os principais fundamentos do Racionalismo Cristão, em que as principais finalidades são as seguintes:

  1. Unir, irmanar, congregar, os conhecimentos metafísicos acerca da verdade e as experiências físicas acerca da sabedoria, para que assim se possa alcançar finalmente a razão;
  2. Extinguir com a mescla que sempre existiu entre a verdade e a sabedoria, além das suas confusões com a razão, fazendo sobressair os três tratados superiores, em que a Veritologia é o tratado da verdade, a Saperologia é o tratado da sabedoria e a Ratiologia é o tratado da razão, que tratam do Saber, por excelência;
  3. Colocar a classe sacerdotal no seu devido lugar, arrancando as religiões das suas garras aduncas, que deve tratar dos seus credos e das suas seitas, consoante as suas crenças sobrenaturais;
  4. Proporcionar o tão sonhado casamento entre as religiões e as ciências, fazendo sobressair as religiociências, que tratam das parcelas do Saber;
  5. Organizar a Deus perante toda a nossa humanidade, em conformidade com a razão;
  6. Desmascarar a Jeová, o deus bíblico, a Alá, o deus alcorânico, e as suas corjas de anjos negros;
  7. Alertar à nossa humanidade que Jeová, o deus bíblico, tem a pretensão de extinguir a vida no planeta através do fogo;
  8. Estabelecer a estrutura da nossa inteligência para toda a nossa humanidade, fazendo sobressair os órgãos mentais que a compõem, os quais são comandados pelos nossos atributos individuais e relacionais;
  9. Comprovar a inexistência da matéria;
  10. Esclarecer sobre a nossa formação astral;
  11. Estabelecer a verdadeira composição do Universo;
  12. Determinar a natureza dos fluidos, que os estudiosos denominam de éter;
  13. Determinar a origem do magnetismo, da eletricidade e do eletromagnetismo;
  14. Esclarecer sobre a existência do Astral Superior;
  15. Esclarecer sobre a existência do astral inferior;
  16. Comprovar a existência das reencarnações;
  17. Comprovar acerca das civilizações que foram extintas;
  18. Demonstrar a existência das Grandes Eras;
  19. Discorrer sobre as grandes mentalidades que proporcionaram A Era da Sabedoria;
  20. Esclarecer acerca da natureza do instituto do Cristo, através da Cristologia;
  21. Discorrer sobre as grandes mentalidade que proporcionaram A Era da Verdade;
  22. Decretar o final de A Era da Verdade e estabelecer o início de A Era da Razão;
  23. Proporcionar uma nova visão sobre a Administração de Empresas, pois que são as atividades empresariais que movimentam toda a economia do mundo;
  24. Proporcionar uma nova visão sobre a Administração Pública, pois que são as atividades públicas que estabelecem a paz, a ordem, o progresso, a justiça, o conforto, a segurança, a educação, a saúde, e os meios para o desenvolvimento econômico das nações, em conformidade com as suas leis e os seus princípios estabelecidos, consoante as suas próprias culturas;
  25. Incentivar as postagens de comentários, debates, sugestões, críticas, etc., por parte dos leitores, através de um Fórum, com vistas à unificação da cultura mundial, além das postagens de Problemas & Soluções, com vistas às resoluções de problemas com que se deparam os leitores no dia a dia de suas vidas, tanto no aspecto pessoal como no aspecto administrativo, seja de que natureza forem.

Em relação à terceira pergunta, aqueles que procederem a leitura deste site, já devem se encontrar um tanto quanto esclarecidos sobre os segredos da vida e os enigmas do Universo, portanto aptos para que consigam compreender a contento a toda A Filosofia da Administração, que é o objetivo principal do site.

Porém ainda faltam muitos outros esclarecimentos espiritualistas a serem revelados para o mundo, notadamente em relação àqueles que complementam a doutrina do Racionalismo Cristão, como o Método, o Sistema e a Finalidade, sem deixar de determinar de modo preciso os meus pensamentos sobre as naturezas do homem, da mulher e da família, quando somente após esses esclarecimentos considerado como sendo fundamentais, eu posso finalmente estabelecer os meus ideais na face da Terra.

Todos esses outros esclarecimentos espiritualistas a serem revelados para o mundo, deverão se encontrar postados em um outro site, cujo link é pamam.com.br. Aqueles que se dispuserem a ser assinantes do site pamam.com.br, serão aqueles que estão sendo chamados para a obra remodeladora da nossa humanidade, para que assim possam aderir à nossa Grande Causa.

Nesse site pamam.com.br, encontram-se dispostas duas categorias: uma para os Comentários e outra para Perguntas & Respostas. Em conformidade com os comentários e as perguntas postadas por aqueles que atenderam ao chamado, que em conformidade com Jesus, o Cristo, serão muitos, haverá uma seleção de acordo com os níveis daqueles que postaram, quando então serão nomeados os escolhidos, que em conformidade com Jesus, o Cristo, serão poucos.

A seleção dos muitos chamados e dos pouco escolhidos deverá ocorrer em conformidade com os dez níveis seguintes:

  1. Nível ratiológico;
  2. Nível veritológico;
  3. Nível saperológico;
  4. Nível religiocientífico;
  5. Nível religioso;
  6. Nível científico;
  7. Nível superior;
  8. Nível médio;
  9. Nível primário;
  10. Nível pessoal.

Como se pode claramente constatar, primeiro se torna necessário que o espírito venha a proceder a leitura deste site de A Filosofia da Administração. Deste modo, ele poderá optar por se considerar já esclarecido ou não. Em se considerando esclarecido, ele estará sendo chamado para a obra remodeladora da nossa humanidade, para aderir à nossa Grande Causa, sendo assinante do site pamam.com.br, quando então poderá postar os seus comentários e as suas perguntas, que serão respondidas, para que então possa ser escolhido ou não. Em não se considerando esclarecido, que faça da sua vida o que quiser, pois que é detentor do livre arbítrio.

Qualquer um que seja detentor de um médio intelecto e que possua boa vontade, não sendo renitente, por não se opor ao surto de espiritualidade que ora se lhe apresenta, pode perfeitamente compreender que este chamamento e esta escolha anunciado a praticamente 2.000 anos por Jesus, o Cristo, está ocorrendo no presente por intermédio de um processo extremamente racional, longe das sombras fantasmagóricas do sobrenaturalismo, em seu devaneio.

E como a vinda do Antecristo foi anunciada previamente ao mundo, inclusive por Nostradamus, como já anteriormente explanado, em que o falso cristianismo deturpou o termo Antecristo, contrapondo-o ao termo Anticristo, que não existe, por ser sobrenatural, cabe, pois, ao nosso Antecristo realizar o chamamento geral dos espírito e selecionar aqueles que são mais capacitados, preponderando aqui a justiça, pois que o critério de seleção ocorrerá em conformidade com o estágio evolutivo auferido por cada um dos escolhidos, que é diretamente proporcional ao seu esforço empregado no decorrer do processo da evolução.

 

Continue lendo sobre o assunto:

Romae