04.01.05- A teoria X e a teoria Y de McGregor

A Adm. de Empresas
10 de julho de 2020 Pamam

Em conformidade com o site Divulgação Dinâmica, a teoria x e a teoria y se revelam como sendo uma das teorias mais conhecidas que se relacionam com o comportamento humano no ambiente das organizações empresariais, tendo sido criada pelo economista norte-americano Douglas McGregor, elas representam duas atitudes que agrupam diferentes concepções e práticas relacionadas com a gestão de recursos humanos, nas quais o julgamento que os responsáveis de equipes têm sobre os seus liderados, é o que condiciona o seu estilo de direção.

Enquanto o taylorismo abordava o enfoque da época que considerava que os trabalhadores tinham aversão ao trabalho e tentavam evitá-lo ao máximo, com os líderes devendo dirigi-los, controlá-los e motivá-los por intermédio de incentivos pecuniários, Douglas McGregor propôs uma abordagem diferente, na qual uma pessoa pode apresentar duas posturas diferentes em relação ao trabalho, que no caso seriam a teoria x e a teoria y, cujas teorias pudessem representar a formulação de dois pontos de vista externos sobre o comportamento humano no trabalho.

A TEORIA X

A teoria x representa o ponto de vista tradicional sobre a direção e o controle dos recursos humanos, em que nela o ser humano comum sente falta de vontade intrínseca em relação ao trabalho, evitando-o sempre que pode. Assim, devido a essa tendência para fugir ao trabalho, a maior parte dos seres humanos tem que ser obrigada a trabalhar pela força, sendo dirigida, controlada e ameaçada com castigos, para que então desenvolvam o esforço adequado para a realização dos objetivos da organização, com tudo isso sendo calcado na hipótese de que o ser humano comum prefere ser dirigido, evitando as responsabilidades, já que tem poucas ambições, desejando, sobretudo, segurança. Na teoria x, o eixo da motivação é o binômio recompensa/penalização, em que os líderes têm comportamentos autoritários e são os responsáveis por ditar a maneira de trabalhar e os prazos para o cumprimento dos objetivos.

A TEORIA Y

Ao contrário da teoria x, a teoria y parte do princípio de que os seres humanos querem e precisam trabalhar, formando o conceito de que os objetivos das empresas e dos trabalhadores não se encontram em conflito, partindo do princípio de que o desenvolvimento do esforço no trabalho é tão necessário como o descanso, não desagradando ao ser humano comum o trabalho. Os recursos que dizem respeito ao controle e ao castigo não são considerados como sendo os únicos meios para que os trabalhadores se engajem nos objetivos da empresa, já que esse engajamento se encontra associado a compensações pela sua concretização, através da satisfação das necessidades pessoais e da realização pessoal. Nessas circunstâncias, o ser humano tende a se habituar a aceitar as responsabilidades que lhe são inerentes, buscando o crescimento, através da aquisição de novas responsabilidades. Considera-se que grande parte dos seres humanos tem como característica a capacidade de desenvolver adequadamente a sua imaginação, o engenho e a faculdade criadora para resolver os problemas organizacionais. Leva-se em consideração que as potencialidades intelectuais do ser humano são utilizadas apenas parcialmente nas empresas.

Assim, a teoria y considera que a utilização de condições adequadas para que os seres humanos possam utilizar todas as suas qualidades, alcançando as suas necessidades pessoais, contribuem para alcançar os objetivos da organização, satisfazendo assim a ambas as partes, sendo isso responsabilidade e tarefa da direção, com os líderes promovendo uma direção mais participativa e oferecendo meios para que os trabalhadores venham a se sentir parte da organização empresarial.

Os estudiosos do assunto realizaram dois gráficos explicativos que dizem respeito à teoria x e a teoria y, em que um se refere a hipóteses e o outro ao estilo de liderança, ambos relativos às duas teorias, que em resumo são os seguintes:

TEORIA X

TEORIA Y

HIPÓTESES

As pessoas evitam o trabalho, procurando trabalhar o menos possível. As pessoas precisam e querem trabalhar.
Os trabalhadores devem ser controlados. Os trabalhadores não precisam de controle, sentem-se motivados e desejam se aperfeiçoar.
Os trabalhadores evitam responsabilidades. Os trabalhadores procuram responsabilidades
Os trabalhadores procuram segurança e carecem de ambição. Os trabalhadores tomam decisões através de análises anteriores.

ESTILO DE LIDERANÇA

Muito controle. Mais participação.
Pouca delegação. Mais delegação.
Motivação baseada em recompensas extrínsecas e sanções. Motivação com base na sociabilidade, da estima e da autorrealização, assim como no âmbito fisiológico e de segurança.

 

Continue lendo sobre o assunto:

Romae